OPINIÃO
29/04/2020 15:01 -03 | Atualizado 29/04/2020 15:01 -03

'Resgate' acerta em cheio no tiro, porrada e bomba, já no resto, erra feio

Filme dirigido pelo ex-dublê Sam Hargrave é atualmente a produção mais vista no catálogo da Netflix no Brasil.

Desde que estreou no catálogo da Netflix, no dia 24 de março, Resgate está no topo das produções mais vistas da plataforma de streaming no Brasil por algumas razões. A primeira é, claro, a grife de seu protagonista, o ator australiano Chris Hemsworth, mais conhecido como o Thor do MCU (universo cinematográfico Marvel).

Mas esse não é o maior motivo do sucesso de Resgate, que, na verdade, advém da falta de grandes lançamentos nos cinemas por conta da pandemia do coronavírus. Uma realidade devastadora para a indústria do cinema que deixou bilhões de fãs carentes de filmes novos para assistir.

Dito isso, seria Resgate apenas uma produção de ação no lugar certo e na hora certa? Em partes, sim. Mas o filme dirigido pelo ex-dublê Sam Hargrave tem suas qualidades. Principalmente aquelas ligadas diretamente à sua expertise: as sequências de ação.

Depois que a franquia Bourne revolucionou o jeito que se filma ação e outra franquia de grande sucesso, a de John Wick, elevou as lutas e tiroteios coreografados à enésima potência, é cada vez mais difícil inovar nessa seara.

Não que Hargrave tenha inventado a roda em Resgate, mas sua porção “tiro, porrada e bomba” é, de longe, o ponto alto da produção. Um filme com cara de lançamento Netflix que se tivesse estreado nos cinemas no mundo pré-covid 19, não ganharia lá muita notoriedade e logo cairia no esquecimento.

Divulgação
Luta entre Tyler (Chris Hemsworth) e Saju (Randeep Hooda) nas ruas caóticas de Dhaka.

Ironicamente, a parte ruim de Resgate recai sobre os ombros dos irmãos Joe e Anthony Russo, roteiristas e diretores de duas das melhores aventuras do Capitão América no cinema (Capitão América 2 - O Soldado Invernal e Capitão América: Guerra Civil) e dos dois últimos filmes dos Vingadores (Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato). 

Isso porque, sem e eles, o projeto jamais existiria.

A dupla deu o aval para Hargrave saltar do status de dublê do Capitão América para o de cineasta. Além disso, o filme é uma adaptação de uma HQ escrita pelos Russo junto com Andy Parks: Ciudad (2014), que tem sua história original passada na América do Sul e até personagens brasileiros. 

Porém, a dependência dos Russo acaba prejudicando a espinha dorsal de Resgate: seu roteiro. Cheios de personagens que são verdadeiros clichês ambulantes, os diálogos escritos por Joe Russo são de uma mediocridade impressionante. Os momentos de alívio na ação, extremamente importantes para marcar o ritmo e dar mais impacto às sequências explosivas, aqui fazem o contrário do que deveriam fazer.

Divulgação
Tyler (Chris Hemsworth) e Ovi (Rudhraksh Jaiswal), uma relação muito mal desenvolvida. 

 Na trama, Ovi Mahajan (Rudhraksh Jaiswal) é o filho adolescente de um grande traficante indiano. Quando ele é sequestrado por um líder do tráfico rival, o mercenário Tyler Rake (Chris Hemsworth) é contratado para resgatá-lo de seu cárcere na cidade de Dhaka.

A história não é tão simples assim, mas se nos aprofundássemos mais nela, entraríamos em spoilers. Se bem que, sinceramente, esses spoilers não estragariam em nada a parte que realmente vale de Resgate: suas viscerais e criativas sequências de ação.

No final das contas, Resgate funciona como um bom portfólio para um diretor de segunda unidade (quele que cuida das cenas de ação), mas nunca como um bom exemplo de cineasta promissor, pois o desenvolvimento de personagens e a relação entre Tyler e Ovi são tão vazios e cheios de obviedades, que chegam a atrapalhar a experiência cinematográfica.

É um filme que rende momentos de bem divertidos para quem curte uma boa porradaria, mas que mesmo com todo o sucesso que vem fazendo entre o público da Netflix, dificilmente escapará de seu destino e cairá no esquecimento rapidinho. Mesmo nesse mundo isolado e carente de entretenimento que vivemos.   

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost