COMPORTAMENTO
21/09/2019 04:00 -03

Quanto mede um pênis grande? Por que a dismorfia peniana é um problema

O transtorno dismórfico corporal peniano vai além do desejo de ter um pênis maior. Os homens contam como ele afeta suas vidas.

HuffPost Illustration/Getty Images
“Ninguém quer que olhem para seu pênis e digam: ‘É, acho que dá’.”

Steven, um soldador de Los Angeles de 30 anos, tem um pênis de tamanho perfeitamente normal. Na verdade, de acordo com um estudo recente que afirma que o tamanho médio de um pênis ereto é de 13,1 centímetros, o seu é um pouco maior que a média.

Mas, da adolescência até os 20 e poucos anos, ele diz que tinha problemas com o pênis.

“Sempre achei que o meu estivesse entre os menores da média, e se me dissessem algo diferente achava que queriam me agradar ou me manipular”, diz Steven, que pediu para ser identificado apenas pelo primeiro nome.

Ele se sentia confiante em relação a sua aparência – ia à academia regularmente e recebia elogios. Mas nada disso importava; segundo os padrões do pornô que ele absorvera ao longo de anos, alguma coisa estava errada.

“Crescer na era da internet, com pornografia abundante, dá a impressão de que todos os caras têm pênis gigantes, menos você.”

Essa mentalidade afetou profundamente sua vida sexual.

“É fácil ter a impressão falsa de que a menina com quem você ficou vai contar histórias sobre seu pau ser o menor que ela encontrou por aí, então imaginar que ela vai dizer para o próximo cara como ele é tão maior que você”, acrescenta ele.

Na época, Steven estava lidando com o que especialistas chamam de dismorfia peniana (ou “transtorno dismórfico corporal peniano”). 

Esse transtorno não faz parte do Manual Diagnóstico Estatístico de Transtornos Mentais, obra de referência de psicólogos e psiquiatras; na realidade, ele é considerado uma subcategoria dos transtornos dismórficos corporais — mas hiperfocada no pênis.

Mas a dismorfia peniana vai muito além do mero desejo de ter um pênis maior, afirma Stephen Snyder, terapeuta sexual e apresentador do podcast “Relationship Doctor”.

Assim como na dismorfia corporal, os homens que sofrem desse transtorno ficam preocupados com supostos defeitos ou falhas na aparência do pênis – neste caso, o tamanho.

“Eles medem o pênis compulsivamente, evitam relacionamentos, experimentam técnicas caseiras para aumentar o pênis que encontram na internet e até mesmo buscam cirurgias”, diz Snyder ao HuffPost.

Como no caso do transtorno dismórfico corporal, não importa que a diferença de tamanho seja negligenciável e indetectável pelos outros. O problema pode atingir qualquer um: donos de pênis grandes, médios ou pequenos. Um estudo do British Journal of Urology sugeriu que a maioria dos homens que fazem cirurgia para aumentar o pênis têm membros de tamanho dentro da média.

Uma menina me mandou uma mensagem: ‘Seu pau é tão grosso’. A maioria consideraria isso um elogio, mas eu achei que ela estava mentindo.Steven, 30

É difícil determinar a prevalência da dismorfia peniana, já que quem sofre do problema não costuma procurar profissionais de saúde mental, afirma Snyder. 

“Você sabe que tem problema se sofre muito com o tamanho do pênis ou se isso afeta sua vida – evitando relacionamentos ou sentindo a necessidade de medir o pênis constantemente”, diz Snyder.

A boa notícia? Em um estudo recente com americanos, 85,9% dos homens afirmaram estar mais ou menos satisfeitos com sua genitália. Mas, se você sofre de dismorfia peniana, nunca estará satisfeito. Qualquer elogio ou comentário será simplesmente ignorado.

“Estava saindo com uma menina e ela pediu que eu mandasse uma foto. Ela respondeu: ‘Seu pau é tão grosso’. A maioria consideraria isso um elogio, mas eu achei que ela estava mentindo.”

O pornô e a dismorfia peniana

Parte do problema tem a ver com a pornografia. Os homens ficam com expectativas irreais, já que os atores pornô e seus pênis enormes são a regra no gênero – mas na vida real são anomalias estatísticas.

Em The Penis Book: A Doctor’s Complete Guide to the Penis (O livro do pênis: guia completo de um médico para o pênis, em tradução livre), o urologista Aaron Spitz afirma que cerca de 40% dos homens que procuram médicos para perguntar sobre cirurgias de aumento peniano acham que seus pênis são pequenos por causa da pornografia. Na realidade, afirma Spitz, eles têm tamanho normal.

