LGBT
03/06/2019 19:08 -03 | Atualizado 03/06/2019 19:50 -03

'Rocketman', sobre Elton John, tem cenas gays censuradas na Rússia

"É um triste reflexo do mundo dividido em que vivemos e como ele ainda pode ser cruel ao não aceitar o amor entre duas pessoas."

HuffPost Brasil
"Eu de forma alguma seria conivente com essa decisão e me sinto desapontado por não ter sido informado a respeito", escreveu o ator Taron Egerton sobre censura de cenas na Rússia.

 Atenção: Este texto contém spoilers de Rocketman.

Rocketman, a elogiada cinebiografia do músico britânico e ícone LGBTElton John, tem sido exibida em versão incompleta na Rússia. De acordo com o The Guardian, todas as cenas envolvendo beijo e sexo entre homens, além de consumo de drogas, foram retiradas do longa dirigido por Dexter Fletcher.

O jornal estima que cerca de 5 minutos de filmagens foram censuradas.

A informação dos cortes veio à tona por meio de jornalistas russos. Um relato nas redes sociais que se destacou na última sexta-feira (31) foi o de Anton Dolin, um crítico de cinema russo que havia visto o filme na estreia mundial em Cannes e notou a ausência de vários trechos na versão russa.

Um dos trechos suprimidos está no trecho final do filme, quando há uma sequência de sexo entre o ator Taron Egerton, que vive John, e um fotógrafo.

“A parte mais desagradável é que a legenda final também foi removida. Desculpe, Sir Elton”, escreveu o crítico.

O letreiro citado deveria aparecer junto com os créditos, quando é revelado o que ocorreu com John e as outras personalidades após o período que o filme retrata. No original, aparece uma foto do músico com o marido David Furnish, os filhos e a informação de que os dois vivem juntos há mais de 25 anos.

De acordo com o El País, a versão russa substituiu o letreiro pela informação de que o Elton John criou uma fundação focada na luta contra o HIV e que continua trabalhando com seu parceiro musical.

Ainda na sexta, o músico britânico e os produtores da cinebiografia emitiram um comunicado conjunto condenando e lamentando os cortes. Eles informaram também que não foram avisados oficialmente sobre a medida.

″É um triste reflexo do mundo dividido em que vivemos e como ele ainda pode ser cruel ao não aceitar o amor entre duas pessoas”, diz um trecho do comunicado.

Leia o texto na íntegra: 

“Nós rejeitamos nos termos mais fortes possíveis a decisão de ceder às leis locais e censurar Rocketman para o mercado russo, uma medida que não sabíamos até hoje, que o distribuidor local havia editado certas cenas, negando ao público a oportunidade de ver o filme como foi planejado. É um triste reflexo do mundo dividido em que vivemos e como ele ainda pode ser cruel ao não aceitar o amor entre duas pessoas. Acreditamos na construção de pontes e no diálogo aberto, e continuaremos a pressionar pela derrubada de barreiras até que todas as pessoas sejam ouvidas igualmente em todo o mundo.”

 

O ator Taron Egerton também se manifestou nas redes sociais sobre a censura do filme na Rússia e afirmou estar “decepcionado”.

“Estou desanimado com a decisão feita de censurar o nosso filme para o mercado russo. Estou ainda mais decepcionado por saber disso em segunda mão, hoje, no dia do nosso lançamento nacional. Eu de forma alguma seria conivente com essa decisão e me sinto desapontado por não ter sido informado a respeito e portanto não ter a oportunidade de lutar para que não ocorresse. Amor é amor. Sem reservas.” 

 

Lei contra a propaganda gay

 

A censura de cenas de Rocketman na Rússia é decorrente da controversa “lei contra a propaganda gay”, de 2013, que veta a distribuição de material informativo que defenda os “interesses de relações sexuais não tradicionais” para menores de 18 anos - e estabelece multas e sanções administrativas. 

O objetivo da lei, que resulta no apagamento de relacionamentos LGBT em produtos culturais, é “proteger crianças de informações a que advogam pela negação dos valores da família tradicional”. 

Apesar do longa ter sido classificado na Rússia para maiores de 18 anos, a distribuidora responsável, Central Partnership, resolveu aplicar os cortes a fim de corresponder às expectativas do público mais conservador. 

À agência estatal TASS, a empresa confirmou que modificou o filme, e fez isso para “respeitar as leis russas”. O Ministério da Cultura da Rússia afirmou, por sua vez, que a decisão pelos cortes foi exclusivamente da distribuidora.

Ativista pelos direitos da comunidade LGBT, Elton John já se manifestou contra a lei que proíbe “propaganda gay”. Segundo a Reuters, em 2015, o presidente russo Vladimir Putin afirmou que estaria disposto a encontrar o músico britânico. Esse encontro ainda não ocorreu.