NOTÍCIAS
18/05/2020 07:27 -03 | Atualizado 18/05/2020 07:36 -03

Pelo menos 6 estados e o DF tentam mapear contágio do coronavírus com testes rápidos

Levantamento do HuffPost mostra como unidades da federação estão testando suas populações; OMS alerta para o uso do exame como base para “passaportes de imunidade”.

Enquanto os casos de infectados e de mortes confirmadas por covid-19avançam no Brasil, pelo menos 7 unidades da Federação têm aplicado testes rápidos de imunidade para a população em geral ou realizado inquéritos sorológicos, segundo levantamento do HuffPost Brasil junto a secretarias de Saúde estaduais. Embora ainda haja dúvidas sobre como se adquire a imunidade ao novo coronavírus, esses exames podem ser usados para flexibilizar medidas de isolamento social.

Dos 5 estados com maior número de mortes, São Paulo, Rio de Janeiro e Amazonas já estabeleceram algum tipo de testagem em massa. Rio Grande do Sul, Goiás, Espírito Santo e o Distrito Federal também adotaram ações semelhantes para tentar mapear o contágio.

Chamado de “teste rápido”, esse exame sorológico detecta se o corpo produziu anticorpos para o novo coronavírus ou não. Os anticorpos começam a aparecer a partir do 7º dia de infecção, em níveis baixos, mas resultados mais precisos só são possíveis duas semanas após a infecção. Quem tiver em mãos um resultado falso negativo pode se sentir motivado a flexibilizar o isolamento social, por exemplo.

Criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, a restrição de circulação de pessoas é adotada para frear o ritmo de contaminação do vírus e evitar um colapso do sistema de saúde. Cidades em estados como Amazonas, Ceará, Pernambuco e Rio de Janeiro já atingiram o limite de ocupação dos leitos em hospitais. 

Outra possibilidade de resultado errado é o falso positivo, uma vez que o teste pode detectar o anticorpo para um vírus parecido com o Sars-CoV-2.

Nota técnica publicada em 14 de abril pelo Ministério da Saúde recomenda a aplicação de testes rápidos apenas para profissionais da saúde e da segurança e para idosos. De acordo com painel da pasta, até 11 de maio, foram distribuídas 5.357.470 unidades aos estados.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou que esse tipo de exame deve ser usado com cautela e que não devem servir de base para adotar os chamados “passaportes de imunidade” - uma espécie de “passe” para liberar do isolamento quem já foi imunizado. “Não há evidência de que as pessoas que se recuperaram do novo coronavírus e que têm anticorpos estejam imunes a uma segunda infecção da doença”, informou a organização, em comunicado divulgado em 25 de abril.

“Muitos dos estudos mostraram que as pessoas que se recuperaram da infecção têm anticorpos para o vírus. No entanto, alguns deles têm níveis extremamente baixos de anticorpos neutralizantes no sangue. Em 24 de abril de 2020, nenhum estudo avaliou se a presença de anticorpos da Sars-CoV-2 pode dar imunidade a uma infecção subsequente em humanos”, detalhou a OMS.

Em entrevista ao HuffPost Brasil, a professora de virologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Clarissa Damasco também apontou limitações à ideia de um teste que garanta que a pessoa está imune ao novo coronavírus e pode voltar ao trabalho. “Esse passaporte da imunidade é uma coisa muito forte. Ninguém tem como virar para o indivíduo e dar garantia de que está imune. Não há estudo para isso ainda. Isso é concordância geral entre os pesquisadores”, afirma. 

Com base no que se sabe de outros vírus, a tendência é que uma segunda infecção seja mais branda, porque o organismo vai ter algum nível de anticorpo, mas ainda não há certeza se isso vai acontecer com o novo coronavírus.

Veja abaixo como os estados estão fazendo seus mapeamentos.

Anadolu Agency via Getty Images
Nota do Ministério da Saúde recomenda teste rápido apenas para profissionais de saúde e de segurança e idosos.

Unidades com testagem em massa

Rio de Janeiro

Com UTIs lotadas e segundo estado em número de mortes – 2.715 até este domingo (17) –, o Rio de Janeiro conduz uma pesquisa que prevê a coleta de 1.800 amostras de pessoas assintomáticas entre 30 de abril e 15 de maio. 

De acordo com a Secretaria de Saúde do Rio, serão testados pacientes sem sintomas de covid-19 que derem entrada em unidades da rede estadual na região metropolitana. O secretário Edmar Santos afirmou que as conclusões da pesquisa nortearão a elaboração de políticas públicas.

“Os indicadores também vão reforçar nossa recomendação de isolamento social. Pessoas saudáveis em áreas epidêmicas podem estar infectadas e contaminando outras, mesmo sem saberem. Num segundo momento, vamos correlacionar a prevalência do vírus no estado com fatores demográficos e socioeconômicos para direcionar estratégias personalizadas para cada região”, disse Santos em nota.

