Saladas se tornam a grande tendência gastronômica em 2020

Sim, o prato mais leve está com tudo neste início de ano!
Saladas estão em alta em aplicativos de delivery.
Saladas estão em alta em aplicativos de delivery.

Acredite se quiser: a salada foi considerada uma das maiores tendências gastronômicas para 2020, segundo o aplicativo de delivery Uber Eats. Em um relatório de tendências para o Brasil e América Latina, o app informou que as refeições saudáveis, vegetarianas e veganas são as mais buscadas no momento.

Pela primeira vez, a campeã de buscas no app em todo o Brasil foi a salada. O relatório aponta duas fortes razões para isso: a época do ano (uma vez que o verão pede uma refeição leve e mais refrescante) e o crescimento da população vegetariana nos grandes centros urbanos ― público que, normalmente, tende a valorizar ingredientes de origem vegetal e alimentos orgânicos.

Apesar de a pesquisa ser realizada em pleno verão e baseada em buscas (e não no pedido realizado) dos usuários, os dados indicam uma tendência já bem explorada em bairros comerciais de grandes centros urbanos.

No Itaim Bibi, bairro que concentra os famosos “Faria Limers” em São Paulo, parece que a cada semana surge um novo restaurante saudável, que oferece basicamente saladas e wraps.

Com preços que vão de R$ 30 até R$ 60, existem literalmente centenas de combinações de saladas para todos os gostos ― e estômagos. Um dos mais novos restaurantes “hypados” no Itaim Bibi, o Greentable esbanja saladas nutritivas, orgânicas e bem instagramáveis ― um requisito fundamental para atrair a Geração Z.

Por lá, uma salada com mix de folhas verdes, avocado, cogumelos, beterraba, tomate cereja, acompanhada de um frango “muito orgânico” e de uma fatia de berinjela assada pode custar cerca de R$ 55. Para bebericar, você pode adquirir por R$ 5 um “open” de águas saborizadas ― água adicionada de rodelas de laranja, hortelã, pedaços de morango, melancia, entre outras frutas.

Apesar do preço, o restaurante é bastante disputado entre os trabalhadores do bairro, na zona oeste de São Paulo, principalmente no horário do almoço de segundas a sextas-feiras.

E ele não é o único. O Joy Juice, que também fica nas redondezas do Itaim, vive lotado e com filas que ultrapassam as portas do restaurante. Por lá, uma salada muito bem servida, com folhas verdes, guacamole, cogumelos, frango, carne bovina ou com falafel, não sai por menos do que R$ 34. Se você acrescentar um dos sucos especiais da casa, a conta aumenta para quase R$ 50.

Ver essa foto no Instagram

Falafel or nothing by the master @idangaram 🤪🔥⚡️🌎

Uma publicação compartilhada por Joy Juice (@eatlovejoy) em

Restaurantes como Metta, Nattu, B.eat Kitchen são outros exemplos de restaurantes saudáveis que brotaram na região nos últimos 2 ou 3 anos.

Mercado saudável em alta

Tais restaurantes seguem uma tendência global indicado em 2019 pela agência de pesquisa Euromonitor. Segundo o relatório, o consumo de alimentos saudáveis no Brasil cresceu 98% nos últimos anos.

Desde 2009, o mercado de alimentação ligado à saúde e bem-estar está em expansão no País e movimenta cerca de US$ 35 bilhões por ano ― o que faz do Brasil o quarto maior mercado do mundo.

E o horizonte é de expansão. O mesmo relatório da Euromonitor enumerou algumas das maiores tendências do mercado de alimentação e, entre elas estão alimentação sem glúten, alimentação vegetariana e vegana, alimentação funcional (para otimizar treinos ou voltadas para o emagrecimento) e alimentação orgânica.

Mas o que explica esta demanda?

O estudo que mapeia o consumo e tendência no setor de alimentação Brasil Food Trends 2020, coordenado pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), também constata a “saudabilidade e bem-estar” como uma tendência no mercado brasileiro. Segundo o levantamento, ela foi alavancada por fatores como o envelhecimento da população e recentes descobertas científicas que vinculam determinadas dietas às doenças, o que fez mais pessoas buscarem um estilo de vida mais saudável.

“Aliado à maior preocupação dos consumidores com a nutrição, o consumo de produtos funcionais tem formado diferentes nichos de mercado, como, por exemplo, os de produtos benéficos ao desempenho físico e mental, para a saúde cardiovascular, saúde gastrointestinal, para melhorar o estado de ânimo (energéticos) e para relaxar, entre outros”, diz o relatório.

