OPINIÃO
27/06/2019 07:26 -03 | Atualizado 27/06/2019 07:26 -03

'Turma da Mônica - Laços': União entre o nostálgico e o novo para crianças de 8 a 80 anos

Filme do diretor de Daniel Rezende capta a essência da obra do quadrinista Mauricio de Sousa.

Divulgação
Aventura em busca de Floquinho colocará à prova a amizade entre Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali.

Chegou a hora de o Brasil entrar nessa onda de live-actions que a Disney tornou tão popular nos últimos anos. Mas esqueça Dumbo, Aladdin, Rei Leão e afins. A partir desta quinta-feira (27), os cinemas brasileiros serão invadidos pelas versões em carne osso de personagens quase onipresentes no imaginário nacional: Mônica, Cebolinha, Magali e Cascão. Elas e outras criações do quadrinista Mauricio de Sousa, estão em Turma da Mônica - Laços.

Adaptação da graphic novel [HQ que funciona como um romance gráfico] de mesmo nome, escrita e desenhada por Vitor e Lu Cafaggi, o filme tem a competente direção de Daniel Rezende, editor de renome que estreou na direção com Bingo - O Rei das Manhãs (2017). Um casamento que provou-se ideal.

Em suas histórias, Mauricio de Sousa sabe como ninguém evocar o sentimento de nostalgia, de anos mais “inocentes”, sem perder a conexão com o atual, acrescentando questões como diversidade de maneira natural, sem soar forçada por conta de interesses comerciais. Se ficasse preso ao passado, seus quadrinhos não sobreviveriam com a mesma força e relevância que ainda têm.

E um dos produtos mais significativos dessa constante procura por renovação é a linha de graphic novels da Mauricio de Sousa Produções, a Graphic MSP, que deu a novos e promissores quadrinistas uma tela em branco para fazer releituras com suas referências de infância sem perder a essência da obra do criador desse universo lúdico.

Essência esta que Rezende aplica a cada frame de Laços. Se por um lado temos toda a tradicional iconografia e maneirismos dos gibis da Turma da Mônica, por outro podemos ver a turma reagindo de formas que podem soar como novidade para muita gente. É o que acontece na troca de olhares ternos entre os “inimigos” Mônica e Cebolinha (os excelentes Giulia Benitte e Kevin Vechiatto), ou vendo a baixinha dentuça que nunca leva desaforo para casa sucumbindo emocionalmente ao bullying.

A história de Laços é bem simples e direta como manda a cartilha de Mauricio de Sousa. Entre um plano infalível e outro para roubar o coelho de Mônica, Sansão, Cebolinha perde seu cachorrinho, Floquinho, que foi sequestrado no meio da noite por um homem misterioso.

Para procurar seu cãozinho, ele reúne seu melhor amigo, Cascão (Gabriel Moreira), a comilona Magali (Laura Rauseo) e a própria Mônica. A busca os leva para uma floresta onde eles terão de enfrentar perigos externos e internos, colocando a força de sua amizade à prova.

Turma da Mônica - Laços consegue balancear o tom nostálgico com os valores atuais mantendo intacto o espírito de personagens tão icônicos da cultura pop brasileira. É um filme fofo que nunca se deixa levar pela pieguice, dando vida a nossas lembranças afetivas em uma história que agradará crianças dos 8 aos 80 anos na mesma medida.