NOTÍCIAS
03/07/2019 16:04 -03

Um veredito sobre WhatsApp, Facebook e Instagram fora do ar: É difícil viver desconectado

A rapidez do WhatsApp, Facebook e Instagram em voltar o serviço ao normal não é compatível com a velocidade de quem está acostumado com comunicação em tempo real.

Não é a primeira vez que WhatsApp, Instagram e Facebook ficam instáveis e elevam o nível de irritabilidade do brasileiro. Os aplicativos de Mark Zuckerberg estão cientes de que não estão operando como deveriam e informaram que estão trabalhando para voltar ao normal o mais rápido possível.

O problema é que esse rápido não condiz com a rapidez com que os próprios aplicativos acostumaram seus usuários. São áudios, fotos, figurinhas, prints, vídeos, stories… Possibilidades enaltecidas pelas redes e adoradas pelos usuários. Deixou o pessoal assim ó: 🤷🏻‍♀️.

E não basta saber que a rede está fora do ar, existe a necessidade checar o tempo todo se já voltou.

É uma frustração atrás da outra.

As pessoas imediatamente apelaram a outras redes para informar o que está acontecendo.

O Twitter se tornou um refúgio.

O Telegram também.

E no meio disso tudo, uma oração:

A verdade é que... os brasileiros estão cada vez mais conectados e isso não vai mudar. Levantamento feito pelo IBGE, divulgado em dezembro do ano passado, mostrou que o número de pessoas com acesso à internet cresceu em 10 milhões em apenas 1 ano, chegou a 126,4 milhões de usuários (69,8% da população com 10 anos ou mais).

O aumento ocorreu especialmente por meio de telefones celulares. O principal uso da rede é —justamente — a troca de mensagens.

Mas tem o lado negativo: há relação entre o uso das redes sociais e comportamento de pessoas viciadas, segundo um estudo de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. Reportagem da Agência Brasil sobre o estudo diz que “a lógica de oferta de “recompensas” por esses sites e aplicativos dificulta a tomada de decisões e estimula atitudes de retorno contínuo ao uso do sistema, assim como no caso de outras desordens ou de consumo de substâncias tóxicas”.