OPINIÃO
13/05/2015 16:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

A busca da confiança cidadã via deliberação digital

Raiva e desconfiança cidadã remetem ao cenário do debate político eleitoral brasileiro de 2014, que ressaltou o potencial e o risco de falar sobre política na internet. A facilidade de obter informação, superar distâncias geográficas e comunicar a qualquer hora não levaram a um debate informado ou até mesmo às escolhas informadas. Mas, por meio da deliberação, é possível reduzir a desconfiança e apoiar processos participativos e democráticos.

Por Kalinca Copello, Carol Monteiro e Ricardo Kadouaki

É possível superar a desconfiança e nos engajarmos em processos participativos online? Em um recente evento promovido pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS), o cientista político Ivan Krastev e o diretor do centro de mídias cívicas do MIT Media Lab, Ethan Zuckerman, debateram com o público meios e rumos via tecnologias digitais para superar a crescente polarização e desconfiança dos cidadãos. Ambos defendem que a desconfiança é um dos grandes vilões do engajamento cidadão em processos participativos e democráticos.

Zuckerman atesta que existem diversas ferramentas digitais para canalizar informação, transparência, comunicação e mobilização. Entretanto, para superar a desconfiança, ele acredita ser necessário pensar uma nova "norma social" através de novos "padrões de mudanças". Isso inclui criar mecanismos de descentralização, monitoramento - principalmente por parte do cidadão - e canalização de críticas.

Para Krastev, certos níveis de desconfiança têm potencial de engajar ou criar barreiras para o engajamento cidadão. Por exemplo: desconfiança pode gerar raiva, sentimento que pode se espalhar rapidamente via redes digitais, que não costuma ser mobilizador, nem leva à concretização de ações, especialmente as democráticas. Pelo contrário, pode intensificar a polarização e impossibilitar que indivíduos, principalmente em grupos, aprendam, reflitam, ponderem e tenham a chance de mudar de opinião.

Raiva e desconfiança cidadã remetem ao cenário do debate político eleitoral brasileiro de 2014, que ressaltou o potencial e o risco de falar sobre política na internet. A facilidade de obter informação, superar distâncias geográficas e comunicar a qualquer hora não levaram a um debate informado ou até mesmo às escolhas informadas.

Para Krastev e Zuckerman é preciso abrir caminho para a deliberação. Eles acreditam que por meio dela é possível reduzir a desconfiança e apoiar processos participativos e democráticos.

Uma iniciativa que vai ao encontro do que foi debatido no evento é a Plataforma Brasil, lançada pelo ITS no dia 4 de maio. A Plataforma Brasil é um espaço para construção colaborativa de políticas públicas com o propósito de se tornar uma ferramenta online de deliberação, aproveitando o melhor da tecnologia digital para engajar cidadãos em processos participativos com potencial transformador.

A Plataforma Brasil funcionará em ciclos temáticos. O primeiro aborda a Reforma Política do século 21, que não fica só no âmbito da Reforma Política tradicional: inclui também a apropriação da tecnologia para criar canais de participação da sociedade e aperfeiçoar processos.

No Brasil, ainda são latentes a desconfiança e a falta de engajamento para ações que levem a mudanças concretas. Neste contexto, a Plataforma Brasil surge como um caminho na busca pelo aprendizado, pelo debate, pelo respeito ao diverso e divergente, por meio da construção colaborativa que de fato resulte em ações reais e transformadoras.