OPINIÃO
30/04/2014 16:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:28 -02

O que o Facebook quer mesmo é o seu celular

Zuckerberg: "Antes acreditávamos que era preciso criar rapidamente e deixar as coisas quebrarem para depois consertar. Hoje, acreditamos na estabilidade." É uma grande diferença em um mundo onde o tempo para maturar um produto para chegar ao mercado faz toda a diferença.

Bloomberg via Getty Images
Mark Zuckerberg, chief executive officer of Facebook Inc., speaks during the Facebook F8 Developers Conference in San Francisco, California, U.S., on Wednesday, April 30, 2014. Facebook will offer software developers improved tools to create programs that run on any smartphone and a more streamlined experience for people to log into apps, including the option to sign in anonymously. Photographer: Erin Lubin/Bloomberg via Getty Images

Mark Zuckerberg abriu a F8, conferência de desenvolvedores para Facebook, dizendo que todo o foco da rede social não seria anunciar novos produtos, mas soluções para a telefonia móvel. F8 é uma conferência para programadores que acontece anualmente para convidados, em San Francisco, na Califórnia.

A principal preocupacão do Facebook era a de apresentar uma plataforma estável para celular que funcionasse com diferentes plataformas. "Antes nós acreditávamos que era preciso criar rapidamente e deixar as coisas quebrarem para depois consertar. Hoje, depois de perder muito tempo consertando bugs, acreditamos que temos de ser rápidos, mas prover estabilidade." É uma grande diferença em um mundo onde o tempo para maturar um produto para chegar ao mercado faz toda a diferença.

Dividida em três blocos, a apresentação desta manhã em San Francisco trouxe solucões para a construção de apps, para promover o aumento de audiência e para a monetização. E o principal anúncio em relação ao Facebook como conhecemos foi a mudança no login. "Muitas pessoas têm medo de apertar esse botão azul (mostrando o login do Facebook), vamos dar mais poder às pessoas e agora elas poderam escolher que dados querem dividir com os apps que usem o Facebook login", disse Zuckerberg.

Do ponto de vista de desenvolvimento de apps, o principal anúncio foi o do Parse, código para que os desenvolvedores se preocupem mais com as funcionalidades de seu produto do que com os diferentes versionamentos para que esse produto funcione em diferentes versões de sistemas operacionais de celulares. Outro anúncio interessante foi o app links, código para facilmente linkar conteúdo de apps, sem ter de usar o navegador do celular.

No campo do crescimento de audiência foram mostrados três novos botões para celular: o botão de like para conteúdo de apps, o botão send to mobile, que envia notificação por push a partir do desktop e o botão de share com o messenger, que permite o compartilhamento para uma só pessoa ou para grupos fechados.

No campo da monetizacão, o mais interessante foi o anúncio de uma rede de anúncios para celular, que usa os formatos tradicionais, como banner e interstitial, além de publicidade nativa. A rede usa a audiência dos parceiros e a segmentação que a navegação na rede social proporciona para entregar anúncios aio usuário de celular de forma personalizada.

Agora à tarde aqui em San Francisco, os desenvolvedores poderão conhecer os detalhes dos produtos em cada uma dessas frentes.