Comida

É isto que acontece com seu corpo quando você está de ressaca

Você é obrigado a fazer hora extra física e mental para recuperar-se depois de beber demais.

Não há como negar: acordar com uma ressaca pode ser horrível. A dor de cabeça intensa, somada a ondas aleatórias de enjoo, geralmente te leva a pensar em desistir de bebida alcoólica para sempre (ou pelo menos até o próximo fim de semana).

Mas não é apenas questão de você se sentir um lixo. Seu corpo e cérebro são obrigados a trabalhar muito mais que o normal para ajudá-lo a se recuperar depois daqueles drinques todos.

Quer saber o que realmente acontece internamente no dia após uma bebedeira? Especialistas explicam com detalhes:

Seu corpo tem muito trabalho para expelir as toxinas

Segundo Kate Dennison, médica naturopata de Los Angeles e fundadora da Los Angeles Integrative Health, a causa da ressaca não é a bebida alcoólica propriamente dita. Os sintomas de ressaca são causados pelos subprodutos da metabolização do álcool.

Quando seu corpo decompõe seus coquetéis favoritos, ele cria uma toxina chamada acetaldeído. O corpo precisa trabalhar muito para expulsar essa toxina – que, por sinal, é um carcinógeno ―, e isso gera alguns sintomas dolorosos.

Seus rins e fígado são obrigados a trabalhar em dobro

Quando entra álcool demais em seu corpo, há mais toxinas em seu organismo.
Quando entra álcool demais em seu corpo, há mais toxinas em seu organismo.

No esforço para expulsar o acetaldeído, seus rins funcionam em ritmo redobrado. Isso provoca aumento na frequência do xixi, algo que pode rapidamente levar à desidratação e à sede extrema, podendo até causar dor de cabeça e tontura.

Em outras palavras, “a ressaca é em essência o conjunto de sinais e sintomas da desidratação e uma decorrência do corpo tentando livrar-se de uma toxina, em um processo que sobrecarrega o fígado e os rins”, disse o médico osteopata Ralph E. Holsworth, do Southeast Colorado Hospital, em Springfield, Colorado.

A mucosa gástrica fica altamente irritada

E essa é a razão daquele enjoo todo pós-bebedeira e das idas muito frequentes ao banheiro.

“O álcool irrita a mucosa gástrica e desacelera o esvaziamento do estômago, o que provoca náuseas, vômito e cólicas abdominais”, disse Lantie Jorandby, diretora médica da Lakeview Health, centro de diagnóstico e tratamento de dependências químicas em Jacksonville, Flórida.

Você pode sentir ansiedade

Estudos revelam que algumas pessoas têm sua ansiedade intensificada quando bebem. Um estudo publicado em 2012 constatou que 7,4% das pessoas que sofrem uma ressaca têm a ansiedade como um de seus sintomas. Outras pesquisas sugerem que o consumo de grandes doses de álcool “piora o estado de humor, perturba o sono, intensifica a ansiedade” e produz sintomas físicos e emocionais na manhã seguinte. Finalmente, um estudo de 2015 concluiu que muitas pessoas que bebem socialmente sentem vergonha, culpa e constrangimento depois de um período passado bebendo.

Você tem uma inflamação

Jorandby disse que o álcool desencadeia inflamação no corpo, algo que também pode levar àqueles sintomas como cefaleias. Anti-inflamatórios podem ajudar até certo ponto, mas seja prudente ao escolher quais vai tomar. Evite o acetaminafeno (paracetamol), também conhecido como Tylenol.

“O Tylenol já é tóxico para o fígado em certas doses. Quando isso é somado ao álcool residual ainda presente no corpo, pode ser perigoso”, disse Jorandby.

“À medida que as pessoas envelhecem, seu corpo leva mais tempo para processar tudo isso, porque tem menos recursos disponíveis.”

Talvez seja possível envelhecermos como um bom vinho – de todas as maneiras menos no que concerne às ressacas.

À medida que uma pessoa vai envelhecendo, seu corpo tem mais dificuldade em recuperar-se de bebedeiras. A partir dos 30 anos ou um pouco antes disso, temos mais dificuldade em superar uma ressaca. A razão disso não é totalmente entendida, mas alguns acreditam que esteja relacionada à velocidade em que o corpo consegue processar as coisas que consumimos.

