OPINIÃO
24/02/2014 09:48 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

De rolezinhos a aeroportos-rodoviárias: o pobre está chegando! E quer direitos! Catástrofe! Babel!

É provocação demais para uma sociedade que foi construída na divisão social. Ficamos parados no passado ou arquitetamos um futuro que não perpetue a separação entre sujeitos-rodoviária e sujeitos-aeroporto?

Nestas últimas semanas, conturbadas, neuróticas, com comportamentos esquizofrênicos aparecendo em cena, quero refletir sobre dois episódios: os rolezinhos e o caso da professora universitária indignada porque as chiquérrimas dependências do aeroporto estão começando a ser invadidas por sujeitos-rodoviária.

Hummm. Muito significativo... Muito esclarecedor de alguns sintomas sociais...

Grupos de adolescentes na fase do hormônio acelerado decidem se juntar para paquerar. Que subversivo! Que acontecimento extravagante!

Grupos de adolescentes na fase do hormônio acelerado decidem se juntar para paquerar... no shopping. Será que foi esta última parte da frase a que incomodou, a que criou toda a perturbação social? Eles, os novos sujeitos-consumidores, ameaçam a que era a inabalável, a histórica estrutura separatista brasileira. Eles desestabilizam. É isso o que desassossega, meus amigos?

E passamos do sujeito-rolezinho ao sujeito-rodoviária, que não deveria infestar com seus chinelos ou tênis Nike lugares aos quais não pertence.

Ahhhh, tragédia ainda maior! Ele paga, ele consume, então ele pertence, sim, a esses lugares que antes permaneciam separados, desmembrando a sociedade.

Aqui estão! São eles! Estão consumindo, estão se aproximando, estão se fazendo visíveis!

E além de tudo ainda querem direitos! Querem ocupar os espaços privilegiados, os espaços negados!

É provocação demais para uma sociedade que foi construída na divisão social.

E agora?

Continuamos achando que tudo é drama ou começamos a pensar em como transformar a condição de todos nós de consumidores a cidadãos?

Ficamos parados no passado ou arquitetamos um futuro que não perpetue a separação entre sujeitos-rodoviária e sujeitos-aeroporto?