ENTRETENIMENTO
30/05/2020 05:00 -03

Os 5 piores filmes originais da Netflix de 2020 até agora

Estes filmes são comicamente terríveis, mas, falando sério, você não tem nada além de tempo agora.

Justina Mintz/Netflix
Taraji P. Henson (esq.), Terrence Little Gardenhigh e Ed Helms em "Coffee & Kareem".

A Netflix já produziu vários filmes originais este ano, muitos dos quais foram grandes desastres repletos de estrelas.

Na semana passada, a Netflix estreou o último filme da Happy Madison Productions, A Missy Errada (que alcançou o topo das produções mais vistas na plataforma no Brasil), filmado no Havaí e estrelado por David Spade. A subsequente enxurrada de críticas negativas inspirou este resumo dos pontos mais baixos da Netflix em 2020 até agora.

Só incluo nesta lista filmes com essa vibe de “voar muito perto do sol”. Nenhuma das produções apresentadas abaixo é de cineastas indie ou promissores que precisam trabalhar com pequenos orçamentos. Todos esses filmes vêm de pesos pesados ​​da indústria, que deveriam fazer produções de alta qualidade (mas que, provavelmente, só queriam uma remuneração genorosa).

A Netflix também fez um esforço conjunto para colocar esses filmes nas páginas iniciais dos assinantes. A maioria deles superou o novo ranking de popularidade da plataforma em um momento ou outro. Isso se correlaciona fortemente com as pessoas que clicam na página inicial, em vez de procurar ativamente por filmes no catálogo.

Os assinantes certamente devem estar se sentindo queimados com essa estratégia de filme “me engane uma vez, me engane duas vezes, me engane repetidamente” pela Netflix.

Leia aqui a lista completa do Streamline:

Ji Sub Jeong/HuffPost

A Missy Errada


Premissa:
Nesta comédia de férias co-produzida por Adam Sandler, um homem reservado na casa dos 50 anos conhece duas mulheres chamadas Melissa, ambas significativamente mais jovens que ele. Ele gosta da que é cerca de 10 anos mais nova e decide que a outra Melissa, que é cerca de 20 anos mais jovem, é louca demais para ele.

O homem decide convidar a Melissa que ele gosta para um retiro corporativo no Havaí, mas, por engano, envia um texto do convite para a outra. A princípio, parece que as travessuras da mais jovem das Melissas lhe custarão o emprego. Então ele percebe que está se divertindo.

Elenco: Lauren Lapkus, Roman Reigns e David Spade

Avaliação do Rotten Tomatoes: 34%

Pontuação do Metacritic: 33

Crítica: Ignatiy Vishnevetsky, do The A.V. Club

Um ingrediente crucial está faltando, e esse é o próprio Sandman [Adam Sandler]. Jóias Brutas, dos irmãos Safdie, recentemente nos deu uma amostra fenomenal do que Sandler é capaz, mas a verdade é que houve um aumento geral na qualidade dos veículos Netflix de Sandler nos últimos anos, incluindo Lá Vem os Pais e, em menor grau, Mistério no Mediterrâneo - para não mencionar sua ótima performance em Os Meyerowitz: Família não se Escolhe, de Noah Baumbach. Não se pode deixar de ter a impressão de que Spade recebeu um papel rejeitado por Sandler. E não ajuda em nada que ele tenha uma presença de tela comparável a um item do mobiliário que você não sabe exatamente onde colocar em sua casa.

Data de estreia: 13 de maio

Duração: 1h30

Troco em Dobro


Premissa:
Nesta comédia de ação dirigida por Peter Berg, um ex-policial cumpre pena de prisão por um crime que ele alega não ter cometido. Quando ele sai, encontra seu antigo mentor procurando descobrir o que fazer da vida.

Alguém começa a matar policiais, e fica claro que esse ex-policial está em perigo. O ex-policial se une a seu mentor e a um novo pupilo para tentar enfrentar os bandidos.

Elenco: Alan Arkin, Winston Duke, Post Malone, Iliza Shlesinger e Mark Wahlberg

Avaliação do Rotten Tomatoes: 38%

Pontuação do Metacritic: 49

Crítica: Benjamin Lee, do The Guardian

É um thriller de ação/comédia/mistério que consegue fracassar espetacularmente em todos esses gêneros. Uma abominação algorítmica construída de qualquer jeito.

Data de estreia: 6 de março

Duração: 1h51

O Limite da Traição


Premissa:
Neste thriller escrito e dirigido por Tyler Perry, uma defensora pública suspeita que haja mais casos envolvendo uma mulher mais velha que admite ter assassinado o marido. Ela investiga a história da mulher e descobre detalhes preocupantes sobre o tal marido.

Ao longo das entrevistas, a mulher mais velha se abre sobre e conta a verdade, mas cabe a defensora pública encontrar a arma do crime.

Elenco: Crystal Fox, Tyler Perry e Phylicia Rashad

Avaliação do Rotten Tomatoes: 17%

Pontuação do Metacritic: 34

Crítica: Candice Frederick, do The New York Times

É estranho que em pleno 2020 um roteirista e diretor como Tyler Perry, alguém que se considera um cineasta progressista, ainda faça filmes que se assemelham ao histriônico formato “filmes do canal Lifetime feito para mulheres” que têm tanto a cara dos anos 1990.

Data de estreia: 17 de janeiro

Duração: 1h55

A Última Coisa que ela Queria


Premissa:
Thriller político dirigido e co-escrito por Dee Rees que traz uma repórter investigativa do Washington Post que, enquanto trabalha em uma reportagem sobre um escândalo militar, descobre que seu misterioso pai está envolvido.

A história da repórter se enreda com o escândalo Irã-Contra, na década de 1980. O filme é baseado em um romance de 1996 com o mesmo nome, de Joan Didion.

Elenco: Ben Affleck, Willem Dafoe, Anne Hathaway e Rosie Perez

Avaliação do Rotten Tomatoes: 5%

Pontuação no Matacritic: 35

Crítica: Stephanie Zacharek, da revista Times

A Última Coisa que ele Queria faz algum tipo de sentido no final. Mas atravessar boa parte dessa longa jornada é um feito e tanto. Nada vale tamanho esforço.

Debut date: 21 de fevereiro

Runtime: 1h55

Coffee & Kareem


Premissa:
Nesta comédia policial, uma garota de 12 anos chamada Kareem não está feliz com o novo namorado de sua mãe, um policial com o sobrenome Coffee. Kareem tenta contratar alguém para matar Coffee, mas a tentativa de assassinato dá errado e toda a família está em perigo agora.

Enquanto a família tenta sobreviver, Coffee e Kareem descobrem que há policiais corruptos na força que matam para fechar um negócio de drogas. A maior parte da tentativa de comédia vem do equilíbrio entre a antipatia de Kareem e da suavidade adulta de Coffee.

Elenco: Ed Helms, Taraji P. Henson e Terrence Little Gardenhigh

Avaliação do Rotten Tomatoes: 20%

Pontuação do Metacritic: 35

Crítica: Richard Roeper, do Chicago Sun-Times

É espantoso o quão sem graça este filme é dado o talento dos membros principais do elenco: Ed Helms, Taraji P. Henson, Betty Gilpin e David Alan Grier. Os diálogos e as situações em que estão envolvidos tornam impossível a tarefa de fazer o público sorrir, quanto mais dar uma risada legítima.

Data de estreia: 3 de abril

Duração: 1h28

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.