LGBT
19/08/2019 12:35 -03

Líder conservador da Polônia critica paradas LGBT há poucas semanas da eleição

A parada LGBT, realizada em julho na cidade de Bialystok, no nordeste do país, foi marcada por atos de violência e declarações homofóbicas de líderes conservadores.

A Polônia “precisa resistir ao teatro viajante” das paradas do orgulho LGBT, afirmou o líder do partido conservador no governo neste domingo (18), em meio à preparação do país para as eleições parlamentares em 13 de outubro.

O partido governante Lei e Justiça (PiS) tem adotado a pauta sobre direitos LGBT como uma questão chave de campanha, retratando o tema como uma ideia ocidental perigosa que ameaça valores católicos tradicionais.

“A dura ofensiva, esse teatro viajante que está aparecendo em diferentes cidades para provocar e depois gritar... ‘nós que estamos sendo provocados por isso’ precisa ser desmascarado e depois descartado”, disse o líder do PiS, Jaroslaw Kaczynski, em um evento de campanha na cidade de Stalowa Wola.

A lei deve ser aplicada para “regular essas questões”, acrescentou, sem elaborar mais. Apenas o PiS pode defender a Igreja Católica e combater ameaças ocidentais à família tradicional no governo.

NurPhoto via Getty Images
Jovem enfrenta bloqueio da polícia em parada LGBT na Polônia.

Analistas políticos dizem que as críticas do partido aos direitos LGBT podem ser uma estratégia para reunir sua base conservadora rural nas eleições. O partido está na liderança das pesquisas e a expectativa é que conquiste mais um mandato de quatro anos.

Críticos dizem que o PiS tem fomentado a violência contra a comunidade gay nas últimas semanas com seus ataques ao que chama de “ideologia LGBT”.

A parada LGBT realizada em julho na cidade de Bialystok, no nordeste do país, foi marcada por violência, em meio a ataques e gritos de manifestantes conservadores.