COMIDA
10/08/2019 02:00 -03

'Suor de carne': Especialistas dizem que, sim, é possível

Por que seu corpo transpira quando você come muita proteína

Brad McGinty

Você saiu de mais um churrasco com os amigos e comeu quilos de carne. Aí começa a sentir. Gotas de suor se acumulam nas sobrancelhas. Depois nas costas. Mas calma. Você não está no sol nem está fazendo tanto calor. O que está acontecendo?

Você está suando carne.

Suar carne: existe mesmo?

“É uma reação física depois de comer grandes quantidades de proteína”, diz Brunilda Nazario ao HuffPost. Nazario é endocrinologista e diretora médica associada do WebMD. Ela acredita que suar carne é real. (Para conhecer a ciência por trás do fenômeno, confira os estudos sobre termogênese da proteína e os efeitos térmicos da comida.) “Converse com qualquer pessoa que tenha passado por isso e todos vão dizer: ‘Sim, é real’.”

Adam Perry Lang, autor de livros de receitas de churrasco e dono do recém-aberto APL Restaurant), um templo da carne em Los Angeles, concorda. Mas ele também acredita no efeito mental.

“Talvez num nível psicológico seja algo primordial”, diz Lang ao HuffPost. “É muita adrenalina, você fica empolgado na hora de atacar a carne.” Considerando que seu restaurante serve mais de 150 bifes gigantes todos os dias, é compreensível a expectativa sentida pelos clientes. Mas ele admite que o suor também tem razões físicas. “E depois tem a digestão”, sugere Lang.

Outra pessoa que compartilha dessa opinião é Crazy Legs Conti, um comedor competitivo lendário que hoje está na 30ª posição no ranking da Major League Eating. Ele participou dez vezes do tradicional concurso de comer hot-dogs realizado no dia 4 de julho, então conhece bem o que acontece depois de ingerir muita proteína em pouco tempo.

“Parte do suor tem a ver com a atividade aeróbica”, diz Conti. “[O comedor competitivo] Joey Chestnut parece o Trombone Shorty tocando trompete – muitos movimentos para cima e para baixo – e você vai acabar suando.” Mas até mesmo quem não come por esporte transpira bastante. É por isso que Conti diz que alguma coisa está acontecendo com seu organismo. “Suar carne tem menos a ver com a transpiração de um atleta, e mais com: ‘Estou purificando meu estômago e minha alma, e o veículo é o hot dog’. E, quanto mais você come, mais sai do seu corpo. Você fica encharcado.”

É mais que o suor; é uma jornada.

Mesmo que você não esteja “purificando o estômago e a alma” em uma competição de comer hot dogs, dá para suar por causa de carne. E o tipo de suor parece ser universal. Perry Lang, que não é comedor competitivo, mas consome carne quase todos os dias, explica o que sente. “Não é [suor sob] os braços. “É uma experiência de corpo inteiro, não uma área específica. Você se sente cheio. É uma coisa do corpo todo.”

Conti, que tem uma verve filosófica, descreve a experiência usando  linguagem mais florida. “Suar carne é uma coisa muito pessoal. O efeito depende do tipo de carne e de quem come. Para mim, é uma coisa de corpo inteiro ― é quase uma jornada psicodélica. Você não sabe onde está suando, mas sabe o que está acontecendo. Nas axilas, atrás do joelho. Quando seu cotovelo está suando, sabe que alcançou o nirvana do suor de carne.”

Como seu corpo, sua carne. 

Embora seja divertido pensar em suar carne como uma experiência psicodélica, a explicação do fenômeno é muito mais simples. “O ato de comer gasta energia e, dependendo do que se come, você pode queimar diferentes quantidades de energia”, afirma Nazario. “Quando você vai à academia, está queimando calorias. Quando come carne, também queima calorias. É o que acontece quando você sua carne. Alguns alimentos queimam mais calorias do que outros.”

Proteínas queimam muitas calorias. “Para digeri-las e processá-las, seu corpo terá de queimar muito mais calorias em comparação com, digamos, carboidratos ou gordura”, diz ela. “Quando você consome grandes quantidades de proteína, pode acabar suando. Você está queimando calorias quase como se estivesse na academia.” 

Nazario diz que as diretrizes nutricionais recomendam que as proteínas sejam entre 10% e 35% de suas calorias ingeridas diariamente. Uma porção de proteína tem tamanho da palma da sua mão. Imagine um prato cheio de carne e linguiça – não é difícil comer tudo em uma única refeição. Quando isso acontece, seu corpo passa por termogênese alimentar, que literalmente te esquenta para quebrar toda essa proteína.

Quando você começa a suar carne, os efeitos colaterais são tipicamente desconforto e a necessidade de trocar de camiseta. Mas estudos sugerem que você também pode usar o efeito termogênico a seu favor. Consumir uma dieta rica em proteínas, ao mesmo tempo restringindo a ingestão calórica geral, pode ajudar acelerar a perda de peso e gordura. Um desses estudos, conduzido pela Harvard School of Public Health, também aponta que “estudos rigorosos de prazo mais longo são necessários para investigar os efeitos de dietas ricas em proteínas na perda de peso e manutenção do peso.” Portanto, não se alimente só de carne na tentativa de perder peso.

Para não suar carne.

Para não suar carne, a receita é simples: coma menos proteína. Mas como isso não tem graça, Nazario disse que distribuir o consumo ao longo de algumas horas pode ajudar. Se esse suor acontece com frequência, nossa especialista médica disse que pode ser um alerta. “Talvez seja o caso de exercitar-se mais e aumentar sua capacidade cardiovascular”, afirma Nazario.

Se você for incapaz de não suar carne, da próxima vez que seus cotovelos estiverem pingando, lembre do conselho de Conti, mesmo que não seja nada científico: “O corpo é um instrumento incrível da consciência humana, e nosso estômago pode ficar cheio, mas isso nunca acontece com a mente. O jogo mental para superar esse suor acontece em algum lugar entre o lobo frontal e o hipotálamo, não entre o esôfago e o intestino delgado. ”

Lembre-se sempre: a mente pode dominar o suor de carne.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.