OPINIÃO
19/02/2014 15:40 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Em Viena, casas transformadas em restaurante por um dia (FOTOS)

No Dia do Restaurante na Áustria, qualquer um transforma sua casa em restaurante por um dia, com o menu que quiser. No The Austrian Food Snob (ou "casa da Sue") tinha tiramisu, schnapps de amêndoas e cupcakes.

Nós crescemos, mas ainda brincamos de comidinha. É por isso que uma ideia como a do Dia do Restaurante, que começou em Helsinque, na Finlândia, encontrou adeptos em mais de 55 países. Entre os quais a Áustria, onde a brasileira que vos escreve reside desde 2009. No Dia do Restaurante, somos convidados a montar aquela barraquinha, abrir a porta de casa, receber convidados e completos estranhos com petiscos, receitas de família ou aquele álcool forte que o irmão do vizinho do seu avô produz no quintal de casa.

Não é preciso se preocupar com licença ou ter estudado em uma escola de culinária. Para participar, basta inventar um menu, escolher um endereço e publicá-lo no site que lista os aspirantes a donos de boteco. Pronto: parte da divulgação já está garantida. Mas quem participou do último Dia do Restaurante, no último domingo, 16, em Viena, também criou um blog ou uma página no Facebook para ajudar a espalhar o convite.

E foi pelas redes sociais -- e com o auxílio dedo-duro do GPS -- que descobri o meu programa de fim de semana. Três restaurantes temporários espalhados pelo primeiro e segundo distritos. A primeira parada foi na estação de metrô Taborstrasse, no segundo distrito -- ou Leopoldstadt. Depois de cinco minutos de caminhada e ser quase atropelada por um menino usando um quipá e um adulto preparado para o inverno que não veio em sua jaqueta Jack Wolfskin, ambos mandando ver em seus patinetes, chego ao prédio da Sue. Ou melhor, ao The Austrian Food Snob. A estudante recebe quem cruza o portão com um sorriso e um amistoso "Ich freue mich über Ihren Besuch". Loirinha e esbelta, serve sem culpa tiramisu, cupcakes, brownies com figos e schnapps de amêndoas.

Pergunto se, além dos doces, ela também fez a própria schnapps -- prática ilegal, mas não tão incomum para quem tem família no interior da Áustria, Alemanha ou Hungria. "Nein, der Schnaps ist nur selbst gebranded", ela revela a visita ao supermercado trazendo o anglicismo marketeiro -- "branding" -- para o alemão.

The Austrian Food Snob, acima e abaixo

A tarde continua na sala da Kaisu. Finlandesa, a moça já é veterana do Dia do Restaurante, tendo participado do evento tanto na terra natal como no endereço no exílio. Os pratos oferecidos no Good Karma Café -- também conhecido como apartamento da Kaisu -- são tão deliciosos como impronunciáveis. E ela garante: todos pedem pelas especialidades finlandesas. Por isso mesmo a receita de um quase-quiche com massa integral e ovos mexidos que eu comi vai em breve para o blog da moça.

The Good Karma Cafe, acima e abaixo

Deixo Kaisu e seu apartamento com o coração na mão. A conversa está para lá de animada: entre os visitantes, há um filósofo vindo de Graz, segunda maior cidade da Áustria, uma au pair da Bielorrússia, um camarada da Sérbia que arranha português. Também no endereço está Barbara, pedagoga que encontrei no primeiro pop up da tarde. Ela me confidencia: no próximo Dia do Restaurante, em 17 de maio, irá participar como host.

Minha última parada fica no centro histórico, endereço da ópera e do mercado municipal, e eu consigo me perder. Também pudera: os universitários de design e arquitetura responsáveis listaram Karlsplatz, 15 como ponto de encontro. Mas os três contâineres que abrigam o bar móvel aus.büxen estão no meio do Resselpark.

aus.büxen, acima e abaixo

Nota-se logo que é uma iniciativa de estudantes da TU Wien: há um DJ, projeções e menus impressos distribuídos sobre as mesas. Para comer? Goulash, embutidos e batata recheada. Provo a batata recheada com salmão, abacate e maionese e constato: é possível errar no cozimento do tubérculo.

Volto para casa ao cair da noite e no trem, penso: em Viena, os finlandeses ainda fazem melhor.