COMIDA
20/11/2019 02:00 -03

É preciso ferver o palmito em conserva antes de consumi-lo?

Discussão no Twitter fez com que muita gente entrasse em pânico com a descoberta.

Os amantes do palmito fizeram uma descoberta aterrorizante no Twitter.

Uma usuária chamada Déia Freitas ficou surpresa ao saber que o palmito em conserva deve ser fervido por 15 minutos antes do consumo― e isso bastou para que muitas pessoas entrassem em pânico e temessem pela morte. 

O assunto não é novidade e vira e mexe volta a “aterrorizar” os amantes da iguaria. Afinal, é preciso mesmo ferver o palmito antes de comê-lo?

De acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde, produtos industrializados e conservas, como o palmito, devem ser “fervidos ou cozidos por pelo menos 15 minutos”.

Em uma análise com palmito em conserva, o Inmetro cita um Alerta Sanitário da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que reitera que “palmito só deve ser consumido após fervido 15 minutos no líquido de conserva ou em água”. 

Juanmonino via Getty Images

Mas por que se deve ferver?

A fervura é indicada pelo Ministério da Saúde porque as altas temperaturas podem eliminar as toxinas do botulismo. O botulismo é uma doença neuroparalítica grave causada pela ação da toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum.

Segundo o Ministério, apesar de a doença ser rara, ela pode entrar no organismo por meio de machucados ou pela ingestão de alimentos contaminados, principalmente os enlatados e conservas que não têm preservação adequada. A doença pode levar à morte por paralisia da musculatura respiratória. 

Os alimentos que representam maior risco são os vegetais em conserva, principalmente as artesanais, como palmito. 

Os sintomas do botulismo variam de acordo com o tipo de infecção da doença. No entanto, os sintomas mais comuns da doença, de forma geral, são dores de cabeça, vertigem, tontura, diarréia, náusea, vômito, visão turva, entre outros.

Atenção ao rótulo e aspecto do palmito

Além de ferver alimentos em conserva, o Ministério da Saúde também recomenda outros cuidados para evitar a contaminação pela bactéria causadora do botulismo através da alimentação. 

O principal deles é evitar consumir alimentos em conserva que estiverem em latas estufadas, vidros embaçados, embalagens danificadas ou com alterações no cheiro e aspecto. 

A Portaria da Anvisa de 1999 havia determinado que todos os produtos produzidos e comercializados no País deveriam ser etiquetados com a advertência “Para sua segurança, este produto só deverá ser consumido, após fervido no líquido de conserva ou em água, durante 15 minutos”, mas atualmente esta norma não é seguida à risca. 

Para não correr o risco de contaminação, a ONG Food Safety Brazil recomenda não consumir palmito de origem duvidosa ou desconhecida, optar por conservas que apresentem o número de registro da Anvisa, certificação do Ibama e, se possível, selos que atestem a qualidade do produto. 

Por fim, evite ao máximo consumir palmito em restaurantes ou na rua (como pastel de feira), por ser difícil verificar a procedência do alimento.