OPINIÃO
12/05/2014 11:22 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

EUA e Reino Unido devem colaborar na libertação das meninas sequestradas na Nigéria

Enfrentar essa ameaça terrorista exige que ajudemos a localizar as meninas que estão em cativeiro hoje e mostrar ao Boko Haram que seus atos provocarão represálias.

Com o sequestro de mais oito meninas da aldeia de Warabe, no nordeste da Nigéria, a crise dos raptos no país adquiriu um novo rumo, para pior. Não apenas o Boko Haram agora disse ao mundo que as primeiras 270 meninas sequestradas deverão ser vendidas como escravas, como, ao intensificar seus ataques roubando meninas ainda mais jovens -- desta vez são crianças de 12 a 15 anos --, está provocando uma revolta internacional ainda maior.

Se os terroristas do Boko Haram pensarem que podem capturar escolares impunemente, seu reinado do terror se intensificará. Por isso é tranquilizador que esta semana líderes diplomáticos britânicos e americanos estejam discutindo como podem ajudar as autoridades nigerianas a identificar e localizar as meninas hoje escondidas em florestas.

Ao fazê-lo, elas estão enviando uma mensagem para o Boko Haram de que os amigos da Nigéria não ficarão alheios se a campanha terrorista continuar. Na semana passada, em uma visita a Abuja, falei com as autoridades nigerianas sobre como os governos amigos podem coordenar o apoio e ajudá-los a lidar com a ameaça terrorista.

Há mais de cinco anos o Boko Haram vem causando o caos atacando escolas em sua campanha assassina que já deixou mais de 4 mil mortos. Dois meses atrás, em uma escola de meninos no norte, 50 crianças foram massacradas. No ano passado, outro grupo de meninas que tinham sido sequestradas foi finalmente resgatado, depois de passar semanas à mercê dos militantes do Boko Haram.

Algumas estavam grávidas depois de ser usadas como escravas sexuais. Agora a liderança do Boko Haram anunciou que pretende vender as 270 meninas do estado de Borno e dispersá-las pela África, tornando impossível que os pais as localizem. A atitude do Boko Haram em relação às mulheres é que elas devem ser como serviçais sem qualquer instrução. O nome Boko Haram significa "a educação ocidental é proibida", e o grupo ameaçou com uma nova onda de sequestros nos próximos meses.

Enfrentar essa ameaça terrorista exige que ajudemos a localizar as meninas que estão em cativeiro hoje e mostrar ao Boko Haram que seus atos provocarão represálias. Equipamentos de vigilância e outros têm de ser disponibilizados às autoridades nigerianas para descobrir onde estão os terroristas -- mas também devemos garantir que seja seguro para as crianças frequentar as escolas. Nosso pedido aos Estados Unidos e à Grã-Bretanha de apoio e vigilância por ar e satélite se baseia na urgência da situação -- essas meninas podem ser dispersadas em breve. Existe uma necessidade óbvia de apoiar o esforço nigeriano com reforços de alta tecnologia.

Uma nova iniciativa de "escolas seguras" é desesperadamente necessária na Nigéria, com medidas que incluem guardas para tranquilizar os pais preocupados com a insegurança nas escolas.

As advertências da ONU de que os sequestros são crimes de guerra têm de ser complementadas por um novo esforço que indique que as escolas serão tratadas pela comunidade internacional como locais seguros.

"Tragam de volta nossas meninas" é a faixa sob a qual marcham hoje os pais preocupados, pedindo ação para libertar suas filhas. No futuro, devemos tornar as escolas da Nigéria seguras para que essas atrocidades deixem de ser uma ocorrência comum.