OPINIÃO
17/03/2014 08:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

Risco de transmissão do HIV pode ser próximo de zero

As últimas semanas foram de festa para quem vive com HIV. Para alguns a cura não está tão longe assim e os tratamentos são cada vez menos invasivos. Boa notícia: logo vai dar para prevenir a transmissão.

A semana do Carnaval foi de festa para quem vive com HIV, mesmo longe dos desfiles e dos bloquinhos. Entre os dias 3 a 6 de março, aconteceu a Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections, CROI 2014, em Boston, uma das mais importantes conferências de HIV e aids do mundo. Cientistas de todo o globo se reuniram para apresentar os avanços obtidos em suas pesquisas.

Para começar, temos um possível caminho para a cura que tem se mostrado muito promissor. Conforme matéria do New York Times, 12 voluntários que vivem com o vírus tiveram suas células CD4+ do sistema imunológico, as mais afetadas pelo HIV, retiradas, modificadas em laboratório e reintroduzidas nestes mesmos indivíduos. Nesse processo, o conector CCR5, que é o mais usado pelo HIV para se infiltrar na célula CD4+, foi suprimido. Como consequência, as células modificadas se tornaram imunes ao vírus, tal como acontece naturalmente nos indivíduos portadores da mutação CCR5 Delta 32, encontrados em geral no norte da Europa. O estudo se mostrou seguro e eficiente em manter a carga viral (que é a quantidade de vírus medida no sangue) indetectável por 12 semanas. E, agora, deve seguir adiante com mais voluntários. O único porém é que, como o procedimento envolve a alteração de DNA, a Food and Drug Administration (FDA), órgão que regula os estudos médicos nos Estados Unidos, exige um acompanhamento destes voluntários pelos próximos 15 anos.

Mas para alguns a cura não está tão longe assim. Ou até já chegou. Muito possivelmente temos hoje mais uma bebê curada do vírus, além da "Bebê do Mississippi" -- que já está com 3 anos de idade e continua sem sinal da presença do HIV em seu organismo. Ambas foram submetidas a um tratamento com os mesmos remédios que tomamos, os antirretrovirais. A diferença é que o tratamento foi iniciado logo após o parto, em até 48 horas, e mantido por um tempo determinado. O procedimento foi uma saída encontrada pelos médicos para o caso delas, em que a mãe foi diagnosticada soropositiva apenas no momento do parto, e que acabou dando certo. Agora, um estudo com 60 bebês nas mesmas condições deve ser iniciado e, se bem sucedido, o protocolo de tratamento para os 250 mil bebês infectados no momento do parto a cada ano deve ser revisto.

A ideia deste procedimento veio da profilaxia pós-exposição, medida comumente administrada em casos de estupro, acidentes médicos e laboratoriais com material contaminado ou em alguns casos de falha no uso da camisinha. Ela consiste no uso de antirretrovirais que devem ser iniciados em até 72 horas a contar da suposta exposição ao vírus e mantidos ao longo de um mês. É tal como fazer tratamento de HIV sem ter tido ainda resultado positivo para o HIV.

E, por falar em tratamento, ele também caminha para melhoras. Hoje tomamos algo entre duas doses de 4 a 7 comprimidos por dia. Nas décadas passadas, eram 30. No entanto, em breve, poderemos ter apenas uma única dose por mês: as empresas farmacêuticas GlaxoSmithKline e Johnson & Johnson estão desenvolvendo uma injeção para tratamento do HIV que pode ser administrada mensalmente. Os testes devem começar já nos próximos meses e os resultados são esperados para 2016. Se bem sucedidos, podem mudar para sempre a forma como tomamos os medicamentos para o vírus. Outro tratamento que possivelmente também está prestes a mudar é da hepatite C, doença que afeta quatro vezes mais indivíduos que o HIV. Sua coinfecção com o vírus da aids é um complicador no tratamento das duas doenças e, por isso, esteve na pauta da CROI deste ano. A novidade é que os cientistas identificaram as estruturas do HCV, vírus causador da hepatite, e, com isso, podem vir a desenvolver uma vacina, conforme relatado na revista Nature.

Outra injeção que acaba de ser testada em macacos sugere que é possível, com doses periódicas, prevenir a infecção pelo HIV. Essa injeção contém medicamentos que, nos animais, mostrou ter duração de 11 semanas. Como ela não estimula a imunização do organismo ao vírus, o procedimento é considerado uma profilaxia pré-exposição (ou PrEP), isto é, usa medicamentos para tratar o HIV como forma de prevenir o HIV. O estudo foi divulgado na Science, uma das mais respeitadas publicações do meio científico.

