COMIDA
02/09/2019 02:00 -03

Vigilantes do Peso dos EUA lançam app de perda de peso para crianças.

O que pode dar errado?

af_istocker via Getty Images

Quando saíram as notícias de que os Vigilantes do Peso lançariam nos Estados Unidos um novo app de nutrição de perda de peso chamado Kurbo, Whitney Fisch – assistente social, conselheira de escola e mãe de três – sentiu-se obrigada a expressar seu descontentamento na internet.

“Vocês TÊM. Que. Parar. Com. Isso”, escreveu ela no Facebook. “Todos os corpos, especialmente os em crescimento + desenvolvimento, merecem o respeito e a possibilidade de crescer e atingir a forma que terão”. Ela disse que estava escrevendo “com a fúria de 1.000 sóis”.

Fisch não foi a única mãe ou pai a se manifestar sobre o aplicativo, lançando em meados de agosto para americanos A empresa comprou o Kurbo em 2018 e passou um ano fazendo mudanças e criando o que a revista Time chamou de “interface inspirada no Snapchat”.

Os Vigilantes do Peso afirmam que o Kurbo é “um programa de mudança de comportamento cientificamente comprovado, pensado para ajudar crianças e adolescentes entre 8 e 17 anos a atingir um peso mais saudável”. O app seria baseado no Programa de Controle de Peso Pediátrico da Universidade de Stanford.

Mas muitos pais e defensores da positividade corporal o consideram pura e simplesmente perigoso.

“É uma PÉSSIMA ideia”, escreveu num email para o HuffPost Kristy, mãe de uma menina de 11 anos que está se recuperando de anorexia e que estava exagerando na academia. (Ela pediu que apenas seu primeiro nome fosse usado para proteger a privacidade da filha.)

Apesar de não ter experiência direta com o app, Kristy diz que tecnologias que supostamente promovem comportamentos “saudáveis” podem resultar no contrário, se a criança tem problemas com sua imagem. Sua filha contava obsessivamente as calorias gastas durante o dia, com a ajuda de um aparelho. “Eu ficava chocada com o jeito que ela usava o aparelho”, diz Kristy.

O Kurbo usa o que os Vigilantes do Peso chamam de sistema do semáforo: as crianças podem comer à vontade os alimentos “sinal verde” (frutas, legumes e verduras), prestar atenção às porções das comidas “sinal amarelo” (como proteínas magras, grãos integrais e leite e derivados) e reduzir o consumo de alimentos “sinal vermelho” (como bebidas com adição de açúcar e doces em geral).

O aplicativo é gratuito, mas a empresa também oferece planos de assinatura para sessões individuais com especialistas em nutrição, exercícios e saúde mental.

A empresa não tem um sistema de credenciamento desses profissionais, mas eles passam por um treinamento mínimo de seis a oito horas, bem como três horas e meia de aulas suplementares, afirmou um porta-voz dos Vigilantes do Peso.

E, seguindo a estratégia de reposicionamento como uma companhia focada em “bem estar”, não puramente em emagrecimento, o app também incentiva as crianças a acompanhar atividades físicas e exercícios de respiração.

“Não se trata de um app para perder peso”, diz ao HuffPost Gary Foster, cientista-chefe da empresa. “É um app que ensina os básicos de uma dieta saudável de forma parecida com um jogo.” 

“Acho que as pessoas podem achar que estamos dizendo: ’Todas as crianças têm de perder peso, você não está OK assim”, acrescenta Foster. “Mas o que estamos dizendo para as crianças que querem atingir um peso mais saudável – crianças e famílias – é que essa é uma maneira razoável e sensata de fazê-lo.” Atingir um “peso mais saudável” é muito diferente para crianças e adultos, afirma ele, porque as crianças estão sempre crescendo. 

Mas especialistas em transtornos alimentares afirmam que pode haver uma desconexão entre os objetivos da empresa e os resultados finais.

“Embora a intenção do app seja promover saúde e bem-estar, existe o risco de que ele possa fazer mais mal que bem”, diz Kathryn Argento, nutricionista do The Renfrew Center, uma rede nacional de centros de tratamento de transtornos alimentares para meninas e mulheres.

“Mirar em crianças de 8 anos e pedir que elas prestem atenção em seus corpos pode levar a uma preocupação intensa com comida, tamanho, forma e peso.” Existem evidências de que a ansiedade com a imagem corporal pode começar aos 3 anos de idade.

Por mais que eles tentem se apresentar como uma empresa de bem-estar, o negócio dos Vigilantes do Peso é perda de peso. As crianças são muito mais inteligentes que achamos, e toda criança que entrou num programa de emagrecimento sabe exatamente o que seus pais estão tentando fazer.

Ao mesmo tempo, especialistas em saúde pública afirmam que a obesidade infantil é muito preocupante. Segundo estimativas, aproximadamente uma criança americana a cada cinco é obesa, o que pode aumentar o risco de complicações de saúde imediatas, como diabetes tipo 2, bem como problemas de longo prazo, como doenças cardiovasculares.

Mas organizações ligadas à saúde pública e pediatras ressaltam que essa questão é complexa, e existem dúvidas reais a respeito da eficácia de planos de perda de peso para crianças.

“As evidências sugerem que esse tipo de ferramenta pode ser um complemento útil para a administração do peso, mas há poucos estudos pediátricos que confirmem que eles levem a ‘mudanças significativas em suas trajetórias de peso’”, afirma Ihuoma Eneli, diretora do Centro para Peso e Nutrição Saudáveis do Nationwide Children’s Hospital. Ela afirma também que não há clareza sobre a adesão das crianças a esse tipo de programa, apontando para um pequeno estudo piloto do aplicativo que mostrou conformidade relativamente baixa.

Apesar de vender as características “holísticas” da abordagem do Kurbo, muitos pais acreditam que a única mensagem que as crianças vão ouvir é que tem algo de errado com elas e é preciso fazer mudanças. As “histórias de sucesso” do site do Kurbo destacam os quilos perdidos pelas crianças, não quantos minutos elas meditam por dia. É difícil esquecer as décadas de história dos Vigilantes do Peso como um método de emagrecimento.

“Não tem como as crianças não perceberem que o app existe para ajudá-las a perder peso”, diz Ginny Jones, que criou um site dedicado a combater transtornos alimentares entre as crianças. “Por mais que eles tentem se apresentar como uma empresa de bem-estar, o negócio dos Vigilantes do Peso é perda de peso. As crianças são muito mais inteligentes que achamos, e toda criança ‘grande’ que entrou num programa de emagrecimento sabe exatamente o que seus pais estão tentando fazer.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.