Opinião

Quantas mentiras você contou hoje?

O fato é que convivemos com pequenas, médias ou grandes mentiras. Quem nunca contou a uma criança ou já acreditou em Papel Noel? E no Coelhinho da Páscoa?
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Eu tenho uma certeza: você já mentiu ou mentirá hoje.

Uma premissa fundamental de um programa empresarial de ética é justamente a habilidade de seus funcionários serem éticos e praticarem os valores determinados pelos Códigos de Conduta. Isso quer dizer que é também premissa que os funcionários tenham atitudes verdadeiras e íntegras e que principalmente não contem mentiras. Sim, eu sei que já passou o 1º de Abril (dia da mentira), porém esta data me deixou pensando, quantas mentiras nós contamos diariamente? Será que somos éticos - não só no nosso ambiente de trabalho - mas também em nossas vidas?

Robert Feldman, psicólogo da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, tentou responder a esta simples pergunta: "Com que frequência as pessoas mentem?". Ele e seu time de pesquisadores pediram que duas pessoas conversassem por 10 minutos e questionou o quanto elas foram honestas e falaram a verdade. Após a confirmação dos entrevistados, ele mostrou a gravação da conversa. Houve um grande espanto sobre quantas pequenas mentiras foram contadas em um espaço tão curto de tempo. Essa pesquisa acabou revelando que 60% dos adultos não conseguem ter uma conversa de 10 minutos sem mentir pelo menos 1 vez. A média é de 2 a 3 mentiras a cada 10 minutos. Por mais estarrecedor que pareça, mentir é humano e todos nós vivenciamos isso. Você lembra aquela vez que você mentiu pro guardador de carros que estava sem moedas? A rua é publica não é mesmo? Eu já usei esta desculpa, e tenho certeza que você também.

"Todos nós temos a capacidade de fazê-lo [mentir], podemos enganar um pouco [as pessoas] e ainda sim pensar em nós mesmos como pessoas boas" - diz Dan Ariely, professor da Duke University e um dos idealizadores de um projeto interessantíssimo chamado "(Dis)honesty - The truth about lies", um documentário que tem a intenção justamente de abordar o tema da mentira de uma forma bem divertida. Apesar de contarmos pequenas lorotas conseguimos sim nos justificar como pessoas boas. Afinal, quem nunca contou uma história para sair daquele jantar chato com aquele parente distante que atire a primeira pedra!

O fato é que convivemos com pequenas, médias ou grandes mentiras. Quem nunca contou a uma criança ou já acreditou em Papel Noel? E no Coelhinho da Páscoa? E aquele personagem querido de algum desenho que nunca existirá? Aprendemos desde a infância a conviver com mentiras de todos os tamanhos. Porém, conforme vamos amadurecendo, aprendemos a conseguir lidar com a realidade e discernir quando uma mentira pode ter conseqüências maiores do que uma simples desilusão. A mentira pode se tornar venenosa quando ela fere sua intimidade, dá aquela sensação própria de que algo está errado, quando você sabe que as consequências são sérias e principalmente quando desobedece alguma regra direta. É justamente essa sensação de desconforto que faz um programa de compliance ter sucesso. É ela que pode iniciar um processo interno de investigação, por exemplo, e demonstrará aos funcionários o comprometimento da empresa com a integridade.

Em situações de dúvidas, pergunte-se "Eu sentiria orgulho em contar esta atitude para a minha Avó?". Você ficará surpreso com a eficácia desta simples pergunta. Só não vale tomar mais de 10 minutos na resposta!