ENTRETENIMENTO
27/08/2019 13:01 -03 | Atualizado 27/08/2019 18:40 -03

'A Vida Invisível' é o representante do Brasil no Oscar 2020

Vencedor do Grand Prix da mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes 2019, filme de Karim Aïnouz desbanca "Bacurau".

Vencedor do Grand Prix da mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes em 2019, o filme A Vida Invisível, do cearense Karim Aïnouz, é o representante do Brasil no Oscar 2020. O anúncio foi feito nesta terça (27), na Cinemateca Brasileira, em São Paulo.

“Recebo essa notícia com muito orgulho e emoção. Não é algo pequeno, mas é só o começo de uma maratona. Representar o Brasil nesse momento político é muito importante, ainda mais com esse filme. É uma honra ter participado dessa disputa com filmes tão importantes. É uma vitória de todos os filmes”, disse o diretor, que acrescentou: “E fico muito feliz pela Fernanda [Montenegro]. Ela merece muito e fico emocionado em dividir esse momento com ela. Mas não posso esquecer também das minhas duas meninas, Carol [Duarte] e Julia [Stockler]. Estou muito emocionado e atordoado. Não estava esperando isso.” 

A Vida Invisível era, junto com Bacurau (de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dorneles), um dos favoritos à vaga para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Internacional (novo nome da categoria antes conhecida como Melhor Filme Estrangeiro). 

A comissão da Academia Brasileira de Cinema que fez a escolha pelo filme de Aïnouz foi constituída pelos diretores Anna Muylaert, Zelito Viana e David Schurmann, o crítico Amir Labaki, o diretor de fotografia Walter Carvalho, o roteirista Mikael de Albuquerque e as produtoras Ilda Santiago, Sara Silveira e Vânia Catani. 

 

Até hoje, apenas quatro produções brasileiras entraram na lista final da disputa pelo Oscar de Melhor Filme Internacional: O Pagador de Promessas (1963), O Quatrilho (1996), O Que é Isso Companheiro? (1998) e Central do Brasil (1999).

Livre adaptação do romance de Martha Batalha, Vida Invisível conta a história de duas irmãs no Rio de Janeiro da década de 1950: Eurídice, 18, e Guida, 20, são inseparáveis. Ambas têm um sonho: Eurídice o de se tornar uma pianista profissional e Guida de viver uma grande história de amor. Mas elas acabam sendo separadas pelo pai conservador e forçadas a viver distantes uma da outra. Sozinhas, elas irão lutar para tomar as rédeas dos seus destinos, enquanto nunca desistem de se reencontrar.   

O filme estreia primeiro no circuito brasileiro na região Nordeste, no dia 19 de setembro. No resto do Brasil, a produção entra em cartaz no dia 31 de outubro.