OPINIÃO
05/12/2015 19:56 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

Tá bom, Netflix, vocês venceram: a gente te ama!

Na Comic Com Experience 2015, o serviço de streaming fez tudo que um estúdio precisa fazer num evento desse porte: fan service e informação.

Para saber mais sobre a Comic Con Experience 2015 em tempo (quase) real, me segue lá no Twitter. Ah, no Snapchat também tá rolando, é só adicionar o perfil guiathaide por lá.

Como não gostar de alguém que chega na sua casa sempre que você chama, na hora que você quer, e te oferece um monte de filmes e séries? Como se não bastasse, o Netflix ainda trata seu público-consumidor com muito respeito e é uma das marcas que mais sabem usar as redes sociais com inteligência. Na Comic Com Experience 2015, o serviço de streaming fez tudo que um estúdio precisa fazer num evento desse porte: fan service e informação.

Créditos: Daniel Deák - Divulgação do evento

No painel apresentado na tarde de sexta-feira (5), eles souberam aproveitar e dosar muito bem esses dois fatores. Trouxeram ao Brasil atores protagonistas de suas séries e queridinhos do público e anunciaram novidades exclusivas do canal. O resultado foi imediato. O público ovacionava, gritava, esperneava já quando três grandes painéis da marca cobriram o logotipo oficial da CCXP. Depois disso a gritaria não teve fim, mas tudo muito justificado.

Eles anunciaram novos filmes, como um longa-metragem baseado na série Marco Polo (obra que, aliás, foi lançada mundialmente na edição do ano passado do evento). Mas a grande novidade da tarde veio por conta da exibição de um trailer da segunda temporada de Demolidor. O vídeo inédito foi separado para ser exibido pela primeira vez no mundo na CCXP. E é isso que os estúdios precisam fazer - separar materiais e anúncios inéditos para a Comic Con.

Nas feiras desse formato nos Estados Unidos, todos os estúdios separam seus astros dos super lançamentos para apresentarem painéis, conversarem com fãs e mostrarem trailers das produções. Então, é como se o Netflix estivesse usando a Comic Con brasileira da mesma forma que as marcas internacionais usam as conferências de lá. Foi por isso que o público demonstrou uma reação absurda quando Kristen Ritter e David Tennant entraram para conversar sobre a série Jéssica Jones, a qual são os protagonistas.

Enquanto Ritter estava aparentemente ansiosa com a reação dos fãs, Tennant dominava o público. Isso por causa da diferença de experiência dos dois - como ela mesma revelou, esse foi o primeiro evento que a atriz se apresentou após o sucesso de Jessica, a primeira grande protagonista de sua carreira. Já o ator inglês tem um currículo grande e é bem conhecido do público nerd, o que explica o fato de estar tão confortável na frente da platéia. Sua cara de espanto refletiu a do público quando Erico Borgo, mediador do painel, encerrou a curtíssima participação da dupla.

Créditos: Daniel Deák - Divulgação do evento

Esse não foi o único problema. A legenda simultânea dos três telões que mostravam os atores parou de funcionar e não voltou mais. Quem não entendia inglês pode ter ficado meio perdido.

Se você pensar como um painel completo, o Netflix fez um bom trabalho porque além de tudo que já foi dito o trio Jamie Clayton, Aml Ameen e Alfonso Herrera também subiram ao palco para falar da série Sense8. Mas, se o fã pagante enfrentou horas numa fila absurda para ver apenas uma das atrações da marca, pode ter saído meio frustrado porque a sessão de perguntas e respostas dos atores foi extremamente curta.

Em todo caso, o dia foi dominado pelo Netflix e ninguém pareceu chateado com a situação. Por usar a CCXP a favor do fã, mostrando seus atores principais, e mesclando isso com a boa informação relevante, o Netflix ajudou a CCXP a dar um passo importante para estabelecer sua influência e fez todos nós amar um pouquinho mais esses caras.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: