NOTÍCIAS
14/05/2019 17:02 -03 | Atualizado 14/05/2019 17:02 -03

Governo cancela evento da ONU no Brasil sobre mudanças climáticas

Semana do Clima é reunião preparatória para a Cop-25 e apresenta ações contra aquecimento global.

YASUYOSHI CHIBA via Getty Images

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiu cancelar um evento da ONU em Salvador que discutiria temas relacionados ao aquecimentoglobal  em agosto, em preparação para a Conferência do Clima (COP-25), que ocorrerá no Chile em dezembro.

Segundo o ministro, “não fazia sentido” para o Brasil organizar o evento. Ao site G1, ele disse que a reunião seria apenas uma oportunidade para o grupo “fazer turismo” e “comer acarajé”. 

A edição latino-americana e caribenha da Semana do Clima, que aconteceria entre 19 e 23 de agosto, é o primeiro passo para a organização da COP-25 - que inicialmente seria realizada no Brasil.

No fim de novembro, ainda no governo Temer, o Itamaraty anunciou que o País havia desistido de sediar a conferência global alegando dificuldades orçamentárias. Dias depois, o então presidente eleito Jair Bolsonaro disse que tinha tido participação na decisão e que o Brasil poderia ser “constrangido” a tomar posições se o evento ocorresse no País.

Durante a campanha, Bolsonaro defendeu que o Brasil deixasse o Acordo de Paris, mas, em janeiro, Salles disse que “por ora”, o País não sairia do compromisso global.

“Não vamos ser os anfitriões da COP-25. É uma decisão clara, matemática, como dois e dois são quatro”, disse o ministro em entrevista ao G1.

A Prefeitura de Salvador informou que o evento havia sido confirmado no ano passado, ainda durante a gestão do governo Michel Temer. 

De acordo com o secretário municipal de Sustentabilidade, André Fraga, o cancelamento não surpreendeu.

“O cancelamento não foi uma surpresa, mas a confirmação de uma postura desse governo com relação às mudanças climáticas. É importante dizer que a Semana do Clima não custaria nenhum centavo para o governo federal. Todo o custo é bancado pela ONU”, disse Fraga ao Globo.

“A prefeitura de Salvador estava cedendo a sede e trabalhando na organização. Eu vinha fazendo duas reuniões por semana com a equipe de clima da ONU para pensar o evento.”

Todos os anos, líderes de Estado reúnem-se durante a Conferência do Clima para negociar acordos sobre o meio ambiente. Mas é na Semana do Clima, meses antes, que ocorrem o diálogos entre as prefeituras e os governos estaduais de diversos países.

Também há a participação de empresas que apresentam tecnologias voltadas a diminuição de emissão de poluentes, fontes de energia renováveis e alternativas para a agricultura sustentável.

Na última edição latino-americana, 630 participantes de 67 países se reuniram em Montevidéu.

Em nota, a UNFCCC (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima) lamentou a decisão do governo brasileiro e disse estar buscando outras opções de cidades na região para recepcionar o evento. 

“A UNFCCC não irá emitir um comunicado oficial até que recebamos uma notificação por escrito tratando do pedido de confirmação de sediar enviado anteriormente”, diz o texto, publicado pelo jornal O Globo.