OPINIÃO
08/07/2015 15:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Acreditamos na democracia

Aécio ergueu vergonhosamente a bandeira do golpe. Sua fala, contudo, deve ser descartada pela sociedade e por todos aqueles que compreendem a necessidade de se respeitar decisão do último pleito presidencial. Não à toa que o salão estava vazio muito antes do fim do discurso tucano.

Estadão Conteúdo

De dentro de um hotel de Brasília, soou a trombeta da oposição mais próxima do golpismo. Veio do discurso inconsequente do senador Aécio Neves a máxima de que o mandato da presidente Dilma Rousseff, eleita democraticamente por mais de 54 milhões de brasileiros no ano passado, estaria mais perto de seu fim. "Estamos prontos para assumir", esbravejou - pasmem! - o neto de Tancredo, numa clara afronta à democracia.

O PSDB, em toda sua história, nunca flertou tão íntimo com os grupos que rejeitam o Estado Democrático de Direito. Para uma plateia de 3 mil pessoas, Aécio ergueu vergonhosamente a bandeira do golpe. Sua fala, contudo, deve ser descartada pela sociedade e por todos aqueles que compreendem a necessidade de se respeitar decisão do último pleito presidencial. Não à toa que o salão estava vazio muito antes do fim do discurso tucano.

O cerco que se forma em volta de Dilma são tentativas desesperadas nascidas do fracasso da oposição nas urnas. Semearam o ódio à Esquerda durante todos esses anos, de mãos dadas com parte da Grande Mídia, que distorce o noticiário e a opinião pública. É o que se tem visto nas investigações da Lava-Jato, com vazamentos seletivos e condenando muito antes do contraditório vir à tona. Instala-se a moderna "República do Galeão", onde o atentado é a democracia.

Se a oposição ferrenha de Carlos Lacerda e dos udenistas se utilizara dos argumentos da corrupção e dos atos nunca comprovados, a trama antidemocrática moderna se desenrola na comunhão de instituições voltadas a atingir a presidenta. A manobra tem uma série de caminhos, e todos eles são tomados de argumentos indefensáveis.

A busca de tentar derrubar o mandato constitucional de Dilma pelo TCU é insustentável e não acreditamos nele. As chamadas "pedaladas fiscais" estão sendo esclarecidas pelo Governo, além do fato de que essas ações administrativas foram recorridas por todos os governos antecessores, e nenhum deles sofreu qualquer condenação por isto. No TSE, que já ilibara a prestação de contas de Dilma, a oposição faz-se valer da delação premiada de um investigado da Justiça, o mesmo que também realizou doações de campanha ao PSDB.

A oposição acaba de adentrar ao hall dos grupos oportunistas deste País, em que o republicanismo e o espírito democrático foram expulsos de sua História. O Partido Comunista do Brasil, em comunhão com as forças progressistas, democratas, lideranças de Esquerda, estudantes, movimentos sociais e sociedade não organizada, fará sua parte nesta resistência ao "tapetão" da oposição.

Os 93 anos de vida política dos comunistas no Brasil nos mostrou que o único caminho para o desenvolvimento da nação e a superação dos problemas socioeconômicos é o puro respeito à democracia. Somente aqueles que foram à luta por ela sabem de seu rico valor. É hora de união e ação contra aqueles que discursam contra o Brasil.

Viva a Democracia!

Acreditamos nela!