OPINIÃO
09/03/2015 15:01 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Por que você deve ir às ruas no dia 15, mesmo sendo contra o impeachment

Arraste seus vizinhos. Tire fotos. Abrace os amigos. Celebre a democracia e a liberdade. Leve seus filhos, para que eles aprendam essa atividade de propor e construir valores. Faça algo que é completamente impossível fazer sozinho: aprender a ser bom em ser humano. É um aprendizado para todos, não só para os jovens.

Bruno Stock/Flickr
Protesto de 17/06/13 em Curitiba.

Alguns argumentos são velhos - tão velhos! -, mas continuam atuais. Porque são muito bons. Eis aqui um exemplo que remonta a Aristóteles:

Se você quiser aprender a ser um bom marceneiro, deve procurar marceneiros, ou pedreiros?

Os primeiros, é claro.

Se quiser aprender a pintar, deve buscar a companhia de pintores, ou de músicos?

Você entendeu.

E, será que é importante, para se tornar um bom marceneiro, que você ande com eles enquanto almoçam, descansam, batem uma bolinha, ou enquanto praticam a marcenaria?

Para ser um bom pintor, deve andar com pintores enquanto assistem TV, ou enquanto pintam?

A resposta é óbvia. Não só você deve procurar conviver com pintores ou marceneiros enquanto eles estão exercendo sua arte, como também é bom que o faça enquanto eles a estão exercendo bem.

Isso vale para tudo. Se você quiser ser um bom pintor; marceneiro; médico; escritor, professor é fundamental que tenha a oportunidade de conviver com bons praticantes da arte, para aprender e aperfeiçoar suas habilidades.

Agora, e se você quiser aprender a ser uma boa pessoa? Como se aprende a ser virtuoso, a ter caráter, a fazer a coisa certa? Como se aprende a ser bom em ser humano?

Ora, da mesma forma, convivendo com outras pessoas enquanto elas estão engajadas na arte de ser humano, e fazendo isso bem.

E quando isso ocorre? Quando estão assistindo TV, almoçando, batendo uma bolinha, pintando ou trabalhando? Qualquer um pode ser uma "boa pessoa" enquanto faz todas essas coisas, mas de forma inespecífica.

Qual atividade exige, especificamente, que sejamos seres humanos, apenas, e que o façamos bem?

A resposta aristotélica vai parecer ridícula sob o contexto atual. Mas, não é menos certa por isso. A resposta é: a Política! Esta é a atividade em que, por excelência, homens e mulheres exercem a arte de ser humano. Fazer bem a política é fazer, na prática, o que a moral e a ética comandam na teoria. Parece ridículo porque, hoje, entendemos política como um lamaçal ético. É a realidade em que vivemos. Mas, neste caso, errada está a realidade, não o argumento.

Entendemos política como um vale tudo para obter, manter e exercer poder. O real sentido da política, no entanto, é o oposto disso. A boa política só pode nascer a partir do momento em que alguém abdica de exercer poder. Por exemplo: quando eu como, descanso, ou escrevo, minha ação decorre da minha potência, é um exercício dos meus interesses; o ato verdadeiramente político, ao contrário, é aquele que decorre da potência dos outros, e do mundo, tanto quanto da minha. Quer aprender a ser ético? Conviva com pessoas sendo éticas, ou seja, agindo em função do interesse comum, e não do seu próprio.

E não é a política, por excelência, a arte de agir assim?

Deveria ser.

Temos muitas oportunidades para ensinar essa boa política às novas gerações. Podemos fazer isso ao não invadir o acostamento para fugir do trânsito. Ao não pedir favorecimentos indevidos a amigos e parentes. Ao devolver troco que recebemos a mais. Ao ensinar nossos filhos a respeitarem seus professores. Ao não dirigir alcoolizado. Todas essas pequenas ações são políticas, pois configuram a vivência ética de uma sociedade. É através desses exemplos que ensinamos aos mais jovens a prática da virtude.

Sabemos bem o quanto esses exemplos são raros. A falta de ética na política, que tanto nos indigna, é apenas reflexo de como vivemos. Observamos, diariamente, desrespeito; violência; individualismo; intolerância, e uma perigosa inversão de valores. Há desânimo e desesperança no ar.

Mas, também, há algo mais. Algo diferente. Quem viveu as manifestações de 2013 deve ter experimentado que, ao menos por um breve período, ninguém foi dono daquele fenômeno. Foi uma voz própria que emergiu das ruas, que ninguém sabia bem contra o que era, exatamente. Mas todo mundo soube o que ela afirmava: a desesperada necessidade de valor. Há algo borbulhando sob o relativismo moral que nos assola, clamando por uma ética que nos una.

Por isso, nesse dia 15, vá às ruas. Não pelo PT ou PSDB. Não pela direita ou esquerda. Não pelo impeachment. Vá às ruas pela oportunidade de fazer política. A boa política, que é a prática coletiva da ética.

Arraste seus vizinhos. Tire fotos. Abrace os amigos. Celebre a democracia e a liberdade. Leve seus filhos, para que eles aprendam essa atividade de propor e construir valores. Faça algo que é completamente impossível fazer sozinho: aprender a ser bom em ser humano. É um aprendizado para todos, não só para os jovens.

Vai servir para alguma coisa? Não sei.

É possível, ou desejável, o impeachment? Provavelmente, não.

Vamos conseguir moralizar a política e mudar o Brasil? Difícil.

Mas, quem sabe, talvez seja possível mudar você.