NOTÍCIAS
19/04/2019 15:44 -03 | Atualizado 19/04/2019 15:45 -03

Justiça decreta a prisão de 3 pessoas ligadas ao desabamento de Muzema, no Rio

Pelo menos 20 pessoas morreram no desabamento de dois edifícios construídos em região controlada por milícias; Três ainda estão desaparecidos.

ASSOCIATED PRESS
Desabamento deixou 20 mortos confirmados; Três moradores ainda estão desaparecidos.

A delegada Adriana Belém, titular da 16ª Delegacia de Polícia (Barra), pediu e a Justiça decretou nesta sexta-feira (19) a prisão de 3 pessoas ligadas ao desabamento dos dois edifícios na comunidade da Muzema, que já deixou 20 mortos confirmados. Três moradores ainda estão desaparecidos.

A delegada explicou que o pedido à Justiça só foi possível a partir dos depoimentos, ocorridos na quinta (18), de algumas testemunhas, que reconheceram os 3: o construtor José Bezerra Lira, o Zé do Rolo, e os vendedores Rafael Costa e Renato Ribeiro. Todos foram indiciados por homicídio doloso.

“Nós tínhamos a informação de que seriam eles. Ontem foi o nosso primeiro contato com as vítimas, que, em princípio resistiam, por motivos óbvios, mas confiaram no nosso apelo, foram lá e reconheceram. Nós pedimos a prisão desses 3, que foram efetivamente reconhecidos, como o construtor e dois vendedores”, explicou a delegada.

ASSOCIATED PRESS
Bombeiros retiram sobreviventes dos escombros do prédio que desabou em Muzema.

A Muzema é uma área na zona oeste, em Jacarepaguá, controlada por milícias, que promovem a construção irregular e ilegal de imóveis, em áreas ambientais, sem nenhuma autorização da prefeitura nem engenheiro responsável.

O solo na região é arenoso e os dois prédios desabaram no início da manhã do dia 12, poucos dias depois que uma chuvarada atingiu fortemente a cidade. 

Os edifícios não tinham autorização da prefeitura e tiveram suas obras embargadas em novembro do ano passado. 

 

Prefeitura deve demolir outros prédios na região

Na última terça-feira (16), a prefeitura do Rio disse que, assim que acabar o trabalho de resgate nos escombros dos prédios, pretende demolir três prédios no condomínio Figueiras do Itanhangá.

Segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação, serão demolidos “de imediato” os prédios ao lado da área do desabamento e o que fica logo acima deles.

Depois da derrubada, a secretaria informou que vai trabalhar para demolir todas as edificações irregulares no local, o que deve levar mais tempo, porque pode depender inclusive de decisões judiciais. Até o momento, são contabilizados 13 prédios total ou parcialmente interditados por apresentarem riscos estruturais.

Para que o salvamento pudesse ocorrer, a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação realizou o escoramento de prédios ao lado da área do desabamento, visando à segurança dos profissionais que atuam no local.