Comida

Jovem cria picolé em formato de pênis para 'hidratar' foliões no Carnaval do Recife

Com slogan "chupa que hidrata", o Picalé virou sensação nas redes sociais.

Abram alas que o Picalé está chegando.

Isso mesmo que você leu. Não é um simples picolé que vai refrescar os foliões no Recife neste verão. Eles poderão cair de boca no Picalé, um sorvete recheado com formato de… Bem, vocês sabem do quê!

Quem criou essa — enorme — delícia gelada foi a estudante de confeitaria Tayná Maisa, moradora do Recife. A estudante teve essa inusitada ideia depois de ser desafiada a trazer uma sobremesa inovadora pelos coordenadores do curso da ONG GTP+, organização de apoio a LGBTs e população vulnerável.

“Os coordenadores provocaram os alunos a criar uma marca ou uma sobremesa e eu, sempre curiosa, pensei muito, mas não tive nenhuma ideia. Pedi ajuda para colegas e chegamos à ideia de fazer um bolo de rolo bem colorido para as festas de Natal e Ano Novo”, conta a estudante ao HuffPost Brasil.

Como o projeto tinha que se diferenciar dos demais, Tayná pensou em fazer um bolo de rolo — tradicional do Recife — em formato de pênis e chamá-lo de “bolo de rola”. Apesar de ousada, a ideia não foi pra frente. “Não iria conseguir vender isso no Natal, me acharam muito louca e me criticariam bastante”, conta.

Porém, depois de algumas semanas, a recifense acordou de manhã com uma nova ideia: por que não fazer um picolé com este formato?

“A galera [do curso] ficou super chocada quando contei sobre meu projeto — picolé em formato de pênis? Mas eu insisti. Tenho até um papelzinho onde esbocei o desenho deste picolé, que na época nem sabia como iria chamá-lo.”

‘Chupa que hidrata’

Depois de muitos testes, ela chegou aos primeiros protótipos do que seria o Picalé, que é um delicioso sorvete artesanal coberto com casquinha de chocolate. Para completar, a novidade leva o slogan “chupa que hidrata”. Sugestivo, não?

A estudante apresentou a ousada novidade aos vizinhos do bairro e, para a surpresa, eles gostaram — quer dizer, nem todos.

“Algumas pessoas mais conservadoras não gostaram muito, mas existem coisas muito mais graves do que isso, não é?”, rebateu.

Depois da (quase) aprovação geral, ela decidiu postar a obra de arte no Instagram, e foi então que as coisas começaram a esquentar (ou esfriar!). A publicação viralizou e recebeu milhares de curtidas e comentários. A fama foi avassaladora e, depois de dois dias,Tayná ficou conhecida na internet. “Do nada, eu já estava famosa e dando entrevistas”, acrescenta.

“Foi incrível essa aceitação. Algumas pessoas tiveram críticas bem conservadoras, mas foram poucas em comparação aos elogios. Mas as críticas não têm muito fundamento — eu nunca venderia um picolé em formato de pênis para uma criança, né? Estou muito segura do que estou fazendo. Estou tranquila”, disse. A empreendedora enfatiza que não venderá o picolé para menores de 16 anos.

Com as vendas a todo vapor, Tayná aumentou o leque de sabores. Hoje o consumidor recifense (que é predominantemente o público feminino) pode escolher entre morango, chocolate ao leite, chocolate branco, graviola, chiclete, caipirinha, maracujá, coco, entre outros.

Após a fama, ela vai oficialmente inaugurar a marca Picalé no Sarau Eroticuzinho, espetáculo de poesias eróticas que acontece no próximo 14 de fevereiro no Recife.

“O mais interessante dessa história, pra mim, é ver que isso se tornou uma inspiração pra mulheres negras. Isso é muito importante pra mim porque eu sou mulher preta, filha de empregada doméstica e cozinheira por profissão”, conta. “A microempresa Picalé foi criada por meio de muita luta e obstáculos, são muitas coisas para a gente conquistar, principalmente sendo mulher da classe trabalhadora.”