OPINIÃO
19/06/2014 10:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:44 -02

Copa... Hacktivistas na área!

Enquanto a seleção não consegue fazer gols, hacktivistas internacionais estão bloqueando acesso a sites de empresas que patrocinam a FIFA e sua Copa do Mundo.

TASSO MARCELO via Getty Images
Demonstrators march in downtown Rio de Janeiro, Brazil on June 27, 2013. The nationwide mass demonstrations, which began more than two weeks ago against a background of anemic economic growth and rising inflation, have coincided with the Confederations Cup -- a dry run for the 2014 World Cup. AFP PHOTO / TASSO MARCELO (Photo credit should read TASSO MARCELO/AFP/Getty Images)

Enquanto a seleção não consegue fazer gols, hacktivistas internacionais estão bloqueando acesso a sites de empresas que patrocinam a FIFA e sua Copa do Mundo.

A Symantec, respeitada fabricante de softwares de segurança, está oferecendo aos usuários de internet uma descrição dos tipos de ataques e conselhos sobre como se defender deles.

Nos últimos meses, o grupo de hacktivistas internacional Anonymous se gabou na internet que iriam perturbar a infraestrutura informática da Copa do Mundo da FIFA. Algums jornais estão dizendo que os ciberataques foram realizados pelo Anônimos Brasil. Mas, na realidade, ciberataques "anônimos" podem se originar em qualquer lugar do planeta, independentemente do crachá.

Em nome da justiça social, os Anonymous desempenharam um papel importante no movimento Occupy Wall Street, nos Estados Unidos. E também tem operado em nível internacional para apoiar as informações políticas publicadas pelo WikiLeaks e seu co-fundador Julian Assange.

Enquanto os anônimos usam a máscara de Guy Fawkes como símbolo de anonimato, alguns de seus hacktivistas proeminentes são egoístas, e usam nomes falsos para promover a sua individualidade e marcas pessoais. A operação está transformando a busca por justiça social em uma subcultura que tem mais em comum com Game of Thrones do que um esforço sério para redistribuir a riqueza para aqueles que dela necessitam.

O famoso hacktivista Sabu foi perdoado de servir 26 anos de prisão por causa de seu excelente trabalho como informante para o FBI. Um relatório da revista Time afirma que um em cada quatro hacktivistas trabalha para o FBI como informante.

Como parte de seu programa de US$ 530 milhões para garantir a segurança da Copa do Mundo, o governo da presidenta Dilma Rousseff criou uma unidade de cibersegurança. Por isso, de acordo com os protocolos da comunidade de inteligência internacional, nem as autoridades de segurança institucionais no Brasil nem a FIFA reconheceram as atividades perturbadoras do Anonymous.

Há uma diferença grande entre os grupos que promovem a mudança social construtiva e aqueles que promovem a anarquia. Hacktivistas promover a anarquia.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.