OPINIÃO
18/07/2014 10:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Futebol como ferramenta para o desenvolvimento social

Veja como a paixão pelo esporte pode mudar positivamente a vida de crianças e jovens.

Divulgação/streetfootballworld

A Copa do Mundo chegou ao fim. Entre conquistas, frustrações, protestos, celebrações e expectativas, o Brasil viveu um mês de catarses. Ficou evidente a força do esporte no país e a capacidade de atrair pessoas, empresas e organizações em torno do futebol.

Mas, além dos gols festejados e lamentados, além dos legados positivos e negativos, que tipos de aprendizados podemos tirar dessas semanas (ou meses!) em que o futebol foi o principal assunto de muitas rodas de conversas e mídias? As críticas ao governo e às instituições privadas dominantes estiveram presentes apontando as falhas administrativas e financeiras, mas claramente existem razões para comemorar e para ter esperanças de que os grandes eventos podem desencadear boas mudanças. Afinal, alguém discorda de que vimos muito fair play, demonstração de companheirismo, de liderança colaborativa e empatia? E esses são valores importantes para a formação de jovens socialmente conscientes de seus papeis como cidadãos ativos, capazes de agir e inspirar suas comunidades.

Algumas organizações sociais e sem fins lucrativos, por exemplo, há anos procuram conectar a paixão pelo esporte à busca por transformações sociais verdadeiras. Programas que focam no esporte para o desenvolvimento social entenderam que o futebol gera esperanças, promove valores positivos que têm impacto imediato e perene, ensina disciplina, trabalho em equipe e permite que as pessoas vejam que sucesso e fracasso são fundamentais para o crescimento e para uma vida mais completa.

Uma dessas organizações é a streetfootballworld (sfw), do empreendedor social da Ashoka Jürgen Griesbeck. Nascida em 2002, a streetfootballworld é referência na área de desenvolvimento social por meio do futebol, trabalhando com mais de 80 organizações em cerca de 50 países, entre eles o Brasil. A morte de Andrés Escobar, em Medellín - Colômbia levou Jürgen a questionar sobre como o futebol, um jogo baseado na justiça e no espírito de equipe, poderia gerar tamanha violência. E, por extensão, como a paixão proporcionada por esse esporte poderia ser usada para promover boas ações.

Este ano, a sfw realizou uma série de atividades antes, durante e após o Mundial, que trabalharam a igualdade de gênero, o respeito a diferentes grupos sociais e econômicos, o direito ao esporte seguro e à formação cidadã. Além disso, promoveram jogos de futebol utilizando a metodologia do Futebol3, trazida para o Brasil em 2005 por membros de sua rede. Essa metodologia é composta por uma partida de três tempos. Na primeira, são acordadas as regras do jogo, na segunda há o jogo em si, e na terceira os jogadores discutem se as regras foram cumpridas, o que converte aquele momento em um grande espaço de discussão, que passa por questões como cidadania, discriminação e saúde.

Nas últimas semanas, vimos grandes espetáculos dentro dos campos. Não pensemos que a festa acabou, mas que foi uma catalisadora para um espetáculo ainda maior: aquele que formará crianças e jovens mais empáticos, capazes de gerar transformações em suas comunidades e provocar mudanças sociais que vão além de quatro semanas. Ou quatro anos.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS COPA NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos Os melhores memes da Copa 2014 Veja Fotos