MULHERES
09/12/2019 15:05 -03 | Atualizado 09/12/2019 22:27 -03

Zozibini Tunzi, a Miss Universo 2019: 'Agora mulheres como eu podem saber que são bonitas'

Após intervalo de oito anos, o concurso reconheceu pela terceira vez na história uma representante da África do Sul.

Elijah Nouvelage / Reuters
Zozibini Tunzi, da África do Sul, foi coroada como Miss Universo no último domingo (8). Ela é a primeira sul-africana negra a vencer o concurso.

 “A sociedade foi programada durante muito tempo para não enxergar a beleza das mulheres negras. Mas agora estamos entrando em um tempo em que finalmente as mulheres como eu podem saber que são bonitas”, disse a sul-africana Zozibini Tunzi, de 25 anos, a jornalistas, após ser coroada e receber o título de Miss Universo 2019 na noite do último domingo (8).

Esta é a terceira vez que o concurso reconheceu uma representante da África do Sul. Outras Misses Universo do país, Margaret Gardiner e Demi-Leigh Nel-Peters ganharam em 1978 e 2017, respectivamente. Tunzi também é a primeira negra sul-africana a vencer o concurso.

Em 67 anos de existência, o Miss Universo havia premiado apenas outras quatro mulheres negras. Entre elas, Janelle Commissiong, em 1977, Wendy Fitzwilliam, em 1998, Mpule Kwelagobe, em 1999 e Leila Lopes, em 2011, quando o evento teve uma edição realizada em São Paulo.

Esta edição foi realizada em Atlanta, nos Estados Unidos, e contou com 88 candidatas. Além de premiar a África do Sul, em segundo e terceiro lugar foram escolhidas representantes das Américas: Madison Anderson, de Porto Rico, Sofía Aragón, do México, respectivamente. A Miss Brasil Julia Horta esteve entre as 20 mais bonitas do concurso, mas não foi à rodada final.

É uma honra absoluta representar, como negra e africana, a inclusão e a diversidade.Zozibini Tunzi, em coletiva de imprensa após ser coroada como Miss Universo 2019.

Em entrevista coletiva à imprensa logo após receber a coroa, Zozibini Tunzi falou sobre preconceito, racismo, machismo e como se sente grata por ser a nova Miss Universo e poder passar uma mensagem com o título. 

Assista ao momento em que Tunzi foi coroada:

Ela ainda falou sobre o tanto que a sociedade demorou para enxergar e dar validade à beleza das mulheres negras ― e como ainda hoje existe um caminho dentro do imaginário social a ser combatido neste sentido. 

“Na sociedade, nós lutamos para enxergar a nossa própria beleza porque fomos colocadas em caixas. A sociedade foi programada por muito tempo para não enxergar a beleza como black girl magic [garota negra mágica, em tradução livre, é um termo usado para celebrar a negritude das mulheres negras]”, disse.

Tunzi completou sua fala dizendo que, para ela, agora “estamos entrando em um tempo em que finalmente as mulheres, como eu, podem encontrar seu lugar na sociedade e saber que são bonitas.”

“Mas não só isso. É sobre continuar a quebrar barreiras. Esse é um movimento de mudança muito bonito e eu fico muito feliz em fazer parte dele.”

Elijah Nouvelage / Reuters
Zozibini Tunzi na apresentação no Miss Universo 2019.

Em sua conta no Twitter, a Miss Universo 2019, que estuda Relações Públicas e foi coroada também como Miss África do Sul neste mesmo ano, comemorou o título reafirmando seu posicionamento frente à opressão sofrida pelas mulheres negras ao afirmar que, neste último domingo, “uma porta foi aberta”. 

“Esta noite uma porta foi aberta e eu não poderia estar mais agradecida por ter sido a pessoa que a atravessou. Que toda garotinha que testemunhou esse momento acredite para sempre no poder de seus sonhos e que ela possa ver seu rosto refletido no meu”, escreveu.

A questão da educação para meninas, inclusive, esteve presente em uma das falas de Tunzi na prova de perguntas e respostas do evento. Ao ser questionada sobre “o que deveria ser ensinado às jovens atualmente”, ela respondeu:

“Eu acho que a coisa mais importante que devemos ensinar às meninas hoje é liderança. Isso é algo que tem sido retirado de garotas jovens por um grande período de tempo. Não porque nós não queremos isso, mas porque a sociedade definiu o que as mulheres deveriam ser”, disse, ao ser aplaudida.

Tunzi acrescentou que as mulheres são os seres “mais poderosos do mundo e que deveríamos ter acesso a todas as oportunidades. E deveríamos estar ensinando as nossas garotas a ocuparem esses espaços. Nada é tão importante quanto ocupar espaços na sociedade”.