NOTÍCIAS
01/11/2019 19:06 -03 | Atualizado 01/11/2019 19:16 -03

Promotora que vestiu a camisa de Bolsonaro nas eleições se afasta do Caso Marielle

Fotos da promotora comemorando a vitória do presidente levantaram questionamentos sobre sua imparcialidade para investigar o caso.

A promotora Carmem Eliza Bastos de Carvalho se afastou do Caso Marielle, segundo nota divulgada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. A promotora decidiu pedir afastamento depois que fotos dela fazendo campanha para o presidente Jair Bolsonaro vieram à público.

Imagens dela com camiseta de Bolsonaro foram divulgada pelo jornalista Leandro Demori, do Intercept, no Twitter, na quinta-feira (31). No dia anterior, ela havia participado de uma coletiva de imprensa do caso, na qual o MP informou que o porteiro do condomínio em que o presidente tem residência mentiu em seu depoimento.

Aos investigadores, o porteiro disse que quem autorizou a entrada de um dos acusados de executar os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e seu motorista Anderson Gomes no condomínio foi o “Seu Jair”. Afirmou ainda que em vez de se descolar à casa do presidente, ele foi à casa de Ronnie Lessa, policial militar reformado, acusado de ter disparado contra Marielle e Anderson.

Fotos da promotora e registros de comemoração da vitória de Bolsonaro geraram uma discussão sobre a imparcialidade da promotora para investigar o caso, já que há menção ao presidente.

A nota do MPRJ, no entanto, ressalta que é função da instituição zelar pela “livre manifestação de pensamento, inclusive de seus membros”.

“Cumpre informar que, diante da repercussão relativa às postagens da promotora em suas redes sociais, a Corregedoria-Geral do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro instaurou procedimento para análise”, diz a nota.

O Ministério Público acrescenta ainda que os pais de os pais de Marielle Franco, Marinete da Silva e Antônio Francisco da Silva, e a viúva de Anderson Gomes, Agatha Arnaus Reis, defenderam a permanência de Carmen Eliza à frente do processo penal.

“No entanto, em razão dos acontecimentos recentes, que avalia terem alcançado seu ambiente familiar e de trabalho, Carmen Eliza optou voluntariamente por não mais atuar no Caso Marielle Franco e Anderson Gomes, pelas razões explicitadas em carta aberta à sociedade.”