Salada boa é salada instagramável

Não adianta pedir uma salada apenas nutritiva. Ela tem que ser bonita e instagramável.

Um outro fator que fez a salada decolar entre as classes A e B, principalmente em centros urbanos no eixo Rio-São Paulo, foi o boom das influencers “fitness”, que esbanjam saúde, beleza e, é claro, uma alimentação saudável.

Não é difícil encontrar um bowl de salada bem atrativo no feed de qualquer uma destas influencers, que vão desde brasileiras como Bella Falconi até personagens internacionais como as Kardashians ― perceba, elas comem salada o tempo todo!

O resultado é uma associação avassaladora entre o estereótipo de “corpo perfeito” e as saladas.

Ver essa foto no Instagram

Vida em forma de comida! Como eu AMO esse lugar 🌱🥙! @maulibowls

Uma publicação compartilhada por Gabriela Pugliesi (@gabrielapugliesi) em

Essa relação é tão forte que muitas musas “fitness” se aventuraram no ramo. No início de 2019, Gabriela Pugliesi e a irmã Marcella Minelli abriram o Mauli Bowls, restaurante de alimentos saudáveis e orgânicos servidos em bowls, também no Itaim.

Por lá, saladas com mix de folhas, queijos, tomate cereja, cebola roxa, couve-flor e demais ingredientes saudáveis saem por cerca de R$ 50. Assim como os outros restaurantes citados, o Mauli vive com filas de espera.

Faça você mesmo a sua ‘trend salad’

Você não precisa necessariamente desembolsar muita grana para fazer uma salada saborosa, nutritiva e saudável. Já ensinamos por aqui como fazer duas saladas que combinam tendências gastronômicas e que são supernutritivas ― você pode saboreá-las no café da manhã, no almoço ou no jantar. Veja abaixo como fazê-las:

Salada mediterrânea para o café da manhã (1 porção)

Ingredientes

  • 2 xícaras de folhas verdes mistas
  • 1/4 xícara de tomates cereja fatiados
  • 1/4 xícara de pepino inglês fatiado
  • 1/2 avocado pequeno fatiado
  • 1 batata doce pequena cortada em fatias grossas
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de sumagre
  • 1 lata de grão-de-bico cozido. Lavar o grão-de-bico em água fresca, escorrer e secar.
  • 1 colher de chá de cada: cominho, alho em pó e chili em pó
  • 1/4 xícara de húmus de limão
  • 1 ovo grande
  • Pimenta e sal kosher a gosto
  • 1/4 xícara de cebolas marinadas (ver receita abaixo)

Como fazer

  1. Pré-aqueça o forno a 190º.
  2. Batata doce assada:Misture as fatias de batata doce com o sumagre, 1 colher de sopa de azeite e o sal kosher. Transfira para uma travessa forrada com papel manteiga e asse por 25-30 minutos, ou até ficar tenra.
  3. Grão-de-bico assado:Misture o grão-de-bico com 1 colher de sopa de azeite, o cominho, alho em pó, chili em pó e sal kosher. Transfira para uma travessa forrada com papel manteiga e asse por 30-35 minutos, até o grão-de-bico ficar dourado e crocante.
  4. Cozinhe o ovo:Ferva uma panelinha de água. Coloque o ovo na água com cuidado. Abaixe o fogo para médio e coloque o timer para 6,5 minutos. Drene a água e coloque o ovo em um banho de gelo. Deixe esfriar por dez minutos, depois descasque e corte ao meio. Tempere com sal e pimenta.
  5. Monte a salada:Espalhe húmus no fundo de uma tigela. Acrescente as folhas verdes, tomates, pepino, batata doce assada, grão-de-bico assado e espalhe as cebolas marinadas por cima. Regue a salada com a marinada que sobrou das cebolas, cerca de duas a três colheradas de sopa. Coloque o ovo cozido por cima e desfrute.

Cebolas marinadas do No Crumbs Left (1 porção)

Ingredientes

  • 1 cebola vermelha pequena em fatias finas
  • 3/4 xícara de azeite de oliva extravirgem
  • 1 colher de sopa de orégano seco
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto

Como fazer

  1. Bata o azeite, o orégano e o vinagre em uma tigela pequena.
  2. Derrame a mistura sobre as fatias de cebola em uma tigela rasa, cobrindo completamente.
  3. Deixe à temperatura ambiente (não coloque na geladeira!) por pelo menos quatro horas antes de usar (o melhor é preparar à noite e deixar até a manhã seguinte). A cebola marinada se conserva fresca por dois a três dias sem ir à geladeira.