OPINIÃO
17/02/2016 07:17 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Vamos fazer a diferença para uma geração inteira de crianças pequenas

Por muito tempo tivemos vergonha de admitir que nossos filhos precisam de ajuda emocional ou psiquiátrica, preocupados com o estigma associado a esses problemas, que seria prejudicial para o futuro das crianças.

É um grande privilégio ter essa oportunidade de ser editora-convidada do The Huffington Post hoje e celebrar o trabalho incrível de compreender e melhorar o entendimento da saúde mental das crianças pequenas.

A série Young Minds Matter (mentes mais novas são importantes, em tradução livre), lançada nesta quarta-feira (17), vai tratar do tema da saúde mental das crianças pequenas.

Logo depois de me casar, comecei a trabalhar com instituições de caridade que lidam com questões como vício, problemas familiares e crianças vulneráveis. Como é de esperar, ouço muitas histórias de cortar o coração sobre vidas despedaçadas, com impactos devastadores para todos os envolvidos, especialmente as crianças.

O que eu não esperava era ver, repetidas vezes, que as questões que levam as pessoas ao vício e às decisões destrutivas parecem quase sempre resultar de problemas da infância não-resolvidos.

Ficou claro para mim que muitas crianças - até mesmo os menores de cinco anos -- têm de lidar com problemas complexos, sem a resiliência emocional, a linguagem ou a confiança para pedir ajuda.

Também ficou claro que, como os problemas de saúde mental continuam sendo tabu, muitos adultos têm medo de pedir ajuda para as crianças sob seus cuidados.

É hora de mudar.

A saúde mental dos nossos filhos deve ser vista como tão importante quanto a saúde física.

Por muito tempo tivemos vergonha de admitir que nossos filhos precisam de ajuda emocional ou psiquiátrica, preocupados com o estigma associado a esses problemas, que seria prejudicial para o futuro das crianças.

Pesquisa publicada hoje pelo The Huffington Post indica que cerca de um terço dos pais ainda se preocupam se parecerão maus pais ou mães se a criança tiver problema de saúde mental.

Ser pai ou mãe é difícil o suficiente sem deixar que o preconceito nos impeça de pedir a ajuda de que precisamos para nós e nossos filhos.

Como a maioria dos pais hoje, William e eu não hesitaríamos em procurar ajuda para os nossos filhos, se necessário.

Esperamos incentivar George e Charlotte a falar sobre seus sentimentos e queremos dar-lhes as ferramentas e sensibilidade para apoiar seus amigos quando ambos crescerem.

Sabemos que não há vergonha em uma criança pequena que tem dificuldades com suas emoções ou que sofre de doença mental.

Para alguns pais e responsáveis, procurar ajuda não é tão fácil, é claro.

Quando as famílias não têm condições financeiras ou não dispõem de tempo, nem sempre é fácil saber onde procurar ajuda ou aconselhamento. É por isso que precisamos que escolas e comunidades desempenhem seu papel pleno para ajudar as crianças que têm dificuldades que nem sempre são fáceis de ver.

Na série de artigos que encomendamos, você será apresentado a algumas pessoas e organizações extraordinárias.

Você vai ouvir a história de uma mulher confrontando a realidade de que a depressão que levou ao suicídio de seu marido já estava com ele quando ele era um menino de dez anos de idade.

Você vai conhecer a história de pessoas que lutaram para vencer doenças sérias e usaram sua experiência para mudar a maneira como conversamos com as crianças sobre sentimentos e dificuldades.

Você vai saber quem são os pesquisadores extraordinários que estão fazendo perguntas importantes sobre a saúde mental dos jovens e estão encontrando respostas que serão um benefício real para todos os pais e professores.

Sou muito grata a todos aqueles que participaram desta série e a todos aqueles que contribuirão depois de hoje.

Também sou extremamente grata a todos vocês que vão separar um tempo para ler, assistir e ouvir essas histórias. Juntos, teremos a oportunidade de fazer uma diferença real para uma geração inteira de crianças pequenas.

__________

Young Minds Matter é uma nova série dedicada a tomar a dianteira nas conversas com crianças sobre saúde mental e emocional para que elas se sintam amadas, valorizadas e compreendidas. Lançada pela duquesa de Cambridge como editora-convidada do The Huffington Post UK, a série vai discutir problemas, causas e sobretudo soluções para o estigma envolvendo crise de saúde mental entre crianças britânicas.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: