NOTÍCIAS
11/07/2020 10:52 -03

Queiroz e esposa já estão em prisão domiciliar no Rio de Janeiro

Márcia Aguiar estava foragida desde 18 de junho. Casal foi beneficiado por decisão do presidente do STJ.

Reprodução/Facebook
Márcia Aguiar e Fabrício Queiroz: casal investigado por esquema de rachadinha do gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj cumpre prisão domiciliar.

O PM aposentado Fabrício Queiroz e a esposa, Márcia Aguiar, já estão cumprindo prisão domiciliar um dia depois da decisão do presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha, que acolheu pedido da defesa nesta sexta-feira (10). Aguiar estava foragida desde 18 de junho, quando Queiroz foi descoberto e preso em Atibaia, no interior de São Paulo. Ela se entregou à polícia do Rio de Janeiro na noite de sexta e está ao lado do marido na casa deles em Taquara, na zona oeste da capital fluminense, informa a Folha de S.Paulo.

Queiroz é investigado pelo esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Queiroz, ex-assessor de Flávio, é acusado de operar devolução de salários de funcionários do gabinete, descoberto no fim de 2018, durante a operação Furna da Onça, da Lava Jato.

Relatórios do antigo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) identificaram movimentações financeiras atípicas em mais de 20 gabinetes da Alerj. Pelas contas do ex-assessor de Queiroz, passaram cerca de R$ 1,2 milhão de reais. O inquérito do Ministério Público do Rio de Janeiro aponta que ele fez depósitos na conta da esposa de Flávio e pagou até mesmo a mensalidade das filhas dele, netas do presidente Jair Bolsonaro. Depósitos foram efetuados em espécie.

Aqui estão 11 pontos que motivaram a prisão de Queiroz.Entre eles, em 2019, o PM aposentado atuou na adulteração de folhas de ponto da Alerj e também orientou envolvidos nas investigações do Ministério Público do Rio a não comparecer para depor. 

O inquérito mostra troca de mensagens entre Queiroz, Aguiar e a filha Nathália. A esposa já havia se manifestado no sentido de se esconder caso sua prisão fosse decretada.

Márcia Aguiar chegou a comparar Fabrício Queiroz a um bandido “que tá preso dando ordens aqui fora, resolvendo tudo”. Por isso, a prisão dela também havia sido decretada.

Antes da prisão em junho, Queiroz estava “sumido”, escondido num imóvel de Frederick Wassef, então advogado da família Bolsonaro. Wassef disse que o hospedou por “questões humanitárias”, pois “queriam matá-lo”.

NELSON ALMEIDA via Getty Images
Fabrício Queiroz (centro) quando foi preso em Atibaia, na casa de advogado da família Bolsonaro.

A prisão domiciliar implica a utilização de tornezeleira eletrônica e restrição na comunicação.

Levantamento do G1 mostra que em 95% dos casos turmas do STJ negam prisão domiciliar para pessoas foragidas. Por isso, muitos advogados estranharam a decisão que beneficia Aguiar.

O Ministério Público do Rio concluiu que Flávio Bolsonaro é “líder de organização criminosa”, haja vista a constatação de desvios de recursos da Alerj e as movimentações bancárias atípicas. Flávio nega as acusações.