São Paulo

Estado com maior número de mortes causadas pelo novo coronavírus – 4.782 até domingo –, São Paulo também adotou exames de imunidade. A primeira fase do levantamento, iniciada na última sexta, prevê aplicação de cerca de 1 milhão de testes rápidos, segundo o Instituto Butantã. Desse total, 500 mil comprados pelo instituto, com R$ 30 milhões. Os demais vieram do Ministério da Saúde.

O teste rápido será indicado para pessoas que manifestaram sinais leves da doença, após 14 dias do fim dos sintomas, de acordo com o instituto. A organização também informou que os exames serão aplicados em pessoas que estiveram com pacientes de covid-19 mas permaneceram assintomáticas por mais de 14 dias. 

Haverá acompanhamentos específicos da transmissão do coronavírus, por meio de testes rápidos e do tipo ELISA, “em cortes populacionais definidos juntamente com os municípios”, segundo o instituto. Esse segundo tipo de teste tem uma sensibilidade maior, mas são mais caros e demoram mais tempo para serem processados.

Amazonas

Primeiro estado em que o SUS (sistema único de saúde) entrou em colapso, o Amazonas vem aplicando testes rápidos nas unidades de saúde da capital e do interior e também no programa de testagem rápida para servidores da saúde e de segurança. Até 12 de maio, foram aplicados 7.661 unidades, segundo a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). Também no topo da lista do número de vítimas fatais, foram confirmados 1.413 óbitos causados pela covid-19 no Amazonas neste domingo. 

Distrito Federal

Desde 21 de abril, o Distrito Federal tem aplicados testes rápidos para população em um esquema de drive thru dividido por regiões. Segundo a Secretaria de Saúde do DF, até 11 de maio, foram aplicadas 59.378 unidades. O teste é exclusivo para pessoas sintomáticas ou que tenham histórico de contato com algum caso confirmado e moram com idosos.

Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto em 22 de abril, o governador Ibaneis Rocha (MDB) afirmou que o ministério da Saúde disponibilizou 21 mil testes rápidos para o DF.

Goiás

Moradores de 8 cidades de Goiás estão incluídos em inquéritos soroepidemiológicos, de acordo com a Secretaria de Saúde do estado. As coletas começaram em 7 de maio em Aparecida de Goiânia. Dois dias depois, foi a vez de Goiânia. Serão aplicados um total de até 30 mil testes, por meio de sorteio aleatório, de acordo com a pasta. Os exames “serão utilizados para avaliar a taxa de transmissão na população e avaliar as medidas adotadas de distanciamento social”, disse a secretaria, em nota ao HuffPost Brasil. 

Espírito Santo

Nos últimos dias, também foi iniciado um inquérito sorológico no Espírito Santo que prevê 4 etapas em 27 municípios e segue metodologia do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “Teremos um panorama epidemiológico de como a doença se espalhou e quantas pessoas já foram infectadas, e isso ajudará a planejar ações de combate a epidemia com mais ou menos restrições à aglomeração e movimentação de pessoas”, disse o subsecretário de Vigilância em Saúde do estado, Luiz Carlos Reblin.

Com meta de entrevistar 5.800 pessoas em 19 municípios, a primeira fase foi feita entre 13 e 15 de maio. Os 11 municípios com a maior população farão parte das quatro etapas, com pesquisas a cada 15 dias. Já as cidades com menor densidade populacional (16) se alternam a cada 30 dias. A segunda etapa está prevista para o período de 31 de maio a 2 de junho; a terceira, de 17 a 19 de junho; e a quarta, de 4 a 6 de julho.

Em cada etapa serão testadas cerca de oito mil amostras, totalizando, aproximadamente, 32 mil testes, segundo a secretaria. Além da coleta de amostras, será aplicado um questionário, preenchido eletronicamente por celulares cedidos pelo IBGE. No caso de o paciente sorteado para entrevista testar positivo, os demais moradores do domicílio serão examinados – mas a notificação para o inquérito será apenas do entrevistado. 

Rio Grande do Sul

Um dos pioneiros no amplo uso de testes rápidos no Brasil, o Rio Grande do Sul começou em 14 de maio a distribuição de um lote de 135 mil unidades, totalizando mais de 243 mil de exames deste tipo.

O estado também conduz um inquérito sorológico local, coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A primeira etapa, com 4.189 pessoas, realizada entre 11 e 13 de abril, concluiu que a taxa de contaminação pode ser até 15 vezes maior do que a oficial. O mesmo levantamento, em conjunto com o IBGE, será feito em escala nacional, financiado pelo Ministério da Saúde.

 

Outros estados

Acre

Até 5 de maio, o Acre realizou 177 testes rápidos, sendo o grupo prioritário profissionais de saúde e de segurança, idosos que residam em instituição de longa permanência e idosos com comorbidades, de acordo com a secretaria estadual. Segundo a pasta, foram repassadas 10.560 unidades desse tipo de exame pelo ministério. “A testagem, tanto RT-PCR quanto a sorológica, serve para embasar as autoridades no planejamento adequado das medidas de isolamento, pois demonstra a realidade do comportamento da doença e o perfil epidemiológico”, disse a secretaria, em nota.

Maranhão

Primeiro estado com cidades a adotarem o lockdown, o Maranhão prevê a aplicação de 50 mil testes de imunidade, mas a partir de junho. “Não nesse momento, mas a gente vai fazer uma testagem em massa da população para saber o percentual que já tem imunidade, para então poder planejar o mundo pós-pandemia. Ultrapassando o pico, saber como a gente vai ter condição de sair de forma segura”, disse o secretário de Saúde do estado, Carlos Lula, ao HuffPost Brasil.

De acordo com ele, “se tudo surgir conforme o planejado, a gente vai ter um mês de maio muito difícil, mas uma diminuição de casos a partir de junho. Pelo menos é a projeção da nossa área técnica. Acontecendo isso, a partir de junho já pode fazer essa aplicação dos testes”.

Questionado sobre as limitações dos resultados dos exames, Lula disse que “não há certeza”, mas que também não há certeza sobre reinfecção. “Se a gente tiver teste positivo, quer dizer que, em tese, o corpo já criou anticorpo para a doença e essas pessoas vão paulatinamente poder voltar [ao trabalho]. A gente vai seguir um pouco o que já está sendo seguido na Europa e em outros países. A gente tem condições de olhar para eles e ver como estão se saindo. Se isso vai dar certo no fim das contas”, disse. 

Mato Grosso

No Mato Grosso, a Secretaria de Saúde informou que recebeu 29.040 testes rápidos e que orientou que a aplicação do exame seja feita em profissionais da saúde e da segurança, “mas fica a critério do município a definição do público-alvo”. “No momento, o teste rápido não tem como objetivo embasar medida de flexibilização de isolamento social”, de acordo com a pasta.

Mato Grosso do Sul

Assim como outros estados, a Secretaria de Saúde do Mato Grosso do Sul informou que segue “a orientação do Ministério da Saúde de aplicar os testes rápidos apenas para profissionais da saúde e da segurança” e que tinha 13 mil testes até a última semana.

Pará

Uma das unidades da Federação com cidades que aderiram ao lockdown, o Pará informou que os testes rápidos repassados pelo ministério – 32.920 kits até 12 de maio – foram distribuídos na rede de saúde estadual e municipal para serem utilizados exclusivamente em profissionais da área, agentes de segurança pública, além de portadores de condições de saúde crônicas e idosos sintomáticos. 

Paraíba

Na Paraíba, não há aplicação de teste para imunização de rebanho nem previsão de flexibilização do isolamento social, de acordo com a assessoria da secretaria de saúde estadual. A pasta informou que foram adquiridos 210 mil testes e 45 mil foram distribuídos nos 223 municípios, “para utilizar com pacientes que apresentaram sintomas gripais” a partir do 8º dia de início dos sintomas.

Pernambuco

Um dos cinco estados mais afetados pela crise sanitária e com mais mortes (1.516 até domingo), Pernambuco informou que encaminhou 90 mil testes rápidos para os municípios, que foram enviados pelo ministério e devem ser disponibilizados para profissionais de saúde ou segurança que apresentaram sintomas gripais e pessoas com quem tiveram contato e também estão sintomáticos. 

Rio Grande do Norte 

Até 12 de maio, o Rio Grande do Norte aplicou 2.148 testes rápidos, de acordo com a secretaria de saúde estadual. O estado recebeu mais de 50 mil testes e distribuiu 10 mil aos municípios. Em nota, a pasta afirmou que os exames ”não serão utilizados para embasar medida de flexibilização”. 

Quanto ao público em que está sendo aplicado, a secretaria informou que “cada município é responsável por definir suas estratégias de onde aplicar os testes, mas a aplicação segue as recomendações do Ministério da Saúde, de serem realizados testes em idosos, profissionais da saúde, profissionais da segurança”.

Sergipe

No Sergipe, a aplicação também está restrita aos grupos citados na nota do ministério. Será feita uma parceria com a Universidade Federal de Sergipe para aplicar “em todos os profissionais que atuam na linha de frente da covid-19”, segundo a secretaria de saúde, mas “ainda não há prazo” para a iniciativa.

Tocantins

O Tocantins recebeu do ministério e disponibilizou mais de 16 mil testes rápidos para os 139 municípios que estão sendo utilizados seguindo os protocolos e avaliações médicas, de acordo com a secretaria de saúde do estado. Em nota, a pasta afirmou que estão sendo aplicados “para a sociedade em geral”.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost