02/03/2019 00:00 -03 | Atualizado 02/03/2019 00:00 -03

Thais Rodrigues, a primeira e única mestre de bateria do Carnaval carioca

Ritmista será a única mulher a comandar uma bateria de escola de samba em 2019 e conta sua relação com a música, que vem do berço.

Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Thais Rodrigues é a 360ª entrevistada do "Todo Dia Delas", um projeto editorial do HuffPost Brasil que celebra 365 mulheres.

Daqui a exatamente uma semana, a Feitiço do Rio vai atravessar a Estrada Intendente Magalhães, o logradouro destinado às escolas de samba das séries B, C e D do Carnaval carioca. Fundada e baseada em Vila Isabel, a Feitiço ainda é um bebê, tem apenas três anos de idade, mas já faz história: à frente de sua bateria virá a mestre Thaís Rodrigues, de 30 anos. Com uma história sólida no Carnaval, ela é a única mulher a comandar os ritmistas de uma agremiação do samba em 2019.

Ocupando um cargo majoritariamente masculino, Thais relembra com precisão dos comentários e olhares direcionados a ela quando assumiu a função. Nada, porém, capaz de abalar seu amor pela música e pelo ritmo. “Não é a mesma coisa quando é um homem à frente da bateria. Às vezes eu ficava puta, pensava que estavam querendo me esculachar. Hoje em dia eu não ligo mais não, mas tem diferença, sim, quando se é mulher”, afirma a ritmista.

Hoje em dia eu não ligo mais não, mas tem diferença, sim, quando se é mulher.
Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
A relação de Thaís com o samba vem de berço: a mãe foi passista e componente de ala, uma tia e a madrinha foram passistas.

Tudo que Thaís sabe e propaga hoje ela aprendeu dentro da Rocinha. Cria da comunidade, a ritmista começou tocando no chocalho, mas logo soube que aquele não era seu instrumento do coração. “Minha paixão sempre foi surdo de terceira, então eu ficava perturbando o mestre. Enquanto ele não me deixou tocar surdo de terceira, eu não parei de encher o saco dele. Eu ficava tocando na frente, só que olhando para trás. Eu não queria ficar ali na frente, porque toca e para. Eu queria tocar o tempo inteiro”, relembra. E quando a oportunidade chegou, nunca mais largou. Além do primeiro e do instrumento de coração, ela também toca caixa.

A experiência em comandar dezenas, e até uma centena, de músicos vem de uma carreira múltipla. Thais também acumula a função de mestre de bateria no bloco Areia, além de ser diretora de instrumento na Acadêmicos da Rocinha, escola que nunca abandonou, diretora de instrumento na Tijuquinha do Borel, uma escola de samba mirim, e ritmista na Unidos da Tijuca e na Paraíso da Tuiuti, ambas do grupo especial do Carnaval do Rio. Ufa! Para dar conta de tantas funções, mas as aulas de instrumento particular que ela promove, ela conta que o segredo é um só: correr.

Eu tenho capacidade, mas na linha cronológica eu não me imaginava agora na frente de uma bateria.
Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
A experiência em comandar dezenas, e até uma centena, de músicos vem de uma carreira múltipla.

O convite para a função só veio no ano passado, e Thais conta à reportagem do HuffPost Brasil que não acreditou de vez até iniciar os trabalhos. Ela, que nem conhecia a escola que hoje está também em suas mãos, aceitou de pronto. “Meu diretor de bateria da Tijuca disse que precisavam de mestre, e que tinha indicado. Eu não me imaginava mestre, porque tem muita gente há mais tempo que eu. Eu tenho capacidade, mas na linha cronológica eu não me imaginava agora na frente de uma bateria”, explica Thais.

Comandar uma bateria não é algo especialmente novo, já que o Bloco Areia já existe na vida da ritmista, mas bloco e escola de samba guardam diferenças fundamentais. “Eu nunca tinha vivido essa experiência de comandar uma bateria o ano inteiro. E na bateria de um bloco não vale nota, às vezes entra um doidão do nada e a gente deixa tocar. É uma responsabilidade, claro, mas o principal é a diversão. Na escola de samba, não, é um trabalho sério e que vale nota. A gente não tem que buscar nota, tem que manter, porque já entramos com a nota máxima. Nosso trabalho é fazer o máximo para não perder”, contextualiza ela, ciente da sua responsabilidade.

A música sempre foi minha companheira.
Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
Tudo que Thaís sabe e propaga hoje ela aprendeu dentro da Rocinha.

A relação com o samba vem de berço: a mãe foi passista e componente de ala, uma tia e a madrinha foram passistas, um tio é músico, a irmã é ritmista e uma outra tia, que antes foi passista, hoje também toca um instrumento. Estar cercada pelos batuques e cores da folia fez com que Thais criasse uma intensa relação de cura com a música.

“A música me ajuda muito. Eu não gosto de ficar sozinha, e às vezes quando isso acontece já coloco um desfile para ver, já penso numa bossa diferente para a bateria, gravo e vou nessa”, conta. E completa: “A música sempre foi minha companheira. No ano passado, fiz mais de 20 músicas”, e explica que as composições acontecem principalmente nas madrugadas ou em momentos de cabeça cheia.

Só quem passa o ano inteiro ensaiando, trabalhando, sabe que o desfile é a concretização do trabalho de um ano inteiro.
Valda Nogueira/Especial para o HuffPost Brasil
“Não adianta eu chegar lá só para aparecer. Se não tiver de corpo e alma, não rola, é artificial."

Referências para as meninas que chegam agora na comunidade, Thais diz que não esperava tanto reconhecimento, mas que fica feliz. Toda essa relação com o Carnaval, a música e o ritmo ela define em uma só palavra: amor.

 “Não adianta eu chegar lá só para aparecer. Se não tiver de corpo e alma, não rola, é artificial. Só quem passa o ano inteiro ensaiando, trabalhando, sabe que o desfile é a concretização do trabalho de um ano inteiro e é uma realização quando chegamos na avenida. É muita coisa que passamos sem deixar a peteca cair, então não é fácil.”

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto: Lola Ferreira

Imagem: Valda Nogueira

Edição: Andréa Martinelli

Figurino: C&A

Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC

O HuffPost Brasil lançou o projeto Todo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo. Se você quiser compartilhar sua história com a gente, envie um e-mail para editor@huffpostbrasil.com com assunto “Todo Dia Delas” ou fale por inbox na nossa página no Facebook.

Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Verizon Media Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC.