OPINIÃO
08/09/2014 16:01 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

25 fotos de amamentação que eu quero que o mundo inteiro veja

Estas fotos são para o nosso mundo. São para qualquer pessoa que considere a amamentação indecente ou sexualizada. Para qualquer um que questione sua beleza, sua naturalidade.

Jillayna Adamson

Meu filho tinha apenas alguns dias. A pele macia e rosada, o rosto ainda inchado, e os olhos muitas vezes fechados na profundeza do sono. Ele era perfeito, e durante dias meu marido e eu simplesmente ficamos sentados olhando para ele, incrédulos diante daquela pequena maravilha que tínhamos criado. Essa pequena maravilha que hoje está nas palmas das minhas mãos, com seu peito subindo e descendo, seus pequenos lábios abertos em um perfeito e pequeno "o" enquanto ele viaja pelas terras pacíficas do sono profundo.

Em pouco tempo foi a fome dele que me assustou; sua pequena mandíbula se abria e agarrava meu seio enquanto ele tentava ansiosamente sugar. Eu prendia a respiração por causa da dor, e meus dedos dos pés se contorciam. Eu olhava para o teto da sala e tentava apenas respirar enquanto ele comia, com as lágrimas escorrendo por meu rosto, suplicando que aquilo terminasse logo. Foi um dia, talvez, em que eu não suportei mais a dor, soluçando enquanto ele mamava, meus braços trêmulos enquanto tentavam segurá-lo. Minha mãe estava sentada comigo e minha irmã me observava, ambas piscando. "Ora, isto não pode ser normal", disse minha irmã. Ela pegou sua bolsa e saiu voando pela porta, e voltou momentos depois com um punhado de protetores para mamilos. Ela havia pegado de todos os tamanhos e tipos.

Aquele protetor para mamilo me permitiu continuar amamentando tempo suficiente para entrar em um grupo de apoio à amamentação. Acontece que amamentar não deve causar dor, e meu filho estava mamando de modo inadequado. Como eu poderia saber disso? Eu poderia facilmente dar crédito ao grupo de apoio por salvar minha experiência de amamentação e me fornecer alívio no isolamento da primeira maternidade. Nos primeiros dias eu não sabia se conseguiria aguentar uma semana amamentando.

Agora, quase um ano depois, continuo amamentando meu filho. Eu brinco que já dei de mamar em todos os lugares da cidade; se você mora em St. Louis, há uma boa probabilidade de que já tenha visto meus peitos. Os primeiros dias estão praticamente esquecidos. E como em breve começaremos o processo de desmama, estou triste, nostálgica e grata pelo que a amamentação nos deu.

Assim comecei meu projeto "Breastfeeding is Beautiful" [Amamentar é lindo] -- como uma exploração dessa experiência nos EUA hoje. Fotografei mães amamentando e conversei com elas sobre suas experiências. Elas descreveram o tempo da amamentação com palavras como "pacífico", "frustrante", "panaceia". Ouvi as palavras "mágico" e "poderoso" para descrever o efeito calmante de um bebê no seio. Elas me falaram sobre o apoio ou falta dele que tiveram de membros da família. Ouvi falar em médicos que empurravam fórmulas alimentícias, sobre consultoras de lactação que defendem as que nada sabiam sobre o que significava leite "suficiente". Algumas falaram sobre a vergonha de alimentar seus bebês em público, outras quase não pensavam nisso. Mais de uma linha de semelhança ligava essas novas mães, mas a maior de todas é esta: a consciência de que algo em nossa sociedade precisava mudar.

Na década de 1950, nos EUA em mudança, a amamentação sofreu um declínio acentuado; o índice de iniciação estava em apenas 25%, significando que 75% das mulheres preferiam não amamentar, em vez de não amamentar porque não conseguiam fazê-lo apropriadamente.

Enquanto há diversos fatores para isto, incluindo programas de fórmulas grátis que desencorajam a lactação, a falta de educação e consciência e pouco apoio a esse hábito depois do parto, também havia outro fator simples: a amamentação passou a ser vista apenas como uma necessidade para a classe baixa. Afinal, se podemos fazer uma fórmula "perfeita", por que não usá-la? Se você tinha de amamentar seu filho, claramente era porque não tinha dinheiro para comprar a fórmula perfeita. Em suma, amamentar se tornou "brega". Nos anos 1970, o índice de amamentação começou a aumentar de novo, enquanto novos estudos enfatizavam os benefícios nutricionais e campanhas de conscientização se espalharam pelos EUA.

E aqui estamos hoje: muitos anos se passaram desde que a vergonha se estampou pela primeira vez no rosto de uma mãe amamentando. O país parou de ver esse ato como uma parte habitual da maternidade, simplesmente permitindo que ele se tornasse menos "normal". Quase 75 anos depois, ainda sentimos os remanescentes dessa vergonha. Não mais pelo fato em si -- pois a educação nos afastou da sugestão enganosa de que o leite materno não é tão rico em nutrientes para os bebês --, mas em vez disso sentimos as repercussões dos muitos anos em que as mulheres sentiram a necessidade de encobrir o fato de que amamentavam. Sentimos as repercussões de muitos anos de ocultação -- tanto que isso pode criar uma cena em público. O ato natural e belo de amamentar foi desprovido de sua beleza por uma esfera pública de pessoas que querem transformar a questão em algo sexual.

Como uma mãe que amamenta seu bebê sem se envergonhar, em qualquer momento e em qualquer lugar, desafio qualquer um a me contestar. Como mães, estamos fazendo a coisa mais natural do mundo -- e em um dos países mais avançados intelectualmente do mundo. No entanto, somos solicitadas a justificá-lo, a ocultá-lo. Como é possível que um país que se orgulha de seus avanços em desenvolvimento, educação e crescimento das ciências, uma das coisas mais básicas e incríveis que o corpo de uma mulher faz -- algo que permitiu a propagação da espécie humana durante milhares de anos -- recebe um olhar estranho e se torna uma questão de decência? O simples fato de que alimentar um bebê do modo como a natureza nos aperfeiçoou para fazer causa desconforto em indivíduos de nossa sociedade é um sinal revelador de que estamos fazendo alguma coisa errado.

Estas fotos são para o nosso mundo. São para qualquer pessoa que considere a amamentação indecente ou sexualizada. Para qualquer um que questione sua beleza, sua naturalidade. Se o mundo ocidental precisa ver isso repetidamente na esfera pública para trazê-lo de volta ao "normal", vamos começar com estas mães ousadas. Acontece que amamentar é lindo.

Eu realmente espero que você goste das fotos da minha série "Amamentar é lindo". Também espero que você as compartilhe e divulgue esta mensagem em nossa cultura.

MAIS COMPORTAMENTO NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos 8 conselhos que toda mãe deveria ouvir Veja Fotos

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.