OPINIÃO
23/07/2014 13:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Os ensinamentos de Rubem Alves

A título de homenagem, seguem ideias esparsas colhidas no capítulo sobre educação de seu livro "Ostra feliz não faz pérola". Comecemos pelo título: pérolas resultam da reação da ostra ao grão de areia que a faz sofrer.

MARCO BARBOSA/ESTADAO CONTEUDO

Rubem Alves: qual deles? O teólogo? O professor? O intelectual? O poeta? O autor de livros infantis? O ativista político?

Tudo isso e muito mais, reunido num só testemunho de vida. Vai-se o homem, ficam suas obras e, sobretudo, o exemplo de como o intelectual age na sociedade. Sua integridade reluz na capacidade que ele sempre teve de pensar ao mesmo tempo com a cabeça e com o sentimento, sem trair nenhum dos dois.

A título de homenagem, seguem ideias esparsas colhidas no capítulo sobre educação de seu livro Ostra feliz não faz pérola. Comecemos pelo título: pérolas resultam da reação da ostra ao grão de areia que a faz sofrer. Ostra feliz, Rubem Alves produziu várias pérolas. Eis algumas delas:

"A vida se faz com uma infinidade de erros."

"Há dois tipos de ideias, as ideias inertes e as ideias com poder gravitacional... As ideias com poder gravitacional são aquelas que têm o poder de chamar outras. São sóis do sistema solar que é a nossa mente."

"Não se deve criar o hábito de leitura... O que há de se fazer é ensinar as crianças a amar os livros."

"Se eu pudesse mexer nos currículos da educação dedicaria metade do tempo à literatura."

"Tive professores inesquecíveis. Alguns são inesquecíveis pela beleza de sua pessoa, por sua inteligência, pelo respeito aos alunos. Esses me fazem sorrir. Outros se tornaram inesquecíveis por sua pequenez e tolice. Esses me fazem rir."

"O que dá às crianças o direito de aprender? Primeiro, é a curiosidade. As crianças acham as coisas do mundo muito interessantes e querem saber por que elas são do jeito que são. Pra que serve isso? Pra nada. Apenas pelo prazer: matar a curiosidade..."

"A compreensão exige um antecedente de experiência. Isso vale para a jardinagem, para a beleza da música, para iniciar a criança na arte da leitura... mas ... é preciso, antes de mais nada, desconfiar de nosso estoque de experiências, colocar as nossas certezas de lado."

Para encerrar:

"O dedo aponta para a Lua, mas ai daquele que confunde o dedo com a Lua."

Rubem Alves se foi. Foi-se o dedo, fica a Lua e o exemplo do homem que amava ipês amarelos.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS LIVROS NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos Livros com nomes estranhos Veja Fotos