OPINIÃO
18/02/2016 15:30 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

Cadê o panelaço durante o comercial da Samarco na TV?

A falsa percepção da sociedade brasileira de que a iniciativa privada é blindada contra erros e corrupção é um dos nossos maiores pecados. Mesmo depois do desastre em Mariana, parece que não aprendemos absolutamente nada com isso: preferimos bater panelas durante o discurso de Dilma sobre o zika, e ignoramos completamente o absurdo comercial da Samarco na TV.

A falsa percepção da sociedade brasileira de que a iniciativa privada é blindada contra erros e corrupção é um dos nossos maiores pecados. Mesmo depois do desastre em Mariana, parece que não aprendemos absolutamente nada com isso: preferimos bater panelas durante o discurso de Dilma sobre o zika, e ignoramos completamente o absurdo comercial da Samarco na TV.

Em um país onde planos de saúde cobram valores absurdos, escolas e faculdades privadas preferem visar o lucro do que a qualidade de ensino e construtoras estão diretamente envolvidas em casos de corrupção, ainda me espanta a noção que parte da população tem de que "se privatizar, é melhor" - como se os empresários que financiam campanhas políticas e são a base da corrupção fossem mais dignos do que burocratas de estatais.

Pois bem. A Samarco, empresa privada e principal responsável pelo desastre ocorrido em Mariana no ano passado, lançou recentemente uma propaganda de cerca de um minuto para a televisão. Sua primeira exibição foi estratégica: justamente durante o comercial do programa Fantástico. Trata-se do programa com maior audiência no domingo, no canal de televisão mais popular do País. Provavelmente milhões de pessoas assistiram. Mas não se ouviu nenhum panelaço.

Sobre a peça de propaganda da Samarco, é importante destacar o que uma colega no Facebook havia dito: interessante o fato da empresa colocar seus funcionários, trabalhadores que não são responsáveis pelo desastre, como centro do comercial.

"Todo mundo vestiu a camisa e tá fazendo o possível para minimizar os danos que a gente causou", diz a funcionária Luisa Nunes durante a propaganda. Não Luisa, não foram vocês que causaram o maior desastre ambiental das últimas décadas no Brasil, e sim os CEOs e chefões da Vale e da Samarco. Pra você ver: até quando algo é causado pela ganância e prepotência das grandes empresas privadas, quem paga o pato são os funcionários, que colocam sua cara a bater em rede nacional defendendo uma causa perdida.

"Mas as empresas privadas são mais transparentes e menos corruptas do que estatais, como a Petrobrás", diz o senso comum.

Errado.

A corrupção no sistema político vigente tem como um dos seus fatores o financiamento privado de campanha, onde grandes empresas privadas fazem doações de valores exorbitantes para deputados, senadores, governadores e prefeitos. Tudo com o objetivo de manter acordos em benefício da própria empresa. Por exemplo, as mineradoras, principais responsáveis por crimes ambientais no Brasil, ocupam a 4º posição no ranking de setores que contribuíram para a eleição de deputados, perdendo apenas para alimentação, bancos e construção.

Somente a Vale, que tem participação na Samarco, doou cerca de R$22,6 milhões, segundo levantamento do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração. Posteriormente, talvez como "troca" pelo dinheiro dado na campanha, deputados que receberam doações da Vale-Samarco acabaram integrando a comissão na Assembleia Legislativa encarregada de fiscalizar a tragédia em Mariana. Os financiados pela Samarco no grupo de acompanhamento são: Guerino Zanon (PMDB), Luzia Toledo (PMDB), Janete de Sá (PMN), Bruno Lamas (PSB), José Carlos Nunes (PT), Gildevan Fernandes (PV) e Rodrigo Coelho (PT).

O que torna os nossos políticos reféns da corrupção como algo natural são os interesses privados. A própria operação Lava Jato mostra como funciona: são construtoras privadas que, interessadas em monopolizar os negócios, fazem acordos "fora da lei" com políticos e funcionários de estatais. O resultado é o que vemos hoje todos os dias nos jornais.

Talvez a parte mais cômica e lamentável disso tudo seja a nossa oposição, encabeçada por tucanos e conservadores. Enquanto prometem combater a corrupção do governo petista, acabam mantendo a mesma política de financiamento de campanhas, com os mesmos aliados de multinacionais e corporações privadas. Enquanto isso, movimentos pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff preferem ignorar a participação de gigantes do setor privado em diversos casos de corrupção e desastres ambientais, colocando a iniciativa privada em um pedestal que se fosse por eles, seria inatingível, como propõe o próprio Movimento Brasil Livre, do nosso colega Kim Kataguiri.

Movimentos pelo impeachment que adoram organizar panelaços durante pronunciamento da presidenta ou propagandas do Partido dos Trabalhadores, mas ironicamente resolveram se calar diante do comercial da Samarco.

Me parece que os interesses pessoais e projetos políticos acabam se tornando mais importante do que a vida humana no Brasil.

Até quando?

LEIA MAIS:

- O impeachment morreu

- Rejeitos de barragem da Samarco causaram prejuízo de R$ 1,2 bi

Também no HuffPost Brasil:

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: