MUNDO
27/03/2019 19:05 -03 | Atualizado 27/03/2019 19:07 -03

Theresa May sinaliza que deixará cargo se Brexit for aprovado

Sua saída foi exigida em troca de apoio para o projeto que retira o Reino Unido da União Europeia.

Reuters TV / Reuters

A primeira-ministra do Reino Unido TheresaMay sinalizou aos parlamentares conservadores que ela deixará o cargo assim que o acordo do Brexit for aprovado. Essa foi uma dramática estratégia para garantir apoio ao projeto.

Em discurso aos parlamentares na tarde de quarta-feira (27), May disse que deixaria o cargo de primeira-ministra “na segunda fase” das negociações com Bruxelas.

A primeira-ministra não especificou uma data precisa para a sua saída, mas os membros do parlamento acreditam que um novo premiê poderia assumir a posição ainda em julho.

May poderá ser afastada da liderança do partido conservador se o Brexit for aprovado até 22 de maio. Ela permaneceria como primeira-ministra enquanto o partido escolheria um substituto.

A primeira-ministra disse que aceitou que era hora de uma “nova liderança”, uma vez que seu “acordo de divórcio” fosse aprovado pelo Parlamento.

O anúncio de sua demissão tinha como o objetivo conquistar o suporte necessário de figuras-chave do partido como Boris Johnson e Iain Duncan Smith.

“Eu não fico ao redor dos bares fofocando com os colegas. Mas isso não significa que eu não tenha entendido a mensagem”, disse ela ao comitê.

May também afirmou que os últimos meses têm sido um “tempo de teste para o nosso país e nosso partido”, e disse que “estamos quase prontos para começar um novo capítulo e construir um futuro mais brilhante”.

“Eu ouvi muito claramente o humor do partido. Eu sei que há um desejo por uma nova abordagem - e nova liderança - na segunda fase das negociações do Brexit - e eu não vou ficar no caminho disso”, afirmou.

“Estou preparada para deixar este trabalho mais cedo do que pretendia, a fim de fazer o que é certo para o nosso país e nosso partido. Peço a todos nesta sala que apoiem o acordo para que possamos cumprir nosso dever histórico - cumprir a decisão do povo britânico e deixar a União Europeia com uma saída suave e ordenada”.

Posteriormente, o parlamentar Simon Hart, também do partido conservador, disse que May fez uma defesa “apaixonada” de seu projeto para o Brexit.

Ele apontou como as palavras dela foram recebida: “Ela não estava em lágrimas - mas também não estava com o chicote”.

Já Jacob Rees-Mogg, que preside o Grupo de Brexiteers, elogiou o anúncio do plano de demissão de May, e afirmou que “o prazo final deve ser 22 de maio”.

Contudo, outro parlamentar disse ao HuffPost que a promessa de May era “muito condicional”.

“Ela só vai se o acordo for aprovado.” Um ex-ministro do gabinete acrescentou: “Ela não deu uma data.”

Os membros do partido conservador tinha a expectativa de ter uma “direção” do que aconteceria com a sigla a fim de confirmar que May não estivesse mais a frente do partido com o desenrolar das negociações do Brexit.  

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.