NOTÍCIAS
04/06/2019 17:20 -03

Vai tirar visto para os EUA? Agora é preciso informar os perfis usados em redes sociais

Formulário exige que sejam identificados os nomes de usuário em redes como Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter e Youtube nos últimos 5 anos.

JAMES LAWLER DUGGAN / Reuters

Se você pensa em estudar, trabalhar ou simplesmente visitar os Estados Unidos, é melhor prestar atenção no conteúdo que está disponível em suas redessociais como, Instagram, Twitter ou Facebook.

Desde a última sexta-feira (31), quem vai solicitar o visto americano de imigrante ou de não imigrante precisa informar, no preenchimento do formulário para requisitar o documento, os perfis utilizados em todas as redes sociais “nos últimos cinco anos”. 

Dentre as redes listadas estão Facebook, Google+, Instagram, LinkedIn, MySpace, Pinterest, Twitter e Youtube.

As informações sobre a conta podem dar ao governo americano acesso a fotos, cidades e datas de nascimento, últimos locais visitados e outros dados pessoais compartilhados em perfis abertos nas redes sociais. 

Ao preencher o formulário, a pergunta já aparece na primeira página do requerimento para o pedido de visto de não imigrante, o que vale para quem quiser viajar como turista, por exemplo.

Reprodução/ Internet
Para preencher o formulário DS-160, necessário para tirar o visto de turista, por exemplo, é preciso identificar agora todos os perfis usados nas redes sociais nos últimos 5 anos. 

Em nota, a embaixada dos Estados Unidos afirma que as informações coletadas no formulário são consideradas confidenciais e só poderão ser usadas “para propósitos expressamente autorizados por lei”.  

“O governo dos Estados Unidos está constantemente trabalhando para encontrar mecanismos que melhorem os nossos processos de triagem para apoiar viagens legítimas aos EUA, enquanto protege os cidadãos norte-americanos”, diz o comunicado.

Essa mudança na política deve impactar cerca de 15 milhões de pessoas por ano.

Anteriormente, era obrigatório apenas fornecer esse tipo de informação caso o candidato precisasse de uma investigação adicional por parte das autoridades - como por exemplo, pessoas que vivem em países colocados numa lista de sérias restrições pelo governo de Donald Trump.

Agora, estarão isentos somente alguns solicitantes de vistos diplomáticos e oficiais.

Alguns especialistas em imigração criticaram a medida e disseram que ela pode ter um impacto sobre o direito à privacidade previsto na Primeira Emenda.

“A política não faz nada para resolver as preocupações de segurança, mas levanta questionamentos sobre a privacidade de cidadãos e imigrantes de todo o mundo”, disse Hina Shamsi, diretora da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), em entrevista ao The New York Times. 

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro decidiu, de forma unilateral, isentar, em março, turistas americanos - mas também canadenses, japoneses e australianos - de visto para entrar no País. A decisão foi anunciada às vésperas da visita de Bolsonaro a Washington.