Por fim, também foi apresentado na CROI 2014 um estudo que está prestes a se juntar ao HPTN 052 como um grande aliado dos soropositivos. Este, conforme já contei aqui, mostra claramente que não é preciso temer contrair o vírus do portador de HIV que faz o diagnóstico e se cuida. Para alcançar suas sólidas conclusões, o HPTN 052 analisou aproximadamente 1750 casais sorodiscordantes (quando apenas um dos parceiros é positivo para o HIV), em sua maioria heterossexuais e ao longo de 78 semanas. Feito isso, concluiu que sempre que o parceiro soropositivo está em tratamento antirretroviral, com carga indetectável há pelo menos 6 meses e sem nenhuma coinfecção com outra DST, o risco de transmissão do vírus é reduzido em 96%. Em 2011, a revista Science nomeou o HPTN 052 como a "descoberta científica do ano", vindo de encontro com o famoso Swiss Statement, a declaração feita em 2008 pela Comissão Nacional de Aids da Suíça, a qual afirmava que o uso do tratamento antirretroviral na prevenção de novas infecções era plenamente eficaz e atestava que uma pessoa com HIV que segue o seu tratamento de forma consistente, conforme prescrito e não tem nenhuma outra DST "não coloca seu parceiro soronegativo em risco de transmissão por contato sexual."

Com isso, o HPTN 052 ajudou a descriminalizar a transmissão não-intencional do HIV e a reduzir o estigma contra os soropositivos. E agora ele não está sozinho. De acordo o AidsMap, o novo estudo PARTNER, apresentado na CROI, pretende ir mais longe e responder às perguntas deixadas em aberto pelo HPTN 052. Ele ainda está em andamento, com previsão de conclusão para 2017, mas seus resultados preliminares já são bastante promissores. Um dos objetivos do PARTNER é atestar se a redução de 96% no risco de transmissão, já aferida em casais heterossexuais, se aplica também aos homossexuais e ao sexo anal, que é a maneira de sexo que apresenta mais alta transmissibilidade. Para isso, 40% dos voluntários dessa pesquisa são casais homossexuais. Todos os casais participantes do estudo, homo ou heterossexuais, são sorodiscordantes, não fazem sexo com preservativo em todas as relações e o parceiro soropositivo está sob tratamento antirretroviral há pelo menos 5 anos.

Durante o acompanhamento inicial dos participantes, verificou-se que 94% dos participantes soropositivos homossexuais estavam com carga viral indetectável no início do estudo, contra 85% dos heterossexuais soropositivos. Também aferiu-se que homossexuais usam camisinha com mais frequência que heterossexuais. Aliás, todos os casais sorodiscordantes heterossexuais transaram sem camisinha, nas quais o parceiro soronegativo afirmou haver ejaculação pelo sexo vaginal em 72% das vezes. Por sua vez, 70% dos parceiros soronegativos homossexuais afirmaram fazer sexo anal receptivo, no qual 40% das vezes incluía ejaculação. Uma proporção significativa dos casais heterossexuais afirmou fazer sexo anal. O sexo desprotegido fora do relacionamento estável mostrou-se mais comum entre homossexuais. Talvez por conta disso, 16% dos homossexuais apresentaram outras DSTs, como sífilis ou gonorreia, contra 3 a 4% dos heterossexuais. Contudo, contrariando o estudo HPTN 052, a presença de outras DSTs não se mostrou uma variável importante na transmissibilidade do HIV para estes participantes.

As descobertas feitas até o momento são interessantíssimas. Durante o estudo aconteceram transmissões do vírus, sim, mas única e exclusivamente entre aqueles que "pularam a cerca." Noutras palavras, o vírus veio do parceiro que não estava no estudo, o que foi comprovado por testagem genética do HIV de cada uma das infecções. Conclui-se então que os parceiros com quem os participantes transaram fora do estudo eram soropositivos sem tratamento e, portanto, muito possivelmente com carga viral alta. Entre os casais voluntários do estudo que não tiveram relações sexuais fora do relacionamento e cujos parceiros estáveis positivos para o HIV estavam com carga viral inferior à 200 cópias/ml de sangue, não houve um único caso sequer transmissão do vírus, mesmo sem uso do preservativo em todas as relações sexuais.

Evidentemente, trata-se ainda de uma aferição preliminar e de uma amostragem do que ocorre no mundo real. Ainda assim, quando a Dra. Alison Rodger, que apresentou o estudo na CROI, foi indagada sobre o que o PARTNER nos diz a respeito da possibilidade de alguém com carga viral indetectável ​​transmitir HIV, ela disse:

"-- Nossa melhor estimativa é que é zero."

Entretanto, ainda existe a pior estimativa. E, no pior cenário, a análise estatística mostra que as chances de transmissão pelo sexo sem preservativo ainda são consideráveis, sim: de 2% ao ano para o sexo vaginal com ejaculação, de 2,5% para o sexo anal receptivo e de 4% para o sexo anal receptivo com ejaculação, nos casos em que o parceiro soronegativo é o receptivo. Para evitar esse risco, o único jeito é usar camisinha, a qual é plenamente segura. Portanto, a lição a ser tirada de ambos os estudos, HPTN 052 e os resultados preliminares do PARTNER, é que com consciência de seu estado de saúde, o uso de antirretrovirais num eventual diagnóstico positivo e carga viral suprimida associados ao uso da camisinha, fica, de fato, muito mais que plenamente seguro. E se você não sabe o status sorológico do seu parceiro sexual, a solução é a mesma: use camisinha. Com ela, o risco sempre foi e continua sendo próximo de zero.

Para escrever este post, agradeço a contribuição de meus leitores e colaboradores no blog Soropositivos.com, que me ajudaram a reunir todas as fontes e matérias citadas aqui.