“As ressacas ficam piores quando vamos ficando mais velhos, porque cada vez que bebemos álcool vamos esgotando recursos vitais do corpo que nos ajudam a decompor e processar o álcool”, explicou Christopher Roselle, doutorando e especialista celular na Universidade da Pensilvânia que estuda a imunologia oncológica.

“Basicamente, cada vez que bebemos álcool, usamos munição para nos defender contra as toxinas criadas pelo álcool. Com o passar do tempo, nossa munição vai se esgotando”, disse Roselle. “Por isso, com o tempo, nossas defesas se enfraquecem e nosso corpo se torna menos capaz de defender-se contra a ressaca.”

No caso em pauta, a munição seriam os antioxidantes, as enzimas e os aminoácidos encontrados no fígado, necessários para a metabolização do álcool.

“À medida que envelhecemos, vamos liberando concentrações menores de enzimas hepáticas. Isso prolonga o processo e aumenta a duração da ressaca”, explicou a nutricionista Leigh Renwick, do Copeman Healthcare Center, em Vancouver.

Como reduzir a dor da ressaca

Se você está lidando com a dor de uma ressaca, existem algumas maneiras de reduzir a dor e algumas dicas para guardar em mente para ocasiões futuras. Siga os seguintes conselhos:

Primeiro, beba com moderação

A resposta óbvia aqui é prestar atenção a quanto álcool você vai consumir no futuro. O consumo social de álcool pode converter-se em consumo exagerado em menos tempo do que muitos pensamos. A melhor maneira de evitar uma ressaca é prestar atenção a quanto você bebe. E, se você não consegue controlar quantos drinques toma, existem serviços e organizações que podem ajudar. Tudo bem buscar tratamento ou assistência de terceiros – você merece viver feliz e saudável.

Quando for beber, limite-se a determinadas bebidas

“Evite as bebidas alcoólicas de cor mais escura, incluindo o uísque e os vinhos tintos. Bebidas de cor mais clara, como gin e vodca, possuem menos congêneres [subprodutos do álcool] ou metabólitos do metanol, que tendem a exacerbar os sintomas da ressaca”, disse Jorandby.

Para Renwick, também vale a pena “evitar as bebidas alcoólicas com açúcar ou os coquetéis, que podem provocar uma queda no nível de açúcar no sangue e irritar a mucosa do estômago, gerando uma ressaca pior”.

Tome muita água, até mais do que você imagina que precisa

Como a desidratação exerce um papel tão grande, os especialistas concordam que a melhor maneira de reduzir a probabilidade de uma ressaca é tomar água para se conservar hidratado e diluir o nível de álcool em seu sangue.

A nutricionista Marissa Meshulam, de Nova York, recomenda que as pessoas tomem água entre um drinque e outro.

“Faça um favor a si mesmo e se mantenha hidratado. Você já percebeu que os bares sempre servem um copo de água acompanhando seu drinque? Aproveite o ensejo e procure beber tanta água quanto toma bebida alcoólica. Sua cabeça vai lhe agradecer mais tarde”, ela recomendou.

Nada de pular uma refeição

Meshulam sugeriu que antes de sair para beber as pessoas façam “uma refeição balanceada, com proteínas, gorduras e carboidratos com alto teor de fibras”.

Denniston recomendou incluir na refeição alguns alimentos com alto teor de nutrientes. “Experimente alimentos ricos em flavonoides, como frutinhas vermelhas, salsinha, frutas cítricas e batata doce”, ela aconselhou.

Um pouquinho de cafeína cai bem

“A cafeína não cura uma ressaca, mas vai te ajudar a ficar mais alerta e combater a névoa mental. Mas não exagere na dose, porque a cafeína também pode te desidratar”, disse Jorandby. Em outras palavras, não substitua a água que você deve tomar por café.

Mantenha distância de mais álcool

Sinto lhe dizer, mas tomar um drinque no dia seguinte não vai ajudar a curar sua ressaca. Não vai melhorar seus sintomas no momento e pode alimentar uma situação mais perigosa no longo prazo.

“Não caia na armadilha de tomar mais álcool para tentar curar-se de uma ressaca”, disse Jorandby. “Vai virar um ciclo vicioso e pode acabar levando à dependência.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.