NOTÍCIAS
12/10/2019 12:09 -03 | Atualizado 12/10/2019 12:10 -03

As impressionantes imagens do 'céu violeta' no Japão antes do tufão Hagibis

Moradores especularam que o céu violeta era um presságio. Primeiras inundações causadas pelo tufão já mataram uma pessoa.

O tufão Hagibis atinge neste fim de semana as regiões centrais e leste do Japão. A Agência de Meteorologia do país emitiu neste sábado (12) um alerta de emergência para chuvas torrenciais nas províncias de Shizuoka, Kanagawa, Tóquio, Saitama, Gunma, Yamanashi e Nagano. 

A agência meteorológica definiu o tufão Hagibis com a classificação de nível mais elevado em uma escala que vai até 5. A tempestade pode ser a mais poderosa a atingir o país nos últimos 60 anos.

Em 1958, um tufão arrasou a região de Kanto e matou mais de 1.200 pessoas. Ainda neste sábado, o tufão Hagibis provou as primeiras inundações que causaram a morte de uma pessoa. Há relatos de desaparecidos e 33 ficaram feridos

Antes da chegada do tufão, o céu do Japão deste sábado apresentou cores violetas. Muitos japoneses publicaram as fotos do céu rosa e roxo nas redes sociais e elas viralizaram em pouco tempo. 

As imagens chamaram atenção pela beleza, mas também causaram medo pelo o que estaria por vir. 

“O céu ficou rosa. Parece tão bonito, mas o fato de que essa catástrofe foi disfarçada de algo tão bonito me deixa mais preocupada. Estava tão silencioso. Um silêncio antes da tempestade. Isso é loucura. Uma bela loucura está prestes a atingir o Japão”, escreveu um usuário. 

O que estas cores significam?

Moradores e usuários do twitter especularam que o céu violeta era um presságio de uma tempestade capaz de causar destruição e mortes. 

Segundo o site Expresso.co, o céu da cor púrpura é um fenômeno que geralmente precede ou segue um grande tufão ou furacão

O céu roxo é o resultado de um fenômeno climático chamado “dispersão”. “O fenômeno ocorre quando as moléculas e pequenas partículas na atmosfera influenciam a direção da luz, causando a dispersão da luz”, explicou o site, que ouviu a meteorologista Lauren Rautenkranz.

Fortes tempestades e chuva tendem a remover partículas maiores, que absorvem mais luz e espalham comprimentos de onda de maneira mais uniforme, que têm tons suaves, fora do ar, tornando as cores verdadeiras do céu mais vivas. O fenômeno já aconteceu antes na Flórida, na passagem do furacão Michael, em 2018. 

“À medida que a luz do sol brilha sobre a Terra, a maioria das cores do espectro é capaz de atingir a superfície ininterruptamente. Mas os comprimentos de onda mais curtos, azul e violeta, estão espalhados em todas as direções. Essa luz salta de partícula em partícula até atingir seus olhos, mas o céu não parece violeta e azul por causa das limitações da nossa visão”, explicou a meteorologista.

Normalmente, ela conclui, nossos olhos só conseguem detectar o azul, porque o violeta tem o menor comprimento de onda do espectro de cores.