LGBT
13/07/2019 08:21 -03

Os primeiros gays casados dos Estados Unidos dizem ser a prova de que o amor vence tudo

Jack Baker e Mike McConnell obtiveram uma licença de casamento em 1971, mas o caminho não foi nada fácil.

Reprodução
Jack Baker e Mike McConnell relembram sua história à jornalista da CBS.

Jack Baker e Mike McConnell, de Minnesota, fizeram história quando obtiveram uma licença de casamento em 1971 – 42 anos antes de o casamento entre pessoas do mesmo sexo ser legalizado no seu Estado.

Em setembro passado, Baker e McConnell, ambos com mais de 70 anos, finalmente tiveram a união oficialmente reconhecida pelo Estado – depois de uma longa batalha jurídica. Quase 48 anos depois da obtenção da licença, eles descobriram em fevereiro que finalmente teriam direito aos benefícios concedidos pelo governo aos casais.

No último fim de semana, os dois homens – que se conheceram na Universidade de Oklahoma no fim dos anos 1960 e há três anos escreveram juntos o livro de memórias The Wedding Heard ’Round the World: America’s First Gay Marriage (O casamento ouvido ao redor do mundo: o primeiro casamento gay dos Estados Unidos, em tradução livre) – marcaram o mês do orgulho LGBTQ  dando uma entrevista à CBS de Minnesota.

“Em 1967 – no aniversário de Jack, na verdade – ele me pediu que eu fosse dele”, lembrou McConnell. “Eu disse: ‘Bem, se você achar um jeito de a gente se casar legalmente, me comprometo’.”

Nos idos dos anos 1970, o processo exigiu manobras jurídicas. McConnell adotou Baker legalmente, o que estabeleceu certos direitos e proteções para ambos. Baker então mudou seu nome para “Pat Lyn”, um nome ambivalente em termos de gênero, e assim eles conseguiram uma licença de casamento – porque o funcionário da repartição pública não se deu conta de que “Mike” e “Pat Lyn” não eram duas pessoas do mesmo sexo. 

Mas, quando as autoridades locais descobriram o que tinha acontecido, começou uma disputa nos tribunais. No fim das contas, o casal foi derrotado na Suprema Corte de Minnesota, e a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu não analisar o caso – apesar de ambos terem a licença de casamento original.

A história teve final feliz, entretanto. O Estado de Minnesota reconheceu o casamento de pessoas do mesmo sexo em 2013, e uma decisão da Suprema Corte de 2015 garantiu a legalidade do casamento de pessoas do mesmo sexo em todo o território americano, Na época, Baker e McConnell consideraram casar-se de novo, dessa vez numa cerimônia com reconhecimento legal. Mas eles mudaram de ideia.

“Eu disse: ‘Não, já somos casados’. Para começo de conversa, casar duas vezes é ilegal”, disse Baker à CBS. “Você não pode obter uma segunda licença até que um tribunal invalide a primeira. Então dissemos: ‘Temos de continuar tentando provar que nossa licença é válida’.” Eles finalmente conseguiram em 2018.

Ao longo das décadas, Baker e McConnell viraram celebridades locais – e defensores ferrenhos dos direitos LGBT. O caminho nem sempre foi fácil: eles perderam empregos e foram ameaçados.

Na entrevista, porém, eles disseram sentir satisfação por ter ajudado os casais LGBT que – com sorte – não terão de enfrentar os mesmos obstáculos que eles.

“O amor é a maior força de transformação do universo”, disse McConnell. “Ele pode transformar tudo.”

Baker completou: “Você tem de se defender, não espere que os outros façam isso por você”.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.