“O problema da pornografia é que, apesar de a maioria dos homens saber que não se trata de algo ‘real’, poucos homens têm outras referências para comparação”, afirma ele ao HuffPost. “A menos que um cara hétero seja urologista como eu, ele não tem muita ideia dos vários tamanhos e formas do pênis.”

E até mesmo os atores pornô ficam surpresos com o que encontram na vida real, em comparação com o que se vê no PornHub.

“Na indústria, o tamanho médio fica acima de 20 ou 22,5 centímetros”, afirmou o ator pornô Theo Ford ao HuffPost, em abril. “Curiosamente, sempre esqueço disso e fico quase surpreso quando encontro um cara com pênis de tamanho dentro da média.” 

“No pornô, até eu poderia me sentir inadequado”, admitiu ele. “Não tenho certeza como as pessoas se sentem ao ver caras muito bem dotados, mas espero que elas se lembrem que pornô é puramente fantasia.”

Acho que fui virgem durante tanto tempo porque deixei que a dismorfia me consumisse. Minha mentalidade era derrotista.Luke, 24

Alguns sentem mais essa pressão para ser perfeito como os atores pornô. Dada a popularidade dos vídeos BBC (big black cock, ou pau negro grande), os negros são particularmente afetados pela questão do tamanho.

(Subreddits sobre tamanhos de pênis estão cheios de relatos de negros lamentando a imagem projetada pela pornografia: ideias exageradas sobre seus genitais e os estereótipos da sexualidade negra.)

Luke, um jovem negro de 24 anos, diz que a dismorfia peniana de que sofria na adolescência estava diretamente associada ao vício pela pornografia.

“O mito do BBC me deixava muito encanado, a ponto de pensar que as mulheres esperariam algo especial de mim e eu iria decepcioná-las. Então, melhor nem me colocar em situações em que isso pudesse acontecer”, diz ele ao HuffPost, pedindo que seu sobrenome não seja publicado por motivos de privacidade.

Luke era virgem até poucos meses atrás por causa da ansiedade em relação ao tamanho do pênis.

“Meu pênis tem quase 18 centímetros, mas, de tanto ver pornografia, achava que na melhor das hipóteses estava dentro da média e definitivamente era pequeno para um negro”, afirma ele. “Acho que fui virgem durante tanto tempo porque deixei que a dismorfia me consumisse. Minha mentalidade era derrotista.”

Como lidar com a dismorfia peniana sem “entrar na faca” 

Spitz diz que os homens devem conversar com médicos ou terapeutas antes de passar por qualquer tipo de cirurgia. Em geral, se seu corpo está saudável, não há por que se preocupar com dimensões além do seu controle. 

“Mantenha seu corpo o mais saudável possível, curta-o e, igualmente importante, ajude outras pessoas a curtir”, afirma ele.

Ficar se medindo o tempo todo também não ajuda em nada.

“Observar-se e medir-se compulsivamente só pioram a dismorfia peniana”, afirma Snyder.

Mesmo que você não esteja considerando uma cirurgia, se estiver evitando relacionamentos ou se medindo frequentemente – dois grandes sinais de alerta ―, talvez valha a pena conversar com um terapeuta ou um especialista.

Luke e Steve dizem que superaram o problema. Eles estão menos obcecados com tamanho. Falar do tema com outros homens em fóruns da internet ajudou, bem como ser mais realista em relação à pornografia – além de assistir menos.

“É claro que todo cara quer a reação do pornô ... Ninguém quer que olhem para seu pênis e digam: ‘É, acho que dá’. Mas você pode pesquisar e dar-se conta dos exageros do pornô”, diz Steven. 

O que mais ajudou foi sair com mulheres, acrescenta ele.

Na vida real, a maioria das mulheres está menos preocupada com o comprimento do pênis que os homens.

(Na verdade, se algo interessa às mulheres é a espessura, pois isso ajuda no estímulo da estrutura clitoriana. E obviamente há maneiras de dar prazer que não envolvem o pênis; trabalhe suas habilidades manuais e orais.)

O mesmo vale para homens gays. Sim, alguns não se cansam de dizer que “quanto maior melhor”, mas nem todos estão procurando o mesmo tipo de parceiro sexual ou o mesmo tipo de sexo.

Steven agora entende que as mulheres querem ir para a cama com gente decente, não de pênis grande. 

“Você tem de ser uma pessoa com quem elas querem transar”, diz ele. “Sua primeira preocupação não deveria ser o tamanho do pênis ou quantos centímetros ele está acima da média. Foque em sair com ela e ser gentil, charmoso, engraçado e genuíno.” 

Luke também já entendeu que isso é o mais importante.

“Finalmente percebi que tenho mais a oferecer num relacionamento que o pênis, seja ele grande ou pequeno. O tamanho não importa se você tiver uma personalidade envolvente.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.