OPINIÃO
02/06/2015 15:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Uma alimentação sustentável pode mudar a sua vida

O princípio é muito simples: comer menos produtos fabricados industrialmente, mais produtos naturais. Isso já vai melhorar sua saúde de forma que você não imaginava. A final é só voltar à comida que os nossos avós comiam, que os humanos sempre comiam, e que começamos a deixar do lado por causa do dilúvio de produtos industriais e da propaganda para vendê-los.

marilyn barbone

A alimentação afeta muitos aspetos da sua vida. O primeiro e o mais óbvio é a saúde: uma alimentação ruim aumenta o risco de doenças crônicas, obesidade, sobre peso, colite bem como sintomas menos grave tal como cansaço, desconforto, dor de cabeça, dor de barriga. Muito desses sintomas e doenças são devidos a pesticidas e aditivos na alimentação industrial. No Brasil, as doenças crônicas são a principal causa de morte entre adultos.

A boa notícia é que esses efeitos são reversíveis: uma alimentação saudável ajuda a perder peso, reduz o risco de doença e faz você sentir melhor.

Então, porque não fazemos essa mudança já? O problema é que muitas pessoas acham que comida saudável é cara, complexa, e pouco acessível. Eu gostaria de mostrar que isso e só preconceito, e que todo mundo pode melhorar a sua alimentação e obter resultados rápidos de maneira simples.

As regras são simples e foram bem explicadas no Guia alimentar para a população brasileiro, publicada em 2014 pelo Ministério da Saúde em conjunto com a Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP). Esse guia, em vez de recomendações nutricionais complexas, simplesmente recomenda basear sua dieta em alimentos frescos como frutas, carnes, legumes e ovos e alimentos minimamente processados como arroz, feijão e frutas secas. Fora desse grupo de alimentos, ele descreve três outros grupos. O segundo contem as substancias extraídas de produtos em natura como sal, óleo, gorduras, açúcar que podem servir para temperar refeições.

A terceira categoria inclui produtos in natura com adição de sal, como conserva, queijo e pão. Esses produtos podem ser consumidos com moderação. A quarta categoria contém os produtos ultra processados cuja fabricação envolve várias etapas de transformação: biscoitos, macarrão instantâneo, refrigerante, refeições prontas para comer tipo lasanha congelada: esses devem ser evitados sempre quando possível. (Eu até diria deve ser evitado a todo custo)

Eu acho essa categorização muito mas simples que qualquer dieta. Tudo mundo pode entender, não precisa ser nutricionista. E funciona! Além disso, ela faz muito sentido por varias razões. As primeiras são nutritivas: produtos frescos in natura são os que têm mais vitaminas e nutrientes e pouca caloria, quanto produtos ultra processados têm muito poucas vitaminas e muitas calorias. Existem também razões de saúde mesmo: quanto mais o produto é processado, mais ele tem aditivos nocivos que intoxicam o corpo, além do sal e do açúcar que estão adicionados para torná-los viciantes. A última razão é o impacto ambiental: comendo comida natural você produz menos lixo.

O princípio é muito simples: comer menos produtos fabricados industrialmente, mais produtos naturais. Isso já vai melhorar sua saúde de forma que você não imaginava. No final é só voltar à comida que os nossos avós comiam, que os humanos sempre comiam, e que começamos a deixar do lado por causa do dilúvio de produtos industriais e da propaganda para vendê-los. Então a próxima vez que você for fazer compras, pergunte-se se sua avó teria comido isso quando era jovem, e se ela consideraria isso comida de verdade.

Para quem quiser ir mais além na comida saudável (e que tem um orçamento maior), as frutas e os legumes orgânicos são crescidos sem agrotóxicos, o que significa que são melhor para você que o padrão do mercado - por isso podem ficar um pouco mais caros.

Mas em geral uma alimentação saudável não fica mais cara que uma alimentação processada. Para quem ainda tem esse preconceito, quero terminar com uma citação da Guia: "embora legumes, verduras e frutas possam ter preço superior ao de alguns alimentos ultraprocessados, o custo total de uma alimentação baseada em alimentos in natura ou minimamente processados ainda é menor no Brasil do que o custo de uma alimentação baseada em alimentos ultraprocessados".

Vamos então mudar a nossa alimentação para mudar a nossa vida?!

Querem dicas de receitas saudáveis, endereços para comprar produtos orgânicos, indicações de restaurantes onde se pode comer bem? Posso compartilhar com vocês.