ENTRETENIMENTO
19/07/2020 19:47 -03 | Atualizado 20/07/2020 20:45 -03

Como era o mundo quando 'Vale Tudo' passou na TV pela primeira vez

Um dos maiores sucessos da história da Globo, novela que estreou em maio de 1988 é mais uma a chegar ao catálogo do Globoplay.

Por mais que acontecimentos históricos tenham marcado 1988, naquele ano, os brasileiros só queriam saber de uma coisa: Quem diabos matou Odete Roitman?! Vale Tudo, novela escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères parou o País, literalmente. E você terá outra oportunidade de saber a resposta para esse mistério a partir deste domingo (19), quando o folhetim entra no catálogo do Globoplay

Tudo bem que Vale Tudo já foi reprisada no Vale a Pena Ver de Novo uma vez e mais duas no Viva, mas nunca é demais rever essa novela que para muitos críticos é a melhor de todos os tempos.

Por quê? Por muitas razões, mas uma das principais foi escancarar as mazelas do Brasil de uma forma extremamente direta. Algo impossível em anos anteriores, pois naquele ano o Brasil vivia um momento especial, em que ganhamos uma nova e moderna Constituição e a censura (finalmente!) foi destituída.

O recado já era dado logo na abertura da novela, com os fortes versos de Cazuza na voz de Gal Costa: “Brasil, mostra a tua cara / Quero ver quem paga pra gente ficar assim / Brasil, qual é teu negócio / O nome do teu sócio / Confia em mim.”


A quantidade de personagens inesquecíveis era imensa. Na maioria, canalhas ou pessoas perdidas no mar de lama brasileiro, como a malévola Odete Roitman (interpretada com perfeição por Beatriz Segall), a picareta da Maria de Fátima (Glória Pires), o corrupto do Marco Aurélio (Reginaldo Faria), a coitada da Heleninha Roitman (Renata Sorrah), o honeste Ivan (Antonio Fagundes) - que era sacaneado por todo mundo - e sua amada Raquel (Regina Duarte), que padeceu no paraíso um milhão de vezes por ser mãe de Maria de Fátima, entre muitos outros.

O mais surpreendente é que muitos dos “vilões” se deram bem no final! A imagem de Marco Aurélio fugindo e dando uma banana para o País é inesquecível. E provou-se emblemática, pois até hoje em dia tem gente no poder dando uma banana pra gente.


É por esses momentos, e muitos outros, que Vale Tudo é um verdadeiro clássico da teledramaturgia brasileira que marcou muito aquele ano de 1988.

Não lembra? Tudo bem, vamos te dar uma ajudinha para relembrar como era o mundo quando Vale Tudo passou na TV pela primeira vez:

Um dos momentos mais importantes da história do Brasil aconteceu em 1988. Seria o fim da censura? O primeiro mundial conquistado por Ayrton Senna? O lançamento de Ilariê? Essas foram, certamente, passagens marcantes de nossa história, mas, não. O momento mais histórico daquele ano aconteceu no dia 5 de outubro, quando foi promulgada a nova Constituição brasileira.

SOPA Images via Getty Images

Mas é verdade que pouco antes de promulgar a nova Constituição, no dia 3 de agosto, o congresso também deu um passo importantíssimo para enterrar de vez a famigerada era da ditadura militar, acabando com um de seus mais nefastos instrumentos: a censura. Instaurando a liberdade de expressão intelectual e de imprensa no País no texto da Constituição. Se bem que parece que tem muita gente hoje que não dá muito valor para isso.

Laurent Hamels via Getty Images

No Chile, o povo deu o primeiro passo para dar um basta à ditadura, votando “Não” a mais oito anos de poder ao sanguinário General Augusto Pinochet. Já viu um filme chamado No, com o Gael Garcia Bernal? Fica a dica.


Entre os aniversariantes daquele ano, ninguém foi mais festejado que o fim da escravidão no Brasil, que em 1988 completava 100 anos. Um marco importante, mas que sabemos que, infelizmente, mesmo em 2020, ainda está longe de conquistar tudo o que se esperava dele.

Bogdan Kurylo via Getty Images

Já no esporte... Saímos de Seul, sede da Olimpíada de 1988, com apenas uma medalha de ouro. Mas ela seria bem significativa, pois foi a nossa primeira no judô, com Aurélio Miguel, a modalidade acabaria se tornando a que mais rendeu medalhas nos Jogos para o Brasil.

David Finch via Getty Images

Como já mencionamos, aquele ano também marcou o primeiro título dos três conquistados por Ayrton Senna na F-1. Em 1988, ele e seu companheiro (e eterno rival) na McLaren, o francês Alain Prost, dominaram o campeonato. Mas Senna foi imbatível, quebrando o recorde de pole positions e vitórias em uma temporada até então, com 13 poles e 8 vitórias nas 16 corridas do ano.

 
E falando em Senna... O ano marcou também o lançamento do maior hit da carreira da Xuxa: Ilariê.


Mas mesmo com 10 discos de ouro e seis de platina por seu grande hit, Xuxa não estava no topo das paradas do Brasil em 1988. Naquele ano, muito impulsionado pelo sucesso sua música Brasil na abertura de Vale Tudo, não tinha para ninguém. Quem dominou as rádios foi Cazuza, com outro de seus maiores sucessos: Faz Parte do meu Show.


Mas Cazuza nos lembra de coisas tristes também... Foi em 1988 que perdemos o genial cartunista Henfil para a AIDS, doença que também seria a causa da morte do cantor e compositor carioca dois anos depois.

Outro grande nome da cultura brasileira nos deixou naquele ano, o Velho Guerreiro Chacrinha.

Reprodução/Montagem

Dando um tempo nas notícias ruins, chamamos os comerciais:


E o Oscar de 1988 foi para... O Último Imperador, do italiano Bernardo Bertolucci, que também ganhou a estatueta de Melhor Diretor.

John T. Barr via Getty Images

Entre os filme mais visto naquele ano, ninguém superou Rain Man, aquele com o Dustin Hoffman e o Tom Cruise. Lembra? O Top 5 seguiu com Uma Cilada Para Roger Rabbit, Um Príncipe em Nova York, Crocodilo Dundee 2 e Sociedade dos Poetas Mortos.

Divulgação