OPINIÃO
17/01/2018 13:38 -02 | Atualizado 18/01/2018 22:36 -02

Entre a Justiça e o futebol: Quem está por trás do perfil @essediafoilouco

A história do advogado brasiliense que conquistou milhares de seguidores na internet fazendo humor com o esporte que é paixão nacional.

Conheça a história do perfil Esse Dia Foi Louco.
Karina Zambrana
Conheça a história do perfil Esse Dia Foi Louco.

*Artigo escrito por Nita Queiroz, jornalista pós-graduanda em Jornalismo Digital e Produção Multimídia

Martim Rheinheimer, 27 anos, é webdesigner e mora em Igrejinha/RS. Gustavo Safe, 12 anos, vive em Brasília/DF, onde cursa o Ensino Fundamental. Os dois nunca se viram e, apesar dos 2.100 km que os separam, esses brasileiros, de idades tão diferentes, têm um hábito comum: ler, curtir e comentar os posts do perfil essediafoilouco – That day was crazy – no Instagram.

Criado há três anos, o essediafoilouco (EDLF)já reúne mais de 900 mil seguidores que, como Martim e Gustavo, não perdem uma postagem. Ao fazer memes irônicos sobre times e jogadores de futebol do Brasil e do mundo, o perfil mexe com as emoções das torcidas.

Para o adolescente Gustavo, o segredo para conquistar pessoas de várias idades está na abordagem divertida. Martin concorda:

"Gosto de futebol descontraído. A página zoa com todos os times, é uma boa fonte de memes, mas também é muito inteligente em suas postagens."

Pelos comentários é possível perceber que os seguidores desenvolvem uma relação cotidiana de amor e ódio com o autor dos posts, a depender do tema escolhido. Se o time zoado é o adversário, tudo certo. Agora, se a galhofa atinge a camisa do coração, começam as ameaças de debandada.

Como o ponto forte do perfil é a zombaria, a passionalidade exagerada dos seguidores já virou tema de meme também.

"Muitos ficam com raiva, saem e depois voltam porque percebem que não há um alvo específico", afirma o autor dos posts que se identifica nas legendas das fotos apenas como "Pai", uma referência a conhecidos bordões do dicionário futebolístico: "Toca pro pai", "O pai resolve".

Reprodução/Esse Dia Foi Louco

A identidade secreta

O que nem Martim, nem Gustavo imaginam é que as postagens divertidas e provocativas que eles tanto gostam de ver e comentar não são redigidas por um humorista nem por um repórter esportivo. A mente criativa que está por trás das mais de 8.500 publicações do essediafoilouco no Instagram é de um advogado. O advogado brasiliense Carter Batista.

Há mais de uma década atuando na advocacia, Carter tem uma trajetória profissional bem-sucedida, com passagens por alguns dos escritórios mais importantes do Distrito Federal. Em fevereiro de 2017, decidiu tomar conta do próprio negócio e, ao lado de outra renomada profissional de Brasília, montou a Osório & Batista Advogados, uma banca especializada em direito tributário e empresarial.

O sucesso do perfil EDFL no Instagram — e depois no Twitter e Facebook — fez com que Carter descobrisse outra vocação além do Direito: a de influenciador das redes sociais. A rotina diária passou a se dividir entre dois universos bem distintos. De um lado a advocacia empresarial e de outro o entretenimento esportivo na internet.

Como numa partida de futebol, Carter sai driblando o relógio para harmonizar as agendas de advogado e social media. Assim, num mesmo dia, ele participa de audiências judiciais e faz transmissões ao vivo pela internet; redige uma peça processual — usando o clássico e rebuscado vocabulário jurídico – e publica posts nas redes sociais repletos de gírias e até palavrões; concede entrevista para um canal de televisão especializado na área jurídica e faz uma participação especial em programa esportivo, a exemplo do Bate Bola ESPN:

Como assim advogado empresarial?

"Imaginava que o autor fosse da minha faixa de idade, estudante, desempregado. Imaginava de tudo, menos advogado."

O espanto de Gustavo Alves, 21 anos, é compartilhado por muitos dos seguidores ao descobrir a identidade secreta do autor das postagens provocativas do essediafoilouco. Sim, ele é advogado, 40 anos, casado com Andrea Bastos (a Sra. EDFL) — sua sócia e maior incentivadora – e pai de verdade de um garotinho de 2 anos, o Augusto.

"Tive o prazer de conhecê-lo em dois encontros de seguidores promovido pela página em Goiânia. Um cara acima da média sem dúvidas", elogia o gerente de restaurantes que mora em Aparecida de Goiânia/GO.

Além de vestir literalmente a camisa EDFL e correr atrás dos eventos promovidos pelas empresas anunciantes do perfil, Gustavo é daqueles que dá pitaco em todas as postagens. "Comento sempre pois tenho muitos amigos que também comentam e compartilham. A resenha é garantida.", garante o torcedor do Goiás.

Um olho no processo e outro no meme

"Acordo, posto algo, vou para o escritório. Meio-dia, que é horário de pico, posto de novo, e depois no meio da tarde."

