ENTRETENIMENTO
26/02/2020 18:32 -03 | Atualizado 26/02/2020 21:20 -03

Viradouro exalta protagonismo feminino e se consagra como campeã no Carnaval do Rio

Samba-enredo ‘De Alma Lavada’ homenageou As Ganhadeiras de Itapuã; escola de Niterói garantiu seu 2º título no penúltimo quesito.

MAURO PIMENTEL via Getty Images
Desfile da Viradouro celebrou as lavadeiras de Itapuã, símbolos da cultura negra baiana.

Em uma virada emocionante no final da apuração, a Viradouro conquistou, nesta quarta (26), seu 2º título do Carnaval do Rio de Janeiro. A última vez que a agremiação de Niterói foi campeã da elite do Carnaval carioca foi em 1997, há 23 anos.

Com o samba-enredo Alma Lavada, a vice-campeã em 2019 abordou o protagonismo feminino e contou histórias das mulheres que trabalham como ganhadeiras na Bahia. A escola se inspirou no grupo musical “As Ganhadeiras de Itapuã”, que tem repertório a partir dos cantos de trabalho de lavadeiras, cantadeiras e ganhadeiras, além de cantigas e sambas de roda. 

O desfile também marcou a estreia da dupla de carnavalescos: Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira, que substituíram o badalado Paulo Barros.

Entre os destaques da apresentação no Sambódromo, a comissão de frente que contou com uma sereia nadando em uma alegoria com uma piscina de verdade e as ousadas paradinhas da bateria de mestre Ciça.

CARL DE SOUZA via Getty Images
A atleta Anna Giulia Veloso, do nado sincronizado, representou a figura da sereia em alegoria da comissão de frente que contou com um tanque de água mineral de 7 mil litros. 

Brigando com a Mocidade Independente de Padre Miguel e Beija-Flor de Nilópolis ponto a ponto, a Grande Rio consolidou a liderança no quesito enredo, tirando cinco notas 10 e ficando 1 décimo na frente das rivais.

A agremiação de Duque de Caxias aumentou a liderança em mais 1 décimo de vantagem para Mocidade e Beija-Flor no quesito seguinte, alegorias e adereços. Manteve a vantagem para a escola de Nilópolis na bateria e abriu mais 1 décimo para a Mocidade.

A Grande Rio seguiu com 2 décimos de vantagem para a Beija-Flor no quesito mestre-sala e porta bandeira, mas no quesito harmonia tudo mudou. A Viradouro, que vinha comendo pelas beiradas ponto a ponto, ultrapassou na reta final e assumiu - por conta dos critérios de desempate - a liderança faltando apenas o quesito harmonia, quando confirmou a vitória.

O ranking final do Carnaval do Rio ficou assim:

1º - Viradouro 269,6
2º - Grande Rio 269,6
3º - Mocidade 269,4
4º - Beija-Flor 269,4
5º - Salgueiro 269
6º - Mangueira 268,9
7º - Portela 268,8
8º - Vila Isabel 268,6
9º - Unidos da Tijuca 267,6
10º - São Clemente 267
11º - Paraíso do Tuiuti 266,2
12º - Estácio de Sá 264,7
13º - União da Ilha 264,2

Escute aqui o samba-enredo da campeã Viradouro:

Conheça as regras da apuração 

Em 2020, as regras da apuração para o Grupo Especial tiveram mudanças em relação ao ano passado. Em 2019, quatro jurados avaliavam cada um dos nove quesitos, e a menor nota era descartada. Agora, foram cinco jurados em nove quesitos, desprezando-se a maior e a menor nota.

Caso duas ou mais escolas seguissem empatadas na primeira colocação ao fim da apuração, o desempate seria feito com a somatória das notas dos quesitos, do último para o primeiro. 

A ordem dos quesitos foi sorteada antes da apuração e ficaram assim: fantasia, samba-enredo, comissão de frente, enredo, alegorias e adereços, bateria, mestre-sala e porta-bandeira, evolução e harmonia. Se, na totalização, uma escola tiver somado mais décimos do que a outra no último quesito - no caso, harmonia - seria a campeã.