MULHERES
29/09/2019 17:22 -03 | Atualizado 03/10/2019 18:11 -03

Por que a proposta que facilita divórcio para vítimas de violência doméstica pode demorar a ter resultados

Câmara pode concluir votação de projeto de lei, mas efeito prático da mudança depende de reorganização da Justiça.

NurPhoto via Getty Images
Em 2018, foram registrados 1.206 feminicídios no Brasil, segundo o 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

A Câmara dos Deputados pode concluir nos próximos dias a votação de um projeto de lei que facilita o acesso de vítimas de violência doméstica ao divórcio, mas a implementação da medida deve demorar a se concretizar. Isso porque ainda que a seja aprovada a lei federal, o tema depende de regulação pelos estados, a quem cabe legislar sobre a estrutura do Judiciário local. Nessa etapa, seriam feitos os ajustes necessários para viabilizar a mudança.

O texto permite que uma mulher que sofreu agressão faça o pedido de divórcio nos juizados especializados em violência doméstica. O mesmo vale para ações de separação, anulação de casamento e dissolução de união estável.

Também fica determinado que a autoridade policial que atender a vítima deverá informar os direitos garantidos pela Lei Maria da Penha, inclusive o direito à assistência judiciária para o eventual ajuizamento da ação de separação.

Em 2018, foram registrados 1.206 feminicídios no Brasil, segundo o 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Em 88,8% dos casos o autor do crime foi o companheiro ou ex-companheiro. Também foram contabilizados  263.067 lesões por violência doméstica, o equivalente a uma agressão a cada 2 minutos. 

A proposta prevê também a intervenção obrigatória do Ministério Público nas ações de família em quando há vítima de violência doméstica e estabelece prioridade de tramitação nos processos que envolverem esse tipo de crime.

Uma primeira versão do texto foi aprovada pela Câmara em março. No Senado, foram feitas alterações e o projeto de lei voltou para análise dos deputados, que podem podem aprovar a proposta nesta semana. Após essa etapa, a proposta segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Organização do Judiciário

Promotora com atuação em vara de família, Renata Rivitti, considera positivo o objetivo do projeto de lei, mas aponta desafios para implementação, quanto à adequação das varas especializadas em violência doméstica para atender às novas demandas. “Não existe hoje a menor estrutura pra isso acontecer sem uma reorganização completa”, afirmou à reportagem a promotora de justiça de Jacareí do Ministério Público de São Paulo.

Com o pedido de divórcio, vêm outras demandas judiciais, especialmente no caso em que há filhos do casal, como a divisão da guarda, o regime de visitas e a determinação de pensão alimentícia, por exemplo.

As varas de família contam com profissionais especializados para esses casos, incluindo assistentes sociais e psicólogas, tomada de depoimento especial da criança e critérios para avaliação de alienação parental, por exemplo (quando há interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente em geral para prejudicar o vínculo com o genitor).

Não existe hoje a menor estrutura pra isso acontecer sem uma reorganização completa.Renata Rivitti, promotora com atuação em vara de família

Cabe aos estados regularem essa organização do Judiciário local. Questionado pela reportagem, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou que não participou das discussões da matéria, proposta neste ano, e que “não se manifesta a respeito de projetos de lei em tramitação no Legislativo”.

O Brasil conta, atualmente, com 131 varas ou juizados especializados em casos de violência doméstica e familiar contra as mulheres, de acordo com o CNJ, em todas unidades da Federação. 

O Conselho reconhece, contudo, que essas unidades não conseguem atender toda a demanda sobre o tema, o que obriga que varas criminais comuns respondam por “parte significativa dos feitos”, de acordo com a pesquisa O Poder Judiciário no enfrentamento à violência doméstica e familiar contra as mulheres”, feita pelo CNJ junto ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e divulgada em agosto.

O estudo aponta como desafio o fato de o atendimento especializado muitas vezes se limitar às capitais ou cidades maiores. 

Há também problemas ligados a “fatores pessoais e institucionais” que levam a variações no tratamento dado a esses casos. “Alguns atores jurídicos não acreditam que o Judiciário tenha o papel de dispensar atenção especial às mulheres ou deva realizar ações próximas do que pode se chamar de ‘política pública’”, diz o estudo. 

Proteção à mulher e aos filhos 

Brazil Photos via Getty Images
A mudança também pode evitar decisões contraditórias que ocorrem hoje devido à falta de comunicação entre diferentes esferas da Justiça.

Apesar do possível desafio para viabilidade, o projeto de lei é considerado um avanço na proteção das mulheres vítimas de violência doméstica. Na avaliação de Renata Rivitti, a reunião dos pedidos em um mesmo juízo é objetivo da Lei Maria da Penha e atende ao melhor interesse da pessoa vulnerável.

“Vejo como positivo reunir, do ponto de vista teórico, num mesmo lugar, seja para facilitar o acesso da pessoa em situação de vulnerabilidade, seja porque na vara especializada para violência doméstica supõe-se que tenha pessoal treinado para aquela demanda”, afirmou a promotora

A mudança também pode evitar decisões contraditórias que ocorrem hoje devido à falta de comunicação entre diferentes esferas da Justiça. É o caso de crianças com guarda compartilhada mas cuja mãe é contemplada por medida protetiva, por exemplo. “Eventualmente o divórcio ou um pedido em relação a filhos vai decorrer daquela mesma violência em que já se pediu a medida protetiva, então é um mesmo olhar para todas as consequências jurídicas daquela violência”, disse Rivitti.

A centralização dos pedidos pode melhorar também a resolução de embates em que a mulher pede que o acesso do pai ao filho seja restrito por risco de violência e o homem alega alienação parental.

Na atuação diária em vara de família, a promotora conta que muitas vezes esse é o primeiro local em que a mulher verbaliza ter sofrido agressões. “No âmbito da [vara] família, não necessariamente a mulher que passou por uma situação de violência doméstica passou por uma delegacia. Ela simplesmente conseguiu agora relatar para justificar, por exemplo, um pedido de visitação restrita ou a guarda exclusiva”, conta.

A preocupação com os filhos é apontada por Rivitti como prioridade para essas mulheres. Numa situação de violência familiar, é muito comum que a violência volte-se a outros membros da família, não só em relação à mulher. Saber a guarda e o regime de visitas ela pode resolver de uma forma prioritária, liminar, emergencial.

Também podem ser fixadas medidas imediatas para garantir a subsistência da família, por exemplo. Apesar de permitir que o divórcio seja julgado pela vara de violência doméstica, o projeto de lei prevê que a discussão da partilha de bens não poderá feita nessa etapa.

De acordo com Rivitti, o objetivo da restrição é garantir a celeridade no rompimento do vínculo matrimonial, uma vez que a divisão de bens pode demorar e gerar um “desgaste imenso”. Dessa forma, a discussão da partilha só ocorreria em um momento em que a mulher estiver menos fragilizada. “Ela vai discutir sem estar mais casada, sem ter mais esse vinculo”, completa.