Com a tranquilidade espontânea de quem cuida de uma página pessoal, Carter Batista administra os perfis essediafoilouco, que hoje já reúnem mais de 900 mil seguidores no Instagram, 120 mil no Facebook e 50 mil no Twitter.

O aparato tecnológico utilizado para fazer os memes e transmissões ao vivo impressiona. Não pela modernidade, mas pela simplicidade. As páginas são alimentadas a partir de um smartphone estilo Android que pelos arranhões parece já ter acompanhado o dono em muitas aventuras.

Se os recursos de tecnologia são mínimos, a inspiração para legendas, textos e tweets é inesgotável. "Futebol é o esporte de maior penetração no mundo inteiro. É uma paixão mundial. As histórias que temos para contar de futebol são infinitas", explica.

Os jogos da rodada, os gols mais bonitos, os lances polêmicos, a vida particular dos craques milionários, a história de um torcedor solitário e até mesmo a pelada do condomínio. As ideias para as postagens vêm de eventos esperados e situações inusitadas, como exemplifica Carter Batista:

"O moleque saiu de casa às 7h da manhã de uma segunda feira, pegou 300 ônibus (sic), andou três quilômetros a pé para assistir um jogo da série C do campeonato carioca. O time dele, Angra dos Reis, ganhou de 4 a zero. Ele estava sozinho na arquibancada, ficou gritando 'olé' sozinho, bateu boca com o presidente do time adversário. Postou no Facebook: 'Comemorei 3 gols do Fábio Saci, respeite a minha história'. O post viralizou para o mundo. Futebol tem essas histórias que transformam."

Os seguidores têm papel importante na atualização das páginas. "O negócio se retroalimenta. Recebo muitas sugestões pelo Direct do Instagram e por e-mail", admite Carter. O perfil no Facebook, por exemplo, foi criado para atender um apelo dos fãs. A ideia de uma programação semanal no Instagram também surgiu a partir da observação dos temas mais curtidos e comentados.

Arquivo Pessoal

E a brincadeira se tornou negócio

Assim que atingiu a marca de 100 mil seguidores, o influenciador do essediafoilouco passou a ser procurado por marcas, especialmente de material esportivo, interessadas em anunciar produtos na página.

A primeira ação de marketing foi com uma loja virtual de camisas de times de futebol. Carter lembra que a estratégia era o sorteio da camisa de um time europeu. Para participar, bastava que a pessoa seguisse as duas páginas. "Com essa promoção, eu consegui colocar 20 mil seguidores para curtir a página da loja", lembra.

Depois desta, muitas outras ofertas de merchandising apareceram, de vários segmentos comerciais de produtos (roupas, acessórios) e também de serviços (hotéis, restaurantes, bares).

A marca de artigos esportivos Adidas, porexemplo, manifestou interesse em fazer negócios com o essediafoilouco após um post da série Respeitômetro. "Eu fiz o post sobre a chuteira preta que a Adidas lançou e eles me procuraram para conversar. No início, eles mandavam os produtos e eu fazia posts. Não tinha nada formalizado. Depois fizemos um contrato de parceria e, além de divulgar os produtos, participo de eventos promovidos pela marca."

Com a expansão rápida e cotidiana do número de seguidores do perfil, outras grandes marcas também decidiram apostar na parceria. Somente em 2017, o EDFL firmou acordos comerciais com Brahma, Amstel, Mastercard, Phillps, Pepsi, Pizza Hut, Bumbet, ESPN, Fox Sports, UOL.

Em fevereiro de 2017, o essediafoilouco— atendendo pedidos dos seguidores — lançou a própria linha de camisetas, com as expressões divertidas que o Pai usa e abusa nos posts: Olhugol, Toca pro Pai, Espalhe a Palavra, Volta pra Marcar, entre outras. Os produtos são vendidos exclusivamente pelo site www.essediafoilouco.com.bre sorteados para os seguidores da página.

O que começou com uma brincadeira na internet para passar o tempo, se tornou parte do orçamento doméstico. "Em dois meses, recuperamos o investimento inicial na loja. Estamos pra lançar agora novos modelos", antecipa Andrea Bastos, que administra o site da loja.

Quer "mitar" nas redes sociais?

Gostou da história do essediafoilouco? Que tal criar um perfil no Instagram para compartilhar o que você curte e quem sabe se tornar um influenciador das redes sociais?

Veja aí as dicas que o Pai do EDFL preparou especialmente aqui pro blog.

essediafoilouco: 5 dicas pra você MITAR no Instagram

  1. Seja criativo: crie conteúdo que as pessoas vão querer compartilhar com os amigos.
  2. Use as tags: use tags relevantes, mas contextualizadas para aumentar o alcance de suas postagens.
  3. Invista em parcerias: procure parceiros da sua estatura e que tratem de assuntos correlatos para trocas de divulgação.
  4. Tenha uma identidade própria: encontre uma identidade e evite apenas repetir o que muitas páginas já fazem. Busque ser original e criar seu próprio conteúdo.
  5. Interaja com seus seguidores: responda comentários e mensagens diretas sempre que possível e crie conteúdos interativos para aumentar o nível de engajamento com seu público.

Photo galleryOnde o futebol reina entre PMs e comunidades do Rio See Gallery