OPINIÃO
15/06/2014 09:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Dividir o mundo entre soropositivos e soronegativos é perigoso para sua saúde

Posso parecer um parlamentar tentando defender o próprio aumento de salário, mas a verdade é que não estou sozinho e a compreensão que eu apresento aqui é extremamente benéfica para o controle da epidemia no mundo.

JuSun via Getty Images

Antes que o nosso ano seja divido de vez entre antes e depois da Copa e, em seguida, antes e depois das eleições, aproveito para falar sobre uma divisão que apesar de amplamente difundida mundo afora é perigosamente equivocada. Dividir o mundo entre soropositivos e soronegativos, os portadores e os não portadores de HIV/aids, é ineficaz. Pior, dividir o mundo dessa maneira é perigoso para a sua saúde e para o controle da epidemia no mundo.

Depois que fui diagnosticado portador do HIV e aprendi bastante sobre a doença, entendi que essa divisão não explica nada sobre o risco de transmissão e sobre o impacto que receber um diagnóstico positivo para o HIV tem sobre o controle da epidemia. A verdade é que, na prática, existem três situações distintas de conhecimento da sorologia, sua ou de seu parceiro, e que impactam diretamente sobre a transmissibilidade. São elas:

A) A primeira diz respeito aqueles que têm o hábito de fazer o teste de HIV com frequência e sempre usar camisinha. Se por acaso falham em usá-la, fazem o teste de HIV pelo menos 30 dias depois da última relação sexual desprotegida, respeitando o período da chamada "janela imunológica", que é o tempo o organismo leva para produzir os anticorpos que sensibilizam o teste. Uma pessoa só pode ser considerada soronegativa se, cumprindo essas condições, receber resultado negativo no teste de HIV.

B) A segunda é aquela da qual faço parte, aqueles que fizeram o teste de HIV e este veio positivo. Quem passa por isso é então um soropositivo, um portador do vírus, uma pessoa que vive com o HIV. Seguindo o atual protocolo do Ministério da Saúde, quem recebe o diagnóstico positivo pode começar imediatamente seu tratamento com terapia antirretroviral, o "coquetel", que é gratuito em todo o País. Trata-se de uma poderosa combinação de fortes medicamentos que são capazes de levar a "carga viral", que é quantidade de vírus presente no sangue, a níveis indetectáveis pelos exames de laboratório. É o meu caso e de 76% dos que vivem com o vírus e sob tratamento no Brasil.

C) Mas há ainda um terceiro grupo, que geralmente passa despercebido pela maioria das pessoas. É o grupo daqueles que não sabem se têm ou não HIV, pois nunca fizeram ou não tem o hábito de fazer o teste. Se fazem, às vezes não respeitam a janela imunológica. Nessas condições, é impossível determinar a sorologia deste indivíduo, ao qual podemos chamar de sorointerrogativo, um apelido bem apropriado pare este caso. (Há também aqueles que não fazem o teste porque morrem de medo dele ou do seu resultado, a quem eu gosto carinhosamente de apelidar de sorodesesperados!)

Esse cenário, que é real, mostra algo curioso. Os grupos das situações "A" e "B" têm algo essencial em comum: ambos cuidam da própria saúde. E a realidade, com base no conhecimento médico e científico que temos hoje, é clara: quem se cuida não transmite e não contrai HIV. E eu vou explicar o porquê.

O uso da camisinha, hábito de quem se cuida, oferece 95% de segurança se utilizada corretamente. Por sua vez, a camisinha e a terapia antirretroviral combinadas, oferecem segurança de 99,2%. Sim, é mais seguro fazer sexo com camisinha com um portador do vírus que sabe da sua condição, cuida da sua saúde, tomando os remédios e mantendo a carga viral indetectável, do que transar com alguém que você não sabe a condição sorológica para o HIV. Num texto anterior, eu disse que o risco de contrair HIV de um portador do vírus que se cuida era o mesmo de "ser atingido por um cometa". Peço desculpas, eu errei. Àquela altura, disse isso como força de expressão e só hoje é que eu realmente fiz as contas. A verdade é que é 3 vezes mais provável ser atingido por um meteorito do que pegar HIV através de sexo com camisinha com um portador em tratamento e com carga viral indetectável.

O mesmo não se pode dizer do grupo "C", pois eles não cuidam da sua saúde. E quem não se cuida e não faz o teste, pode ser um portador do HIV não diagnosticado. Sem tratamento, a carga viral é possivelmente alta e, com isso, a transmissibilidade também. Existem dois momentos em que um portador sem tratamento apresenta maior carga viral e, portanto, maior risco de transmissão: no estágio final da infecção, já próximo dos primeiros sintomas da aids, e na fase inicial, logo após a entrada do vírus no organismo. Portanto, um recém-infectado que não sabe da sua condição é um potencial transmissor do vírus.

Posso parecer um parlamentar tentando defender o próprio aumento de salário -- ou, no caso, a credibilidade de um discurso que tem interesse próprio --, mas a verdade é que não estou sozinho e a compreensão que eu apresento aqui é extremamente benéfica para o controle da epidemia no mundo. Em 2012, ao lado do governo da Noruega e de membros da sociedade civil de diferentes países, a Unaids propôs a Declaração de Oslo, a qual faz lembrar que:

"A epidemia de HIV é nutrida pelas infecções por HIV não diagnosticadas e não pelas pessoas que conhecem seu status positivo para o HIV."

A declaração da Unaids é endossada pelo famoso Swiss Statement, a declaração feita em 2008 pela Comissão Nacional de Aids da Suíça, e por declarações similares feitas por autoridades médicas australianas e alemãs. Dois estudos científicos, HPTN 052 e Partner, dos quais já falei bastante aqui, vieram ao encontro com destas declarações. Juntos, ambos já analisaram mais de 2 mil casais sorodiscordantes (quando apenas um dos parceiros é portador do HIV) e que não usam preservativo em todas as relações sexuais. Até o momento, não foi documentado um único caso sequer de transmissão do HIV a partir de um soropositivo que toma antirretrovirais e tem carga viral indetectável. No mês passado, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças americano (em inglês: Centers for Disease Control and Prevention -- CDC) publicaram um texto sobre o risco de transmissão do HIV que usa como base o resultado destes estudos.

Com isso, espero que não reste mais nenhuma dúvida: a divisão entre soropositivos e soronegativos é ineficaz. O que existe de fato são aqueles que se cuidam a os que não se cuidam. De qual deles você quer fazer parte?

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.