NOTÍCIAS
02/12/2019 09:51 -03 | Atualizado 06/12/2019 10:27 -03

Trump anuncia taxação de metais brasileiros e Bolsonaro diz que ligará para ele 'se for o caso'

Este é o primeiro desentendimento entre os líderes aliados. Bolsonaro diz que tem canal aberto com Trump.

The Washington Post via Getty Images
O real já acumula desvalorização de 9,4% em relação ao dólar comercial desde o início do ano.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (2) que pode conversar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a respeito da decisão anunciada pelo líder norte-americano de retomar tarifas sobre importações de metais do Brasil.

“Vou falar com o Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Se for o caso, ligo pro Trump, eu tenho um canal aberto com ele. Converso com o Paulo Guedes e depois dou uma resposta, para não ter que recuar”, disse Bolsonaro a jornalistas em entrevista na saída do Palácio da Alvorada.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou mais cedo uma aplicação de sobretaxas alfandegárias contra o aço e o alumínio importados de Brasil e Argentina.

Em seu perfil no Twitter, o magnata acusou os dois países de realizarem uma “desvalorização maciça de suas moedas”, o que “não é bom” para os agricultores americanos. “Portanto, com efeito imediato, vou restaurar as tarifas contra o aço e o alumínio enviados para os EUA a partir destes países”, escreveu.

Trump também pressionou o Federal Reserve (FED), banco central dos Estados Unidos, a agir para que outros países “não tirem mais vantagem” do fortalecimento do dólar, “desvalorizando ainda mais suas moedas”. “Isso torna muito difícil para nossos manufatureiros e agricultores exportarem seus produtos”, acrescentou, pedindo para o FED baixar os juros.

O real já acumula desvalorização de 9,4% em relação ao dólar comercial desde o início do ano.

Alinhamento

Desde que assumiu o governo, o presidente Jair Bolsonaro adotou um alinhamento automático com Trump em política externa e ofereceu aos EUA acesso à base de lançamento de foguetes de Alcântara (MA), além de ter isentado turistas americanos de visto.

A Casa Branca, por sua vez, designou o Brasil como “aliado extra-OTAN”, mas ainda não formalizou seu apoio à entrada do país na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), dando preferência para Argentina e Romênia.

Nos últimos meses, no entanto, o governo brasileiro vem ensaiando uma aproximação com a China, que trava uma guerra comercial com Trump. As sobretaxas americanas contra aço (25%) e alumínio importados (10%) haviam sido anunciadas pelo presidente no início de 2018, mas logo depois ele isentou Brasil e Argentina da cobrança.