ENTRETENIMENTO
30/04/2019 02:00 -03

5 séries para assistir se você gosta de ‘Queer Eye’

Caso você já tenha feito maratona da terceira temporada, claro.

Queer Eye  é um sucesso porque mistura vários clichês dos reality shows em um pacote muito bem construído. Com apresentadores carismáticos e foco em transformações pessoais, reformas, aulas de culinária, dicas de moda e terapia, a série da Netflix tem para tudo e para todos. 

Dito isso, essa combinação inovadora de gêneros também complica a tarefa de quem quer recomendar programas parecidos – depois de você inevitavelmente ter feito uma maratona da temporada que acabou de ser lançada.

Mas, com a ajuda de colegas do HuffPost, listo abaixo algumas séries originais que têm pelo menos alguma semelhança com Queer Eye. Talvez nada se compare a passar um tempo com Bobby Berk, Jonathan Van Ness, Antoni Porowski, Tan France e Karamo Brown, além do novo integrante do grupo, o buldogue Bruley. Mas esperamos que estas recomendações ajudem a matar o tempo até que saia a quarta temporada.

Christopher Smith/Netflix
Queer Eye, da Netfllix.

 Amazing Interiors

Netflix
Amazing Interiors, da Netflix.

Essa série é pra quem gostaria que Berk fosse ainda mais longe nas reformas das casas. Amazing Interiors destaca algumas casas por episódio; alguns projetos já foram concluídos, e você também pode acompanhar algumas transformações do começo ao fim.

Os espaços podem ficar bem bizarros. Imagine que, depois de perguntar os interesses dos participantes de Queer Eye, Berk se jogasse de cabeça em ideias atípicas, em vez de fazer uma reforma de bom gosto.

Alguns destaques são uma casa que homenageia o time de beisebol Chicago Cubs e um aquário indoor grande o suficiente para que o dono mergulhe nele. Se quiser ver casas realmente muito loucas, essa série é pra você. 

Trailer:

Tidyin Up With Marie Kondo

Netflix
Tidying Up With Marie Kondo, da Netflix.

Como a equipe de Queer Eye, a especialista em organização Marie Kondo viaja pelos Estados Unidos dando conselhos para americanos infelizes com suas casas. As transformações de Queer Eye são passivas (o participante não se envolve muito no processo), mas em Tidying Up Kondo ensina às famílias como arrumar suas casas.

Se você gosta de imagens de antes e depois, vai adorar a série. Não tem nada do drama e do teatro de Queer Eye, mas a série tem uma qualidade relaxante, porque faz a bagunça sumir.

Depois de estrear, no começo do ano, Tidying Up ficou tão popular quanto Queer Eye. Não vai ser difícil encontrar amigos com quem debater o método de organização KonMari.

Trailer:

Grace and Frankie

Ali Goldstein/Netflix
Grace and Frankie, da Netflix.

Quer uma série linda e LGBTQ para devorar rindo e chorando (provavelmente ao mesmo tempo)? Então coloque Grace and Frankie na sua lista.

A série conta a história de duas mulheres mais velhas forçadas a dividir uma casa de praia, depois que seus respectivos maridos revelam que estão apaixonados e pretendem se casar. Grace é a ex-presidente de uma empresa de cosméticos de 80 anos; Frankie, uma hippie de 70 e poucos. A série acompanha as duas e suas famílias se ajustando à nova situação.

Grace and Frankie pode não ser tão fofinha quanto “Queer Eye”, mas o humor curto e grosso é parte do charme. A série nos lembra que nunca é tarde demais para mudar completamente a nossa vida e que as verdadeiras transformações não têm a ver com roupas legais ou uma reforma na casa: elas acontecem quando você ama quem realmente é e tem as pessoas certas à sua volta.

Jolie Doggett

Trailer: 

Stay Here

Netflix
Stay Here, da Netflix.

Outra série de reformas. Em Stay Here, a decoradora Genevieve Gorder e o especialista em mercado imobiliário Peter Lorimer ajudam famílias a transformar suas casas em espaços perfeitos para aluguéis de curta duração. (A série não diz isso explicitamente, mas é basicamente um programa para transformar sua casa num Airbnb perfeito.) 

Como no trabalho de decoração de Berk em Queer Eye, as casas ficam perfeitas para o Instagram – que alguns amam, outros não aguentam mais.

A produção da série parece mais “barata” que a de Queer Eye, mas não fica muito longe do tipo de programa que passa em canais especializados em casa e decoração. (A recomendação é de Kate Auletta, que jamais disse não para uma série sobre reformas.) 

Eu achei esquisito a equipe de Stay Here transformar o albergue em que eu ficava no Brooklyn em um espaço bem atípico para o bairro, mas os quartos pareceram mais confortáveis, e o lugar com certeza vai atrair uma clientela com mais dinheiro que eu e meus amigos na época da faculdade. Então acho que melhorou?

Trailer:

 

Dating Around

Netflix
Dating Around, da Netflix.

Dating Around virou um hit oficial da Netflix. A série tem uma premissa simples: um solteiro sai com 5 pessoas pela primeira vez, mas pode escolher somente uma para um segundo encontro.

A produção tem qualidade excelente: luz, edição, cores etc. Cada encontro parece saído do cinema.

Os encontros também são combinados, de forma que tudo parece um único encontro. O personagem principal está sempre vestindo a mesma roupa e fazendo as mesmas perguntas, então as diferentes respostas se encadeiam naturalmente. (A série foi recomendada por Brittany Wong, repórter sênior de relacionamentos. Ela sabe do que está falando.)

É difícil não sorrir vendo os sorriso trocados em cada encontro. É claro que também tem muita vergonha alheia quando as coisas não dão tão certo. Não sou muito fã desse tipo de programa, mas me rendi a Dating Around.

Trailer:

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.