ENTRETENIMENTO
15/02/2019 17:14 -02 | Atualizado 15/02/2019 17:19 -02

Wagner Moura exibe placa de Marielle no Festival de Berlim

Diretor de 'Marighella' homenageia, no tapete vermelho do evento, vereadora assassinada.

TOBIAS SCHWARZ via Getty Images
“Vamos enfrentar muita merda no Brasil’, disse Moura ao jornal Folha de S. Paulo.

Pouco menos de 1 ano depois do assassinato - ainda não solucionado - da vereadora Marielle Franco (PSol), o ator Wagner Moura passou pelo tapete vermelho do Festival de Berlim nesta sexta-feira (15) carregando uma placa em homenagem à vereadora carioca.

O evento marcou a estreia mundial de seu 1º filme como diretor, Marighella, cinebiografia do político, guerrilheiro e escritor baiano morto pela polícia durante a época da ditadura militar no Brasil, em 4 de novembro de 1969.

Segundo a Folha de S. Paulo, a sessão do filme foi marcada por gritos de “Lula Livre”, “Ele, Não” e “Marielle Presente”. “Vamos enfrentar muita merda no Brasil’, disse Moura ao jornal.

A manifestação do ator ocorre após o jornal O Globo ter revelado que o deputado Rodrigo Amorim (PSL), que quebrou uma placa com o nome da Rua Marielle Franco, no Rio, durante um comício em 2018, emoldurou parte da placa quebrada e a pendurou em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio.

Amorim disse ao jornal que o pedaço da placa era o “símbolo da restauração da ordem no Rio de Janeiro”. A viúva de Marielle, a arquiteta Mônica Benício, respondeu com ironia ao deputado: “Ele entendeu que o lugar da Marielle é de destaque, para ser emoldurado em todos os gabinetes, seja de políticos de esquerda ou de direita. Vou doar a outra metade para que a homenagem fique completa”.

Os assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Pedro Gomes, completam nesta sexta 11 meses e 1 dia sem solução. A polícia do Rio de Janeiro já apontou milicianos como os principais suspeitos, mas ninguém foi indiciado pelo crime ainda.

Com um orçamento de R$ 10 milhões, o filme Marighella traz em seu elenco o cantor e ator Seu Jorge, que interpreta Carlos Marighella, além de Adriana Esteves, Bruno Gagliasso, Herson Capri, Humberto Carrão, Jorge Paz, entre outros.

Nascido em Salvador no dia 5 de dezembro de 1911, Marighella foi um político, guerrilheiro e escritor que se transformou no símbolo da luta armada contra a ditadura militar instaurada no Brasil a partir de 1964. Ele foi morto em uma emboscada em São Paulo comandada pelo delegado do DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) Sérgio Paranhos Fleury.